Páginas

sábado, 11 de junho de 2022

Um dinossauro carnívoro em Portugal

https://ensina.rtp.pt/artigo/um-dinossauro-carnivoro-em-portugal/

A maxila foi descoberta a norte da Lourinhã e identificada como pertencente a um Torvossauro. Pensou-se que seria um dinossauro idêntico aos que viviam na América, mas posteriormente concluiu-se que se tratava de uma nova espécie.

A nova espécie de dinossauro carnívoro foi batizada de Torvossauro Gurneyi, em memória de James Gurney, autor da série de livros ilustrados “Dinotopia”, um mundo utópico onde humanos e dinossauros convivem lado a lado.

Este Torvossauro é um dos maiores predadores do seu tempo e os paleontólogos acreditam que se encontrava no topo da cadeira alimentar da Península Ibérica. As diferenças em relação ao “primo” americano mostram também, segundo os especialistas, que há 150 milhões já existia um oceano profundo a separar a Europa das Américas, levando a que animais com origens semelhantes seguissem caminhos evolutivos diferentes.

Nesta reportagem podemos ouvir as explicações do paleontólogo Octávio Mateus.


Embriões de Torvossauro encontrados na Lourinhã

https://ensina.rtp.pt/artigo/embrioes-de-torvossauro-encontrados-na-lourinha/

Os ovos estão reunidos num ninho e, dentro deles, foi possível descobrir fósseis de embriões de Torvossauro, um dinossauro carnívoro que viveu há 150 milhões de anos. Trata-se de uma descoberta única no mundo.

O ninho de dinossauro foi descoberto em 2009 na praia do Porto das Barcas, na Lourinhã. Levado para o museu local foi estudado ao longo de quatro anos.

No bloco de pedra conseguem-se distinguir pequenos ossos da cabeça, de membros e do tronco do animal, um dos maiores carnívoros do período Jurássico.

É a segunda vez que se descobrem ovos de dinossauros carnívoros nesta zona do país. Trata-se de achados únicos, pois outros, encontrados na China e na África do Sul, pertencem a herbívoros.

O Torvossauro caminhava sobre duas patas e podia chegar, em estado adulto, aos 11 metros de comprimento.

Nesta reportagem podemos ouvir as declarações do paleontólogo Rui Castanheira.

Um novo dinossauro com placas no dorso

https://ensina.rtp.pt/artigo/um-novo-dinossauro-com-placas-no-dorso/

O “Miragaia Longicollum” é parecido com o Estegossauro. Também tem placas ósseas no dorso e uma cauda espinhosa, mas apresenta um pescoço mais longo que o outro dinossauro.

O pescoço com 17 vértebras é o aspeto que mais chama a atenção dos paleontólogos neste dinossauro, descoberto perto da aldeia de Miragaia, na Lourinhã. É uma característica fisionómica muito peculiar, pois nem os dinossauros de pescoço longo têm um número tão elevado de vértebras.

O fóssil é também interessante porque apresenta um importante fragmento do crânio, o mais completo deste tipo de animal alguma vez descoberto no continente europeu.

No Museu da Lourinhã pode ver-se o esqueleto em tamanho natural, reconstruído com base nos ossos descobertos.

Nesta reportagem é entrevistado o paleontólogo Octávio Mateus.

O poder da água deu à costa

https://ensina.rtp.pt/artigo/a-accao-da-agua-no-litoral/

A água teve um papel essencial na origem da vida: terá sido em praias e charcos que moléculas orgânicas simples se transmutaram nas proteínas e ácidos nucleicos das primeiras células vivas. <br /> Em milhões de anos, a força da água gerou fenómenos admiráveis.

Também no decurso de milhões  de anos, o soerguimento dos continentes ou o abaixamento do nível do mar, fez emergir novos territórios, e o movimento inverso gerou submersão de solos e invasão de vales fluviais.

Saber distinguir uma duna de uma restinga ou de uma laguna; conhecer uma praia levantada e espreitar bem fundo, dentro de água, no fundo oceânico.

Mergulhar e deixarmo-nos levar pelo espanto da circulação termohalina, cujo ciclo leva cerca de 1000 anos a completar-se . Sem o enorme transporte de calor associado a esta circulação, comparável à potência gerada por um milhão de centrais nucleares, a temperatura média da Europa poderia descer entre 5 a 10ºC.

Património Geológico da Ilha da Madeira

https://ensina.rtp.pt/artigo/cienciao-tempo-escrito-nas-rochaspatrimonio-portosanto-mp4/

Profundos vales incrustados entre os picos mais altos e falésias que percorrem grande parte da ilha fazem parte do património geológico da ilha da Madeira, que abordamos neste programa..

O património geológico da ilha da Madeira é constituído por todos os recurso naturais não renováveis como formações rochosas, acumulações sedimentares, paisagens, aspetos ou conteúdos estratigráficos e paleontológicos ou coleções de objetos geológicos de valor científico, cultural, educativo e de interesse paisagístico ou recreativo.

Celacanto, o peixe milenar

https://ensina.rtp.pt/artigo/celacanto-o-peixe-milenar/

Em 2001 um português participou na expedição que filmou pela primeira vez celacantos na costa da África do Sul. Trata-se de um peixe extremamente raro, que se julgava extinto e de que existem apenas algumas dezenas de indivíduos em todo o mundo.

