Páginas

terça-feira, 1 de novembro de 2022

A deriva dos continentes

 https://ensina.rtp.pt/artigo/a-deriva-dos-continentes/

Ganhou o nome de Pangeia, a superestrutura que já uniu todos os continentes do nosso planeta. A formulação da teoria que explica como se separou a superfície terrestre em partes data da segunda década do século XX. Vários indícios levaram o geofísico alemão Alfred Lothar Wegener a construir a tese da deriva continental. Fatores morfológicos, palentológicos, geológicos e também climáticos revelam que África, Ásia, América, Antártida, Europa e Oceania já formaram uma só placa que se fraturou e se move em permanência, segundo os movimentos tectónicos.

quarta-feira, 5 de outubro de 2022

Quanto açúcar consomes por dia?

 https://ensina.rtp.pt/artigo/quanto-acucar-consomes-por-dia/

Engana-se quem pensa que o que é doce nunca amargou. O açúcar é um dos grandes vilões dos nossos dias, responsável por um sem número de doenças. Tem uma particularidade que o torna quase imbatível: a camuflagem. Além de existir nas mais variadas formas, esconde-se em quase todos os alimentos. Naturais e processados.

A nutricionista Sónia Marcelo mostra-nos um exemplo prático do consumo excessivo de açúcar. Mesmo quando pensamos fazer uma alimentação equilibrada, o resultado pode ser surpreendente, facto a que não serão alheios os dados que revelam que a população portuguesa tem tendência para doenças associadas à alimentação. Já em 2016, a DGS (Direcção-Geral da Saúde) apontava a relação com a comida como causa para metade dos casos de doença e de morte no país.

O problema é que para além de causarem doenças, como a diabetes, quando ingeridos em excesso, os açúcares também alimentam outras. As células cancerígenas, por exemplo, têm capacidade de absorver mais glucose do que as células saudáveis. Além disso, temos a obesidade e as doenças cardiovasculares no topo da tabela.

Se pensa que reconhece o vilão com facilidade, sugerimos o dicionário quando for ler os rótulos: ele é branco, amarelo, invertido, mascavado, de palma, de coco, de tâmara e de beterraba. Aparece designado como glicose, glucose, sacarose, frutose, maltose, lactose, dextrose, malto-dextrinas. Surge em xarope de açúcar, de milho, de agave, de arroz, melaço e mel. Pode ainda reconhecê-lo nas expressões  aspartame, sorbotol, xilitol, sacarina, ciclamato de sódio, sucralose, stevia. São açúcares naturais e sintéticos, todos eles são hidratos de carbono.

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

O ciclo das rochas

 https://ensina.rtp.pt/artigo/o-ciclo-das-rochas/

As rochas transformam-se através de processos naturais e cíclicos, o que revela o sistema dinâmico da Terra. Uma rocha vai modificar-se para outro tipo consoante as condições a que é sujeita. Os sedimentos, por exemplo, formam-se a partir da meteorização e erosão e estes, por sua vez, através da diagénese, transformam-se em rochas sedimentares consolidadas. São processos, tal como o da fusão ou o do metamorfismo, que podes ver explicados neste vídeo sobre o ciclo das rochas.

domingo, 25 de setembro de 2022

A mulher das cavernas

 https://ensina.rtp.pt/artigo/a-mulher-das-cavernas/

Ana Sofia Reboleira é uma espeleóloga de renome internacional que já descobriu mais de 70 novas espécies de animais cavernícolas, organismos fundamentais para a manutenção da qualidade da água das reservas subterrâneas. Seguimos com ela, nesta reportagem, para a escuridão, onde podemos ver um mundo de vida.

Professora e investigadora da universidade de Copenhaga, esta portuguesa é a responsável pela descoberta do milpés mais profundo que existe na Terra (da classe dos diplópodes), um dos animais mais antigos do planeta, cujo ecossistema se situa em cavernas no Cáucaso Ocidental. Em Portugal, na serra do Sicó, encontrou o único crustáceo exclusivamente terrestre.

O frio, a humidade e a falta de luz são as condições de trabalho dos espeleólogos que estudam formas de vida quase invisíveis: escorpiões, escaravelhos, bichos de conta, um sem número de organismos que têm como caraterísticas semelhantes a falta de olhos e a falta de cor – consequência da ausência de luz natural -, mas que por outro lado têm sobredimensionadas estruturas sensoriais como antenas e pelos.

