Páginas

domingo, 8 de maio de 2022

Seiscentas pegadas de dinossauros no Cabo Espichel

https://ensina.rtp.pt/artigo/seiscentas-pegadas-de-dinossauros-no-cabo-espichel/

As mais de 600 pegadas foram produzidas há cerca de 129 milhões de anos quando dinossauros - carnívoros e herbívoros - cruzaram um ambiente litoral que hoje se situa perto do Cabo Espichel, em Sesimbra.

Os elementos do Centro Português de Geo-História e Pré-História (CPGP) procuravam ossos de dinossauro quando, em 2019, encontraram as primeiras pegadas, que se distribuem por diferentes camadas datadas do período do Cretácico Inferior. Localizadas junto ao mar, estão expostas aos elementos e não foi fácil identificá-las nos primeiros contactos.

Não é possível atribuir as pegadas a dinossauros específicos, mas percebe- se que pertencem a terópodes – carnívoros com três dedos – e saurópodes e ornitópodes – normalmente herbívoros-, com médias e grandes dimensões. Há mais de 20 anos que os paleontólogos realizam pesquisas naquele território e esta descoberta vai contribuir para compreender melhor o comportamento dos animais e reconstituir o ambiente em que viveram.

Nesta reportagem pode ouvir as declarações de Silvério Figueiredo, presidente do CPGP.

O que é imunidade?

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-que-e-imunidade/

O teu organismo tem uma proteção natural contra inimigos perigosos e invisíveis. Quando é atacado por parasitas, vírus, bactérias ou determinadas substâncias, envia um exército de soldados microscópicos para os eliminar. E se o intruso não for detetado pelo teu sistema de defesa? Temos um grande problema. Ou ficas gravemente doente ou, muito antes disso, desenvolves uma superproteção. Como? Injetando uma dose mínima do agente que provoca a infeção, para ensinar as tuas células a produzirem os anticorpos necessários. A solução é antiga, mas continua a ser a mais procurada no século XXI para resolver a pandemia da covid19. Chama-se vacina.

A deriva dos continentes

https://ensina.rtp.pt/artigo/a-deriva-dos-continentes/

Ganhou o nome de Pangeia, a superestrutura que já uniu todos os continentes do nosso planeta. A formulação da teoria que explica como se separou a superfície terrestre em partes data da segunda década do século XX. Vários indícios levaram o geofísico alemão Alfred Lothar Wegener a construir a tese da deriva continental. Fatores morfológicos, palentológicos, geológicos e também climáticos revelam que África, Ásia, América, Antártida, Europa e Oceania já formaram uma só placa que se fraturou e se move em permanência, segundo os movimentos tectónicos.

O ciclo das rochas

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-ciclo-das-rochas/

As rochas transformam-se através de processos naturais e cíclicos, o que revela o sistema dinâmico da Terra. Uma rocha vai modificar-se para outro tipo consoante as condições a que é sujeita. Os sedimentos, por exemplo, formam-se a partir da meteorização e erosão e estes, por sua vez, através da diagénese, transformam-se em rochas sedimentares consolidadas. São processos, tal como o da fusão ou o do metamorfismo, que podes ver explicados neste vídeo sobre o ciclo das rochas.

Dinâmica externa da terra: os minerais

https://ensina.rtp.pt/artigo/dinamica-externa-da-terra-os-minerais/

Os minerais são as unidades que constituem as rochas. Por exemplo, o granito, comum no norte e centro de Portugal, é uma rocha plutónica, pois resulta da solidificação do magma a grandes profundidades e os minerais que a constituem são o quartzo, os feldspatos e as micas. Um mineral tem de ter obrigatoriamente estas caraterísticas: ser sólido à temperatura ambiente, ter uma constituição natural, uma composição química bem definida e uma estrutura cristalina.