Os celacantos vivem a cerca de uma centena de metros de profundidade e poucos mergulhadores conseguem chegar tão longe, razão porque as expedições obrigam a cuidados excepcionais.

É um tipo de peixe com características milenares cujos antecessores são identificados com os peixes que abandonaram o mar, começando a viver em terra. Surgiram ainda antes dos dinossauros e os cientistas julgavam-nos extintos, até que foi encontrado um exemplar morto a bordo de um barco de pesca na África do Sul, em 1938.

Em 2001 foram avistados, acidentalmente, alguns destes peixes numa parede rochosa da costa sul-africana. Os autores da descoberta conseguiram, meses depois, recolher imagens dos animais no seu habitat natural.

Os dinossauros estão no museu da Lourinhã

https://ensina.rtp.pt/artigo/os-dinossauros-estao-no-museu-da-lourinha/

Antigos habitantes do planeta, os dinossauros não têm perfil de animal de estimação.Predadores temíveis ou herbívoros inofensivos, a cara é sempre de poucos amigos. Mesmo fossilizados metem muito respeito. Vê-los de perto, só no Parque Jurássico português.

Na peugada destes gigantescos animais pré-históricos andam há muito os lourinhanenses, os habitantes da Lourinhã, mais os paleontólogos, estudiosos de fósseis e dos seres extintos e outros cientistas. E simples curiosos também. As excursões à terra justificam-se com os achados que por lá se vão fazendo, tão únicos e raros que Portugal é um dos países do mundo com mais dinossauros registados.

Os primeiros vestígios foram encontrados na praia Porto das Barcas, em 1863, há mais de 150 anos. Depois, foi uma das maiores pegadas do mundo. Organizaram-se escavações que trouxeram – e continuam a trazer – à superfície ossos de membros e partes do crânio de vários exemplares, bem conservados no tempo. Tornou-se  inevitável arranjar um espaço para mostrar e recriar um passado com  milhões e milhões de anos, vindo diretamente do Jurássico Superior. Assim nasceu a ideia de um museu, concretizada nos anos oitenta.

Lá dentro esperam-nos perigosos carnívoros capazes de comer um homem inteiro e de uma só vez; herbívoros que podiam pesar 10 toneladas e dentes de répteis voadores. E espécies exclusivas, como o Lourinhanosaurus antunesi, ou ovos com 150 milhões de anos, alguns ainda com embriões do maior predador terrestre que gostava de se passear pela Europa, o Torvosaurus.

Faça-se então o que deve ser feito: uma visita ao museu da Lourinhã, que começa aqui com a Marta e com o Duarte a contarem quase tudo sobre os mais velhinhos habitantes da Terra. Das réplicas de dinossauros em tamanho real, vamos aos bastidores do museu com o paleontólogo Octávio Mateus, que nos explica como se recolhem, tratam e preparam os fósseis para exposição.

Os dias do vulcão

https://ensina.rtp.pt/artigo/os-dias-do-vulcao/

O vulcão dos Capelinhos não causou mortes, mas teve grande impacto social e económico na ilha do Faial. Perderam-se casas e bens, e também um modo de vida. Os efeitos da erupção obrigaram metade da população a emigrar.

Com a atividade vulcânica, o Faial viveu durante 13 meses entre o medo e o fascínio. Os constantes tremores de terra, as colunas de cinzas, as explosões e a luz da lava que se elevava no céu, noite e dia, causavam sentimentos contraditórios entre a população.

O fenómeno obrigou ainda à paragem de toda a atividade económica naquela zona da ilha e a população viu-se obrigada a viver dos apoios e da ajuda do estado e de particulares. O pão, os legumes, a fruta e até a roupa chegavam regularmente em camiões da Legião Portuguesa para serem distribuídos.

No fim da erupção a ilha tinha crescido um par de quilómetros mas, devido às dificuldades que foram geradas, parte importante da população abandonou as suas casa e optou pela emigração, especialmente para os EUA.

O que é um fóssil?

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-que-e-um-fossil/

Raros e petrificados, os fósseis podem ter milhões de anos, mas são peças fundamentais no imenso puzzle que é a História. O "Cuidado com a Língua!" desenterra este nome para explicar a sua origem e significado.

O ator Diogo Infante e a jornalista Maria Flor Pedroso dão lições de Português no programa “Cuidado com a Língua!”.

Como se formam as grutas?

https://ensina.rtp.pt/artigo/visiokids-grutas/

A maior parte das grutas aparecem quando a força da água desgasta a rocha, provocando uma abertura na mesma. Também pode acontecer quando a lava de um vulcão solidifica, deixando espaços no seu interior, como nos explicam os VisioKids.

“VisioKids” é uma série que explora as curiosidades e questões da ciência de modo informal e divertido. Os personagens, cinco amigos, representam diferentes áreas do conhecimento e partilham as suas aventuras e experiências para ensinarem os fundamentos da ciência.

Atómico é especialista em energia, luz, química e novos materiais, Bit interessa-se por informática e robótica, Cassiopeia gosta de geografia, animais, plantas e ambiente, Cósmico viaja pelo sistema solar, astronomia e astrofísica e Vita conhece o corpo humano o ADN e a vida.

Juntos mostram, no Ensina, como a ciência também é divertida.