O estudo das criaturas das cavernas permite olhar para o passado e, com a transformação de espécies, entender, por exemplo, os diferentes registos climáticos que o planeta atravessou. Os pequenos animais, além de purificadores da água doce subterrânea, podem ainda contribuir para o tratamento de doenças, através da produção de venenos.

quinta-feira, 21 de julho de 2022

O cérebro num minuto

 https://ensina.rtp.pt/artigo/o-cerebro-num-minuto/

O cérebro é o centro de comandos do corpo. Controla a respiração, a coordenação dos movimentos, o ritmo cardíaco. Sem ele não havia pensamentos, emoções ou memórias. A ciência acelera o conhecimento desta máquina genial, mas tem ainda muitos mistérios por desvendar.

O cérebro é um orgão do sistema nervoso central que constitui a maior parte do encéfalo. As suas funções são múltiplas e vão da linguagem à memória, da inteligência à criatividade e ao próprio comportamento emocional. Está também relacionado com o processar dos sentidos, da visão à audição e à própria coordenação de movimentos, incluindo o equilibrio.

Divide-se em dois hemisférios que controlam as partes opostas do corpo e que, por sua vez, se repartem em quatro lobos cerebrais com funções específicas. Quanto aos neurónios, que formam uma espécie de rede elétrica interminável, estão mais presentes no lado esquerdo do que no direito. Ao lado esquerdo associa-se o pensamento lógico, ao direito o criativo e emocional.

Em relação à velha história de os humanos só usarem dez por cento do seu cérebro, a ciência já mostrou tratar-se de um mito. Todo o cérebro é usado, mas nem toda a sua atividade é ainda completamente conhecida. O cérebro continua a ser uma espécie super computador, capaz de surpreender o próprio ser humano a cada passo científico, daí que os estudos sobre ele sejam cada vez mais numerosos.

Esta infografia integra o fronteirasxxi.pt/cerebro. O desafio do programa Fronteiras XXI é debater os grande temas que desafiam Portugal e o mundo, colocando frente a frente conceituados especialistas nacionais e/ou internaionais e uma plateia selecionada. Um programa da RTP3 que resulta de uma parceria com a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS).

As Guardiãs do Sado

 https://ensina.rtp.pt/artigo/as-guardias-do-sado/

O estuário do Sado é um dos poucos locais em Portugal onde ainda existem pradarias marinhas. Pescadoras e biólogas juntaram-se para salvar esta floresta do mar. Essencial à biodiversidade, protetor das zonas costeiras, regulador do clima e preponderante para a economia piscatória, este tipo de habitat encontra-se em declínio acelerado em todo o mundo.

São como searas verdes ondulantes agarradas ao fundo do rio onde o Sado se une ao mar, junto a Setúbal. Um território com mais de 23 mil hectares que é Reserva Natural. Ali nidificam e passam a invernada duas centenas de espécies de aves, ali se alberga uma população de golfinhos-roazes – os únicos cetáceos residentes que fazem do estuário local de alimentação e acasalamento em Portugal -, sendo que as pradarias têm uma extrema importância como maternidade para peixes e invertebrados.

As pradarias marinhas têm vindo a desaparecer a um ritmo demolidor em todo o mundo: a cada hora perde-se o equivalente a dois campos de futebol. São por isso considerados habitats em perigo de extinção. Sobrepesca e técnicas como arrasto de fundo, dragagens, contaminação da água por resíduos urbanos e industriais, construção de infraestrutas no litoral e eventos extremos associados às alterações climáticas estão entre as principais ameaças.

Com o objetivo de proteger este ecossistema, a Ocean Alive – a primeira cooperativa portuguesa dedicada à proteção do oceano – lançou um desafio às mulheres da comunidade piscatória do Sado. As pescadoras são agora guias marinhas, agentes de sensibilização em campanhas de mariscar sem lixo e juntaram-se aos cientistas como monitoras das pradarias. De barco, pelo areal ou no lodo, as guardiãs aprenderam o bem que é uma pradaria marinha e são agora líderes na alteração de comportamentos: o respeito total pela vida marinha.