Movimentos das placas tectónicas

https://ensina.rtp.pt/artigo/movimentos-das-placas-tectonicas/

A terra está dividida em placas tectónicas que se movimentam e interagem. Há as continentais, à superfície, e as oceânicas, no fundo do mar. Ao movimento das placas dá-se o nome de limites tectónicos e são eles que alteram a "face" do planeta. Quando os limites são divergentes, duas placas afastam-se uma da outra e originam a formação de uma terceira. Pelo contrário, quando os limites são convergentes, duas placas chocam e fundem-se, provocando aumento de pressão e temperatura, o que forma magma. Já os limites transformantes apenas fazem deslizar duas placas lado a lado, sem qualquer alteração.

Atividade vulcânica principal

https://ensina.rtp.pt/artigo/atividade-vulcanica-principal/

A atividade vulcânica principal tem a ver com a libertação de matéria líquida, sólida e gasosa do interior da terra para a superfície. Nas erupções podem ser libertados lava, piroclastos, cinzas e gases e dividem-se em três tipos, consoante a espessura do magma e a inclinação do cone que provocam: erupção efusiva, explosiva ou mista. Sobre a constituição de um vulcão, na parte mais profunda temos a câmara magmática, de onde sai a chaminé que transporta o magma até à cratera, formando o cone vulcânico à medida que vai solidificando.

Processos de fossilização

https://ensina.rtp.pt/artigo/processos-de-fossilizacao/

A fossilização é um processo que os seres vivos podem sofrer a seguir à morte mas, para que seja possível, é preciso que o corpo se afunde no solo e não apanhe ar. A preservação das partes moles são casos raros, sendo exemplos os insetos conservados no âmbar e os mamutes da Sibéria. Os processos de fossilização são a mumificação, a mineralização e a incarbonização. Há ainda as moldagens, em que o corpo do animal ou do vegetal desaparece mas deixa na rocha um molde e a impressão ou marcas, que é o caso das pegadas.

A formação das rochas magmáticas

https://ensina.rtp.pt/artigo/a-formacao-das-rochas-magmaticas/

É o arrefecimento do magma que forma este tipo de rochas. O magma é a massa rochosa em estado líquido incandescente que está em permanente atividade no centro da Terra. Se o arrefecimento se der à superfície, falamos de um tipo de pedras vulcânicas, como por exemplo o basalto. Se a solidificação tiver lugar em profundidade, temos a formação de rochas plutónicas, como o granito. Devido ao arrefecimento lento, estas são rochas que integram cristais na sua constituição.

Carta geológica de Portugal

https://ensina.rtp.pt/artigo/carta-geologica-de-portugal/

Esta carta permite, através de cores, identificar os diferentes tipos de rochas existentes nas várias regiões do país. Um reconhecimento que ajuda ao ordenamento do território e, por exemplo, à decisão sobre a segurança de determinadas construções. O estudo da formação rochosa do solo e em Portugal chama-se litologia: como se pode verificar neste vídeo, temos uma variedade de solos que vai dos argilosos, aos arenosos, graníticos e basálticos, entre outros. Consulta o mapa e conhece o chão da tua terra!

Radão, o gás silêncioso do granito

https://ensina.rtp.pt/artigo/radao-o-gas-silencioso-do-granito/

Inodoro, incolor e insípido. O radão é um gás radioativo que se encontra no solo e também em materiais de construção que tenham por base o granito. Por isso, em Portugal, é mais comum encontra-lo nas zonas norte e nas beiras. É responsável por cancro do pulmão e leucemia infantil. Só é detetável com um dispositivo medidor específico.

O radão (Rn) é um gás radioativo formado pelo decaimento do urânio, que é um elemento instável, o que provoca a libertação de energia. Encontra-se sobretudo nos materiais de construção de origem granítica. Por isso, em Portugal, é sobretudo encontrado nos distritos de Braga, Vila Real, Porto, Guarda, Viseu e Castelo Branco. No estado gasoso não tem cor, nem cheiro, nem sabor.