Os mais antigos ovos de crocodilo estão na Lourinhã

https://ensina.rtp.pt/artigo/os-mais-antigos-ovos-de-crocodilo-estao-na-lourinha/

A Lourinhã tem ovos de crocodilo com 150 milhões de anos e não se conhecem outros mais antigos do mundo. A descoberta foi feita nos anos 90, mas só duas décadas depois confirmada pelos paleontólogos.

Os ovos foram encontrados, nos anos 90, na praia de Paimogo, na Lourinhã, num ninho onde se pensava existirem apenas ovos de dinossauro. Nos últimos anos, no entanto, foi confirmado que pertenciam a “crocodilomorfos”, um grupo primitivo de répteis, do jurássico superior, dos quais descendem os atuais crocodilos.

Este achado vem reforçar o espólio do Museu da Lourinhã, já conhecida como a “capital dos dinossauros”.

As conclusões do estudo foram publicadas na revista “Plos One”, e permitem perceber melhor a evolução desta espécie. Os fósseis de ovos de crocodilo até agora conhecidos como os mais antigos tinham 110 milhões de anos e foram descobertos no Texas.

Nesta reportagem pode ouvir as explicações do paleontólogo João Russo.

Antes dos dinossauros viveram no Algarve salamandras gigantes

https://ensina.rtp.pt/artigo/antes-dos-dinossauros-viveram-no-algarve-salamandras-gigantes/

Foi baptizada de "Metoposaurus Algarvensis" e é uma nova espécie de anfíbio anterior à época dourada dos dinossauros. No Algarve foram descobertos os fósseis de vários indivíduos desta espécie de salamandra que chegava aos dois metros de comprimento.

Os esqueletos foram encontrados completos e articulados naquilo que terá sido um lago que, devido a uma seca, matou a colónia que nele habitava. Os adultos podiam alcançar os dois metros de comprimento e há pouco mais de 220 milhões de anos eram predadores de topo no planeta.

A escavação revelou vários indivíduos, e os paleontólogos acreditam que a área junto à aldeia da Penina, no concelho de Loulé, pode revelar mais salamandras gigantes e também vestígios de animais de outras espécies.

Nesta reportagem pode ouvir as explicações de Octávio Mateus, professor Paleontologia da Universidade Nova de Lisboa.

Pegadas de dinossauro em praias do Algarve

https://ensina.rtp.pt/artigo/pegadas-de-dinossauro-em-praias-do-algarve/

São dezenas de pegadas de dinossauro que podem ser encontradas nas rochas das praias da Salema e Santa no Algarve. É possível fazer visitas guiadas com a ajuda de paleontólogos.

Foram descobertas há cerca de 20 anos e nas rochas encontram-se pegadas de carnívoros e herbívoros, todos bípedes, do período do Cretáceo Inferior, com cerca de 140 milhões de anos.

Na praia de Salema encontram-se dois conjuntos de pegadas. Um deles tem sete pegadas com três dedos (tridáctilas) que pertenceram pelo menos a três indíviduos distintos. Noutro ponto da praia há oito pegadas, também com três dedos, que terão pertencido a um ornitópode, um dinossauro herbívoro.

Ainda na Praia da Salema vale a pena reparar nas formações rochosas que apresentam vestígios de galerias escavadas por artrópodes, seres invertebrados que percorriam os fundos marinhos.

As pegadas da praia Santa não são de fácil acesso, mas os especialistas consideram que são as mais bem preservadas e também foram deixadas por um herbívoro bípede.

O auroque, animal que desconhecemos

https://ensina.rtp.pt/artigo/ressuscitar-da-pedra-o-auroque/

O auroque foi a vaca primitiva que surge representada nas pinturas rupestres e deu origem às espécies de bovinos que hoje conhecemos. Os cientistas querem trazer esses animais de volta, uma vez que foi dado como extinto no século XVII.

O auroque é, ao lado dos cavalos, dos animais que surge com mais frequência nas rochas do Vale do Coa e noutras representações do período rupestre. Trata-se de um herbívoro de grande porte, pesando cerca de mil quilos, selvagem e capaz de defender as crias e as manadas de predadores.

Durante milhares de anos foi caçado e, posteriormente, domesticado pelo homem. Na Península Ibérica o último terá desaparecido há cerca quatro mil anos, mas noutros pontos do mundo manteve-se vivo até mais tarde e o último terá morrido na Polónia já no século XVII.

Atualmente os cientistas estão a tentar recuperar o auroque. Pelo menos dois projetos – o Tauros e o Uruz – tentam ressuscitar este bovino utilizando técnicas como o retrocruzamento, cruzamento de raças que apresentam características da espécie primitiva. Em Portugal as vacas maronesa e barrosã integram as listas dos animais que estão a ser utilizados nestas iniciativas.

O regresso do auroque asseguraria o repovoamento de zonas de pastagem ou agrícolas em áreas de difícil acesso, abandonadas ou sob ameaça de predadores como o lobo.


O Eousdryosauros, um dinossauro herbívoro português

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-eousdryosauros-um-dinossauro-herbivoro-portugues/

Era um herbívoro pequeno e rápido. Deram-lhe o nome de "Eousdryosauros" e é uma espécie de dinossauro, descoberta na zona da Lourinhã que, pelo menos por enquanto, só foi identificado no nosso país.

Tinha pouco mais de meio metro de altura e viveu num mundo de gigantes durante o período Jurássico. Possivelmente escondia-se em florestas para escapar aos predadores, que durante aquele período alcançaram dimensões gigantescas.

A descoberta foi feita por particulares que se dedicam à busca de fósseis na zona da Lorinhã. O esqueleto está muito completo e promete trazer mais novidades ao mundo da paleontologia.

Nesta reportagem pode ouvir declarações de Bruno Silva, diretor do Laboratório de Paleontologia da Sociedade de História Natural, e de Fernando Escaso, paleontólogo do Laboratório de Paleontologia da Sociedade de História Natural.

Os fósseis marinhos de Santa Maria

https://ensina.rtp.pt/artigo/os-fosseis-marinhos-de-santa-maria/

No meio do Oceano Atlântico há uma ilha que conta histórias com milhões de anos. É por isso que Santa Maria, a mais antiga do arquipélago dos Açores, é visitada por cientistas de todo o mundo. Os paleontólogos chamam-lhe "santuário de fósseis marinhos".

Na sua história geológica, Santa Maria “nasceu” duas vezes. A pequena ilha formada a partir de  um vulcão nas profundezas marinhas emergiu há cerca de oito milhões de anos, mas voltou a desaparecer nas águas. Foi depois de uma violenta erosão que a terra ficou de novo totalmente submersa e, durante esse período, acumulou uma espessa camada de sedimentos marinhos. Numa fase posterior registaram-se várias erupções que provocaram o seu reaparecimento à superfície.

A mais antiga das nove ilhas dos Açores, e a que está há mais tempo sem atividade vulcânica (dois milhões de anos), é por isso a única com rochedos calcários onde se escondem os fósseis marinhos, verdadeiros tesouros para paleontólogos, geólogos e biólogos que os identificam, catalogam e datam. Moluscos, crustáceos, corais, cetáceos, algas do mar e muitos outros organismos marinhos que aqui viveram em eras diferentes e se transformaram em animais de pedra, estão espalhados pelas cerca de 20 jazidas de Santa Maria, como a Pedra-Que-Pica, que terá sido formada há cinco milhões de anos.

As descobertas feitas na última década são já muitas e é com elas que os investigadores constroem pacientemente o passado de Santa Maria, quando esta era uma ilha solitária no meio do atlântico.

Fazemos uma viagem no tempo e descobrimos um património paleontológico único nesta reportagem realizada pela RTP quando acompanhou a 6.ª edição da expedição científica  “Paleontologia das Ilhas Atlânticas

domingo, 8 de maio de 2022

Seiscentas pegadas de dinossauros no Cabo Espichel

https://ensina.rtp.pt/artigo/seiscentas-pegadas-de-dinossauros-no-cabo-espichel/

As mais de 600 pegadas foram produzidas há cerca de 129 milhões de anos quando dinossauros - carnívoros e herbívoros - cruzaram um ambiente litoral que hoje se situa perto do Cabo Espichel, em Sesimbra.

Os elementos do Centro Português de Geo-História e Pré-História (CPGP) procuravam ossos de dinossauro quando, em 2019, encontraram as primeiras pegadas, que se distribuem por diferentes camadas datadas do período do Cretácico Inferior. Localizadas junto ao mar, estão expostas aos elementos e não foi fácil identificá-las nos primeiros contactos.

Não é possível atribuir as pegadas a dinossauros específicos, mas percebe- se que pertencem a terópodes – carnívoros com três dedos – e saurópodes e ornitópodes – normalmente herbívoros-, com médias e grandes dimensões. Há mais de 20 anos que os paleontólogos realizam pesquisas naquele território e esta descoberta vai contribuir para compreender melhor o comportamento dos animais e reconstituir o ambiente em que viveram.

Nesta reportagem pode ouvir as declarações de Silvério Figueiredo, presidente do CPGP.

O que é imunidade?

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-que-e-imunidade/

O teu organismo tem uma proteção natural contra inimigos perigosos e invisíveis. Quando é atacado por parasitas, vírus, bactérias ou determinadas substâncias, envia um exército de soldados microscópicos para os eliminar. E se o intruso não for detetado pelo teu sistema de defesa? Temos um grande problema. Ou ficas gravemente doente ou, muito antes disso, desenvolves uma superproteção. Como? Injetando uma dose mínima do agente que provoca a infeção, para ensinar as tuas células a produzirem os anticorpos necessários. A solução é antiga, mas continua a ser a mais procurada no século XXI para resolver a pandemia da covid19. Chama-se vacina.

A deriva dos continentes

https://ensina.rtp.pt/artigo/a-deriva-dos-continentes/

Ganhou o nome de Pangeia, a superestrutura que já uniu todos os continentes do nosso planeta. A formulação da teoria que explica como se separou a superfície terrestre em partes data da segunda década do século XX. Vários indícios levaram o geofísico alemão Alfred Lothar Wegener a construir a tese da deriva continental. Fatores morfológicos, palentológicos, geológicos e também climáticos revelam que África, Ásia, América, Antártida, Europa e Oceania já formaram uma só placa que se fraturou e se move em permanência, segundo os movimentos tectónicos.