É a maior fonte natural de exposição das populações à radiação ionizante e, se isso acontecer por períodos prolongados, pode tornar-se num problema de saúde pública. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) trata-se, em muitos países, do segundo responsável pelo cancro do pulmão (a seguir ao tabaco), tendo também uma incidência preponderante nos casos de leucemia infantil.

O radão pode estar, por exemplo, nas bancadas de cozinha ou nas pedras de lareira, entrar pelas tubagens ou diretamente do solo, através de fissuras. E nesse caso pouco mais há a fazer, além de tapar eventuais fendas nos materiais e permitir uma boa circulação do ar diariamente. Ou então… mudar de casa. E como vem das rochas mistura-se com a água, que é também um veículo de exposição à radioatividade.

A única forma de conhecer os níveis deste gás é com um dispositivo específico. Fazer um teste ao radão é simples: basta colocar um detetor na divisão mais utilizada durante três meses. Trata-se de um pequeno dispositivo que funciona sem energia e que vai permitir um relatório para verificar se há concentrações prejudiciais para a saúde.

Vulcão Etna, a terra sempre a ferver

https://ensina.rtp.pt/artigo/vulcao-etna-a-terra-sempre-a-ferver/

O Etna, situado na Sicília, a sul de Itália, é o maior vulcão da Europa e um dos maiores do mundo. Com mais de 3.300 metros de altitude e mais de 200 crateras formadas ao longo de milhares de anos, esta super montanha está em permanente atividade, com a libertação de vapor e gases. Em Catânia, a cidade no sopé do Etna, um observatório monitoriza o vulcão de dia e de noite.

Os habitantes locais chamam-lhe a Etna. Assim mesmo, no feminino. Alguns apelidam mesmo a montanha de “mãe”. É um dos maiores vulcões do mundo, que foi crescendo em altura e em largura devido a milhares de explosões. Tem mais de 3.300 metros de altura e o sopé, um perímetro de 140 quilómetros. Fica situado na maior ilha do Mediterrâneo, a Sicília, território italiano, na zona de colisão continental entre a placa euroasiática e a africana.

O Etna está sempre ativo, o que se verifica pela libertação permanente de vapores e gases. Da cratera central saem também, de forma constante, cinzas vulcânicas. Quanto a erupções, integra a tabela dos mais ativos, com explosões frequentes que vão moldando a forma da montanha, constituída já por mais de 200 crateras.

Catânia é a cidade que fica aos pés do vulcão. É onde está instalado o observatório astrofísico que monitoriza o Etna 24 horas por dia. Um projeto financiado pela União Europeia (UE) que, além de estudar a atividade vulcânica num dos maiores e mais ativos exemplares do mundo, tem ainda por missão fornecer dados sobre as matérias libertadas para o ar. Informação particularmente importante para os operadores de navegação aérea.

A atividade que levou à formação do que é hoje o Etna conta-se nos últimos 170 mil anos. Pela sua localização icónica, por ser a maior montanha localizada numa ilha e o quinto vulcão mais ativo do mundo, este gigante é Património Mundial da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).


Trilobites, a vida na Terra antes dos dinossauros

https://ensina.rtp.pt/artigo/trilobites-a-vida-na-terra-antes-dos-dinossauros/

Ainda os dinossauros não existiam e já as trilobites dominavam os mares do planeta. Estes animais invertebrados surgiram há mais de 500 milhões de anos, sofreram várias evoluções e resistiram a duas extinções maciças de espécies. Uma delas, a que ocorreu no final da era Paleozoica, foi a maior alguma vez registada. E sabemos tudo isto porque estes pequenos organismos ficaram preservados em forma de fóssil, a testemunhar um tempo em que tudo era diferente do que é hoje.