O ciclo das rochas

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-ciclo-das-rochas/

As rochas transformam-se através de processos naturais e cíclicos, o que revela o sistema dinâmico da Terra. Uma rocha vai modificar-se para outro tipo consoante as condições a que é sujeita. Os sedimentos, por exemplo, formam-se a partir da meteorização e erosão e estes, por sua vez, através da diagénese, transformam-se em rochas sedimentares consolidadas. São processos, tal como o da fusão ou o do metamorfismo, que podes ver explicados neste vídeo sobre o ciclo das rochas.

Dinâmica externa da terra: os minerais

https://ensina.rtp.pt/artigo/dinamica-externa-da-terra-os-minerais/

Os minerais são as unidades que constituem as rochas. Por exemplo, o granito, comum no norte e centro de Portugal, é uma rocha plutónica, pois resulta da solidificação do magma a grandes profundidades e os minerais que a constituem são o quartzo, os feldspatos e as micas. Um mineral tem de ter obrigatoriamente estas caraterísticas: ser sólido à temperatura ambiente, ter uma constituição natural, uma composição química bem definida e uma estrutura cristalina.

Movimentos das placas tectónicas

https://ensina.rtp.pt/artigo/movimentos-das-placas-tectonicas/

A terra está dividida em placas tectónicas que se movimentam e interagem. Há as continentais, à superfície, e as oceânicas, no fundo do mar. Ao movimento das placas dá-se o nome de limites tectónicos e são eles que alteram a "face" do planeta. Quando os limites são divergentes, duas placas afastam-se uma da outra e originam a formação de uma terceira. Pelo contrário, quando os limites são convergentes, duas placas chocam e fundem-se, provocando aumento de pressão e temperatura, o que forma magma. Já os limites transformantes apenas fazem deslizar duas placas lado a lado, sem qualquer alteração.

Atividade vulcânica principal

https://ensina.rtp.pt/artigo/atividade-vulcanica-principal/

A atividade vulcânica principal tem a ver com a libertação de matéria líquida, sólida e gasosa do interior da terra para a superfície. Nas erupções podem ser libertados lava, piroclastos, cinzas e gases e dividem-se em três tipos, consoante a espessura do magma e a inclinação do cone que provocam: erupção efusiva, explosiva ou mista. Sobre a constituição de um vulcão, na parte mais profunda temos a câmara magmática, de onde sai a chaminé que transporta o magma até à cratera, formando o cone vulcânico à medida que vai solidificando.

Processos de fossilização

https://ensina.rtp.pt/artigo/processos-de-fossilizacao/

A fossilização é um processo que os seres vivos podem sofrer a seguir à morte mas, para que seja possível, é preciso que o corpo se afunde no solo e não apanhe ar. A preservação das partes moles são casos raros, sendo exemplos os insetos conservados no âmbar e os mamutes da Sibéria. Os processos de fossilização são a mumificação, a mineralização e a incarbonização. Há ainda as moldagens, em que o corpo do animal ou do vegetal desaparece mas deixa na rocha um molde e a impressão ou marcas, que é o caso das pegadas.

A formação das rochas magmáticas

https://ensina.rtp.pt/artigo/a-formacao-das-rochas-magmaticas/

É o arrefecimento do magma que forma este tipo de rochas. O magma é a massa rochosa em estado líquido incandescente que está em permanente atividade no centro da Terra. Se o arrefecimento se der à superfície, falamos de um tipo de pedras vulcânicas, como por exemplo o basalto. Se a solidificação tiver lugar em profundidade, temos a formação de rochas plutónicas, como o granito. Devido ao arrefecimento lento, estas são rochas que integram cristais na sua constituição.

Carta geológica de Portugal

https://ensina.rtp.pt/artigo/carta-geologica-de-portugal/

Esta carta permite, através de cores, identificar os diferentes tipos de rochas existentes nas várias regiões do país. Um reconhecimento que ajuda ao ordenamento do território e, por exemplo, à decisão sobre a segurança de determinadas construções. O estudo da formação rochosa do solo e em Portugal chama-se litologia: como se pode verificar neste vídeo, temos uma variedade de solos que vai dos argilosos, aos arenosos, graníticos e basálticos, entre outros. Consulta o mapa e conhece o chão da tua terra!

Radão, o gás silêncioso do granito

https://ensina.rtp.pt/artigo/radao-o-gas-silencioso-do-granito/

Inodoro, incolor e insípido. O radão é um gás radioativo que se encontra no solo e também em materiais de construção que tenham por base o granito. Por isso, em Portugal, é mais comum encontra-lo nas zonas norte e nas beiras. É responsável por cancro do pulmão e leucemia infantil. Só é detetável com um dispositivo medidor específico.

O radão (Rn) é um gás radioativo formado pelo decaimento do urânio, que é um elemento instável, o que provoca a libertação de energia. Encontra-se sobretudo nos materiais de construção de origem granítica. Por isso, em Portugal, é sobretudo encontrado nos distritos de Braga, Vila Real, Porto, Guarda, Viseu e Castelo Branco. No estado gasoso não tem cor, nem cheiro, nem sabor.

É a maior fonte natural de exposição das populações à radiação ionizante e, se isso acontecer por períodos prolongados, pode tornar-se num problema de saúde pública. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) trata-se, em muitos países, do segundo responsável pelo cancro do pulmão (a seguir ao tabaco), tendo também uma incidência preponderante nos casos de leucemia infantil.

O radão pode estar, por exemplo, nas bancadas de cozinha ou nas pedras de lareira, entrar pelas tubagens ou diretamente do solo, através de fissuras. E nesse caso pouco mais há a fazer, além de tapar eventuais fendas nos materiais e permitir uma boa circulação do ar diariamente. Ou então… mudar de casa. E como vem das rochas mistura-se com a água, que é também um veículo de exposição à radioatividade.

A única forma de conhecer os níveis deste gás é com um dispositivo específico. Fazer um teste ao radão é simples: basta colocar um detetor na divisão mais utilizada durante três meses. Trata-se de um pequeno dispositivo que funciona sem energia e que vai permitir um relatório para verificar se há concentrações prejudiciais para a saúde.

Vulcão Etna, a terra sempre a ferver

https://ensina.rtp.pt/artigo/vulcao-etna-a-terra-sempre-a-ferver/

O Etna, situado na Sicília, a sul de Itália, é o maior vulcão da Europa e um dos maiores do mundo. Com mais de 3.300 metros de altitude e mais de 200 crateras formadas ao longo de milhares de anos, esta super montanha está em permanente atividade, com a libertação de vapor e gases. Em Catânia, a cidade no sopé do Etna, um observatório monitoriza o vulcão de dia e de noite.

Os habitantes locais chamam-lhe a Etna. Assim mesmo, no feminino. Alguns apelidam mesmo a montanha de “mãe”. É um dos maiores vulcões do mundo, que foi crescendo em altura e em largura devido a milhares de explosões. Tem mais de 3.300 metros de altura e o sopé, um perímetro de 140 quilómetros. Fica situado na maior ilha do Mediterrâneo, a Sicília, território italiano, na zona de colisão continental entre a placa euroasiática e a africana.

O Etna está sempre ativo, o que se verifica pela libertação permanente de vapores e gases. Da cratera central saem também, de forma constante, cinzas vulcânicas. Quanto a erupções, integra a tabela dos mais ativos, com explosões frequentes que vão moldando a forma da montanha, constituída já por mais de 200 crateras.

Catânia é a cidade que fica aos pés do vulcão. É onde está instalado o observatório astrofísico que monitoriza o Etna 24 horas por dia. Um projeto financiado pela União Europeia (UE) que, além de estudar a atividade vulcânica num dos maiores e mais ativos exemplares do mundo, tem ainda por missão fornecer dados sobre as matérias libertadas para o ar. Informação particularmente importante para os operadores de navegação aérea.

A atividade que levou à formação do que é hoje o Etna conta-se nos últimos 170 mil anos. Pela sua localização icónica, por ser a maior montanha localizada numa ilha e o quinto vulcão mais ativo do mundo, este gigante é Património Mundial da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).


Trilobites, a vida na Terra antes dos dinossauros

https://ensina.rtp.pt/artigo/trilobites-a-vida-na-terra-antes-dos-dinossauros/

Ainda os dinossauros não existiam e já as trilobites dominavam os mares do planeta. Estes animais invertebrados surgiram há mais de 500 milhões de anos, sofreram várias evoluções e resistiram a duas extinções maciças de espécies. Uma delas, a que ocorreu no final da era Paleozoica, foi a maior alguma vez registada. E sabemos tudo isto porque estes pequenos organismos ficaram preservados em forma de fóssil, a testemunhar um tempo em que tudo era diferente do que é hoje.

Há centenas de milhões de anos, o interior norte de Portugal não era uma superfície sólida, recortada em relevo de vales e serras. Tudo estava coberto pelo mar. Uma aldeia, no concelho de Arouca, tem essa história escrita na rocha, a provar que em tempos remotos foi uma região habitada por seres marinhos com o corpo segmentado em três partes e “um sistema de visão complexo, semelhante ao dos insetos atuais”.

As trilobites de Canelas apareceram no período Ordovícico, viveram durante mais de 300 milhões de anos e desapareceram muito antes da primeira pegada de dinossauro. Os fósseis destes invertebrados, descobertos numa pedreira de ardósias, mantêm intacta a memória de acontecimentos geológicos que mudaram a paisagem e a vida na Terra. Apesar de existirem mais exemplares no mundo, alguns dos fósseis visíveis no Museu das Trilobites de Canelas pertencem a várias espécies e são dos maiores achados até agora no nosso planeta. Um património único para conhecer de perto com Helena Couto, Professora de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

O cão de Muge: um amigo pré-histórico

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-cao-de-muge-um-amigo-pre-historico/

Este filme de animação conta a história de um cão com cerca de 7 600 anos. O seu esqueleto, o mais antigo quase completo de que há registo na Península Ibérica foi encontrado por arqueólogos no final do século XIX em Muge, no concelho de Salvaterra de Magos.

Mais recentemente, a descoberta foi alvo de um estudo detalhado com as mais avançadas tecnologias ao dispor: de datação por radiocarbono, de análise de isótopos, de genómica e de imagiologia, que permitiram a interpretação da sua vida e morte. Esta é uma história de zooarqueologia, com uma missão de  divulgação Científica preparado no âmbito do projecto WOOF – “No encalce das origens e evolução do cão na Ibéria e no Magrebe”.

É cedido ao Ensina pelo Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos/Rede de Investigação em Biodiversidade e Biologia Evolutiva (CIBIO/InBIO) da Universidade do Porto, Projecto Woof (PTDC/HAR-ARQ/29545/2017) suportado por fundos nacionais por FCT / MCTES e co-suportado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) através do COMPETE – POCI – Programa Operacional Competividade e Internacionalização (POCI-01-0145-FEDER-029545).