Há centenas de milhões de anos, o interior norte de Portugal não era uma superfície sólida, recortada em relevo de vales e serras. Tudo estava coberto pelo mar. Uma aldeia, no concelho de Arouca, tem essa história escrita na rocha, a provar que em tempos remotos foi uma região habitada por seres marinhos com o corpo segmentado em três partes e “um sistema de visão complexo, semelhante ao dos insetos atuais”.

As trilobites de Canelas apareceram no período Ordovícico, viveram durante mais de 300 milhões de anos e desapareceram muito antes da primeira pegada de dinossauro. Os fósseis destes invertebrados, descobertos numa pedreira de ardósias, mantêm intacta a memória de acontecimentos geológicos que mudaram a paisagem e a vida na Terra. Apesar de existirem mais exemplares no mundo, alguns dos fósseis visíveis no Museu das Trilobites de Canelas pertencem a várias espécies e são dos maiores achados até agora no nosso planeta. Um património único para conhecer de perto com Helena Couto, Professora de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

O cão de Muge: um amigo pré-histórico

https://ensina.rtp.pt/artigo/o-cao-de-muge-um-amigo-pre-historico/

Este filme de animação conta a história de um cão com cerca de 7 600 anos. O seu esqueleto, o mais antigo quase completo de que há registo na Península Ibérica foi encontrado por arqueólogos no final do século XIX em Muge, no concelho de Salvaterra de Magos.

Mais recentemente, a descoberta foi alvo de um estudo detalhado com as mais avançadas tecnologias ao dispor: de datação por radiocarbono, de análise de isótopos, de genómica e de imagiologia, que permitiram a interpretação da sua vida e morte. Esta é uma história de zooarqueologia, com uma missão de  divulgação Científica preparado no âmbito do projecto WOOF – “No encalce das origens e evolução do cão na Ibéria e no Magrebe”.

É cedido ao Ensina pelo Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos/Rede de Investigação em Biodiversidade e Biologia Evolutiva (CIBIO/InBIO) da Universidade do Porto, Projecto Woof (PTDC/HAR-ARQ/29545/2017) suportado por fundos nacionais por FCT / MCTES e co-suportado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) através do COMPETE – POCI – Programa Operacional Competividade e Internacionalização (POCI-01-0145-FEDER-029545).

Novo clima: uma questão de recursos e de consciência

 https://ensina.rtp.pt/artigo/novo-clima-uma-questao-de-recursos-e-de-consciencia/

A Finlândia estabeleceu 2035 para a meta da neutralidade carbónica, enquanto a União Europeia se propõe alcançá-la até 2050. Díficil? Sem dúvida, mas os finlandeses acreditam no trabalho em conjunto para a alteração dos padrões de consumo energético. A floresta, que cobre dois terços do país, fornece a matéria prima de excelência para muitas das mudanças em curso.

Consciência climática, recursos locais e sustentáveis e trabalho em conjunto de empresários, organismos públicos e população. São os ingredientes finlandeses para a meta de emissões de carbono que faça retomar o equilíbrio ambiental. E tudo parece indicar que a fórmula funciona. A Carélia do Norte, na zona oriental do país, tem-se revelado uma incubadora de projetos tão ambiciosos que vão além da própria linha nacional traçada para a redução das emissões de CO2 – responsáveis pelo aquecimento do planeta.

Na região encontra-se uma rede de supermercados que é por si só um exemplo de autossustentabilidade: pertence a uma cooperativa de produtores agrícolas que assim escoam os seus produtos regionalmente. Esta cadeia de distribuição é agora também notada por ter forrado os tetos das superfícies comerciais com painéis solares que já produzem 20% de toda a energia anual consumida pelos supermercados.

Outro exemplo de como aproveitar o que a natureza dá é através da floresta que cobre grande parte do país. A madeira, que foi sempre uma fonte de sustento para a economia da Finlândia, está agora a servir centrais térmicas, em substituição dos combustíveis fósseis e é também utilizada na construção, de forma cada vez mais predominante. Por exemplo, em edifícios de dezenas de andares onde o betão tem apenas lugar nas fundações.