Novo clima: uma questão de recursos e de consciência

 https://ensina.rtp.pt/artigo/novo-clima-uma-questao-de-recursos-e-de-consciencia/

A Finlândia estabeleceu 2035 para a meta da neutralidade carbónica, enquanto a União Europeia se propõe alcançá-la até 2050. Díficil? Sem dúvida, mas os finlandeses acreditam no trabalho em conjunto para a alteração dos padrões de consumo energético. A floresta, que cobre dois terços do país, fornece a matéria prima de excelência para muitas das mudanças em curso.

Consciência climática, recursos locais e sustentáveis e trabalho em conjunto de empresários, organismos públicos e população. São os ingredientes finlandeses para a meta de emissões de carbono que faça retomar o equilíbrio ambiental. E tudo parece indicar que a fórmula funciona. A Carélia do Norte, na zona oriental do país, tem-se revelado uma incubadora de projetos tão ambiciosos que vão além da própria linha nacional traçada para a redução das emissões de CO2 – responsáveis pelo aquecimento do planeta.

Na região encontra-se uma rede de supermercados que é por si só um exemplo de autossustentabilidade: pertence a uma cooperativa de produtores agrícolas que assim escoam os seus produtos regionalmente. Esta cadeia de distribuição é agora também notada por ter forrado os tetos das superfícies comerciais com painéis solares que já produzem 20% de toda a energia anual consumida pelos supermercados.

Outro exemplo de como aproveitar o que a natureza dá é através da floresta que cobre grande parte do país. A madeira, que foi sempre uma fonte de sustento para a economia da Finlândia, está agora a servir centrais térmicas, em substituição dos combustíveis fósseis e é também utilizada na construção, de forma cada vez mais predominante. Por exemplo, em edifícios de dezenas de andares onde o betão tem apenas lugar nas fundações.


 

Porque é que os vulcões entram em erupção?

https://ensina.rtp.pt/artigo/porque-e-que-os-vulcoes-entram-em-erupcao/

Desde o princípio do mundo que os vulcões acrescentam novos territórios ao nosso planeta, mas estas estruturas geológicas podem manter-se adormecidas milhares de anos. Então, o que os faz despertar? A resposta encontra-se no interior da Terra, em reservatórios subterrâneos, onde o magma, pressionado por altas temperaturas, começa a borbulhar até ser empurrado para o exterior destas aberturas, normalmente em forma de cone. O topo do vulcão parece uma panela de pressão a rebentar, atirando para a atmosfera toneladas de poeiras e rochas incandescentes que destroem tudo o que está no seu caminho. São autênticas fábricas de lava imprevisíveis. Basta um choque entre duas placas tectónicas para iniciar o processo. Placas quê?

sábado, 22 de janeiro de 2022

Atividade vulcânica principal

A atividade vulcânica principal tem a ver com a libertação de matéria líquida, sólida e gasosa do interior da terra para a superfície. Nas erupções podem ser libertados lava, piroclastos, cinzas e gases e dividem-se em três tipos, consoante a espessura do magma e a inclinação do cone que provocam: erupção efusiva, explosiva ou mista. Sobre a constituição de um vulcão, na parte mais profunda temos a câmara magmática, de onde sai a chaminé que transporta o magma até à cratera, formando o cone vulcânico à medida que vai solidificando.

https://ensina.rtp.pt/artigo/atividade-vulcanica-principal/

Movimentos das placas tectónicas

A terra está dividida em placas tectónicas que se movimentam e interagem. Há as continentais, à superfície, e as oceânicas, no fundo do mar. Ao movimento das placas dá-se o nome de limites tectónicos e são eles que alteram a "face" do planeta. Quando os limites são divergentes, duas placas afastam-se uma da outra e originam a formação de uma terceira. Pelo contrário, quando os limites são convergentes, duas placas chocam e fundem-se, provocando aumento de pressão e temperatura, o que forma magma. Já os limites transformantes apenas fazem deslizar duas placas lado a lado, sem qualquer alteração.

https://ensina.rtp.pt/artigo/movimentos-das-placas-tectonicas/

Dinâmica externa da terra: os minerais

Os minerais são as unidades que constituem as rochas. Por exemplo, o granito, comum no norte e centro de Portugal, é uma rocha plutónica, pois resulta da solidificação do magma a grandes profundidades e os minerais que a constituem são o quartzo, os feldspatos e as micas. Um mineral tem de ter obrigatoriamente estas caraterísticas: ser sólido à temperatura ambiente, ter uma constituição natural, uma composição química bem definida e uma estrutura cristalina.

https://ensina.rtp.pt/artigo/dinamica-externa-da-terra-os-minerais/

O ciclo das rochas

As rochas transformam-se através de processos naturais e cíclicos, o que revela o sistema dinâmico da Terra. Uma rocha vai modificar-se para outro tipo consoante as condições a que é sujeita. Os sedimentos, por exemplo, formam-se a partir da meteorização e erosão e estes, por sua vez, através da diagénese, transformam-se em rochas sedimentares consolidadas. São processos, tal como o da fusão ou o do metamorfismo, que podes ver explicados neste vídeo sobre o ciclo das rochas.

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-ciclo-das-rochas/

A deriva dos continentes

Ganhou o nome de Pangeia, a superestrutura que já uniu todos os continentes do nosso planeta. A formulação da teoria que explica como se separou a superfície terrestre em partes data da segunda década do século XX. Vários indícios levaram o geofísico alemão Alfred Lothar Wegener a construir a tese da deriva continental. Fatores morfológicos, palentológicos, geológicos e também climáticos revelam que África, Ásia, América, Antártida, Europa e Oceania já formaram uma só placa que se fraturou e se move em permanência, segundo os movimentos tectónicos.

https://ensina.rtp.pt/artigo/a-deriva-dos-continentes/

O que é imunidade?

O teu organismo tem uma proteção natural contra inimigos perigosos e invisíveis. Quando é atacado por parasitas, vírus, bactérias ou determinadas substâncias, envia um exército de soldados microscópicos para os eliminar. E se o intruso não for detetado pelo teu sistema de defesa? Temos um grande problema. Ou ficas gravemente doente ou, muito antes disso, desenvolves uma superproteção. Como? Injetando uma dose mínima do agente que provoca a infeção, para ensinar as tuas células a produzirem os anticorpos necessários. A solução é antiga, mas continua a ser a mais procurada no século XXI para resolver a pandemia da covid-19. Chama-se vacina.

Radar XS é um telejornal para crianças dos 8 aos 12 anos que pretende informar, incentivar o pensamento crítico e a cidadania consciente.

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-que-e-imunidade/

Seiscentas pegadas de dinossauros no Cabo Espichel

As mais de 600 pegadas foram produzidas há cerca de 129 milhões de anos quando dinossauros - carnívoros e herbívoros - cruzaram um ambiente litoral que hoje se situa perto do Cabo Espichel, em Sesimbra.

Os elementos do Centro Português de Geo-História e Pré-História (CPGP) procuravam ossos de dinossauro quando, em 2019, encontraram as primeiras pegadas, que se distribuem por diferentes camadas datadas do período do Cretácico Inferior. Localizadas junto ao mar, estão expostas aos elementos e não foi fácil identificá-las nos primeiros contactos.

Não é possível atribuir as pegadas a dinossauros específicos, mas percebe- se que pertencem a terópodes – carnívoros com três dedos – e saurópodes e ornitópodes – normalmente herbívoros-, com médias e grandes dimensões. Há mais de 20 anos que os paleontólogos realizam pesquisas naquele território e esta descoberta vai contribuir para compreender melhor o comportamento dos animais e reconstituir o ambiente em que viveram.

Nesta reportagem pode ouvir as declarações de Silvério Figueiredo, presidente do CPGP.

https://ensina.rtp.pt/artigo/seiscentas-pegadas-de-dinossauros-no-cabo-espichel/

Novo clima: uma questão de recursos e de consciência


A Finlândia estabeleceu 2035 para a meta da neutralidade carbónica, enquanto a União Europeia se propõe alcançá-la até 2050. Díficil? Sem dúvida, mas os finlandeses acreditam no trabalho em conjunto para a alteração dos padrões de consumo energético. A floresta, que cobre dois terços do país, fornece a matéria prima de excelência para muitas das mudanças em curso.

Consciência climática, recursos locais e sustentáveis e trabalho em conjunto de empresários, organismos públicos e população. São os ingredientes finlandeses para a meta de emissões de carbono que faça retomar o equilíbrio ambiental. E tudo parece indicar que a fórmula funciona. A Carélia do Norte, na zona oriental do país, tem-se revelado uma incubadora de projetos tão ambiciosos que vão além da própria linha nacional traçada para a redução das emissões de CO2 – responsáveis pelo aquecimento do planeta.

Na região encontra-se uma rede de supermercados que é por si só um exemplo de autossustentabilidade: pertence a uma cooperativa de produtores agrícolas que assim escoam os seus produtos regionalmente. Esta cadeia de distribuição é agora também notada por ter forrado os tetos das superfícies comerciais com painéis solares que já produzem 20% de toda a energia anual consumida pelos supermercados.

Outro exemplo de como aproveitar o que a natureza dá é através da floresta que cobre grande parte do país. A madeira, que foi sempre uma fonte de sustento para a economia da Finlândia, está agora a servir centrais térmicas, em substituição dos combustíveis fósseis e é também utilizada na construção, de forma cada vez mais predominante. Por exemplo, em edifícios de dezenas de andares onde o betão tem apenas lugar nas fundações.

https://ensina.rtp.pt/artigo/novo-clima-uma-questao-de-recursos-e-de-consciencia/

domingo, 16 de janeiro de 2022

Ainda o Movimento de Rotação da Terra…

Programa da autoria do professor António Manuel Baptista, sobre a história da Ciência e a importância de algumas descobertas científicas do passado. Neste episódio, continuação da explicação do movimento de rotação da terra, e as experiências científicas que provam e testemunham este fenómeno.

https://arquivos.rtp.pt/conteudos/ainda-o-movimento-de-rotacao-da-terra/

…Mas a Terra Move-se


Programa da autoria do professor António Manuel Baptista, sobre a história da Ciência e a importância de algumas descobertas científicas do passado. Neste episódio, destaque para a história e evolução científica do estudo do movimento de rotação do planeta Terra.

https://arquivos.rtp.pt/conteudos/mas-a-terra-move-se/