O que é imunidade?

 https://ensina.rtp.pt/artigo/o-que-e-imunidade/

O teu organismo tem uma proteção natural contra inimigos perigosos e invisíveis. Quando é atacado por parasitas, vírus, bactérias ou determinadas substâncias, envia um exército de soldados microscópicos para os eliminar. E se o intruso não for detetado pelo teu sistema de defesa? Temos um grande problema. Ou ficas gravemente doente ou, muito antes disso, desenvolves uma superproteção. Como? Injetando uma dose mínima do agente que provoca a infeção, para ensinar as tuas células a produzirem os anticorpos necessários. A solução é antiga, mas continua a ser a mais procurada no século XXI para resolver a pandemia da covid19. Chama-se vacina.

A Energia que nos Consome

 https://ensina.rtp.pt/artigo/a-energia-que-nos-consome/

Vivemos uma era na qual por um lado temos possibilidades tecnológicas como nunca à nossa disposição. Por outro temos a pressão do crescimento demográfico e as ameaças da escassez dos recursos, da poluição e das alterações climáticas. Como podemos satisfazer as necessidades energéticas de uma forma sustentável, sem pôr em risco a permanência neste planeta?

Físicos, teóricos do futuro, cientistas, políticos concordam numa resposta: só com uma revolução energética. Os recursos estão a gastar-se a um ritmo alucinante e a Terra está a definhar. As alternativas são poucas e insuficientes, além de que o investimento nelas é ainda muito baixo em comparação com a exploração que se mantém dos “motores” que têm poluído o planeta, como os hidrocarbonetos – o petróleo ou o carvão – e os combustíveis fósseis, como, por exemplo, o gás natural.

Ao dispor e causando grande controvérsia, temos a energia de fissão – designada de nuclear -, que por mais perigosa que seja nas mãos erradas, no momento errado, para fins letais, tem ainda um problema para o qual não parece existir solução: a toxicidade dos resíduos – a sua radioatividade. O sonho de quem se dedica a desbravar o futuro é o da a energia de fusão – a do sol e das estrelas numa escala gigantesca. Seria uma energia totalmente limpa, mas que não está ainda no quadro de qualquer horizonte temporal.

Por enquanto, os investimentos são pedidos sobretudo para as ditas energias renováveis, como a que podemos aproveitar das ondas do mar ou do vento, por exemplo. É a transição para a chamada energia verde, mas que claramente não dá resposta às necessidades crescentes, nem tão pouco contrapõe os malefícios das energias poluentes que dominam. Basta fixar este número: no nosso mundo são emitidas 23 mil milhões de toneladas de carbono por ano.

Malta, rodeada de água e à procura dela

 https://ensina.rtp.pt/artigo/malta-rodeada-de-agua-e-a-procura-dela/

Malta é o mais pequeno país da União Europeia e o que tem maiores problemas de escassez de água potável. Para ajudar a resolver o problema, fundos europeus são aplicados, não apenas na dessalinização da água do mar, como em projetos de saneamento básico e apoio à agricultura.

A localização de Malta, em pleno Mediterrâneo, permitiu a presença de vários povos no seu território, ao longo da História. Por lá passaram fenícios, gregos e romanos, árabes, normandos, espanhóis, franceses e britânicos, sendo que destes últimos só conseguiram tornar-se independentes em 1964. É membro da União Europeia (UE) desde 2004. É uma economia que vive de importações. Só produz cerca de 20 por cento dos seus alimentos e não produz qualquer tipo de energia. Os têxtéis, além do turismo, são a sua grande fonte de rendimento.

Estamos habituados às imagens de praias turquesa do mar que banha as ilhas que compõem este arquipélago que atrai, todos os anos, cerca de dois milhões de turistas. Mas o facto é que em Malta, onde residem de forma permanente 430 mil pessoas, poderia aplicar-se a expressão “morrer de sede à beira do mar”. Não há rios, nem lagoas, e ainda por cima chove muito pouco, neste país situado entre a Europa, o Norte de África e o Médio Oriente.

Os malteses procuram em permanência novas soluções para melhorarem a qualidade da água potável e as infraestruturas de saneamento básico. Nesse sentido, a UE apoia vários projetos por todo o país. Fábricas de dessalinização de água do mar, acompanhando novas tecnologias de purificação, melhoramento da rede hídrica de distribuição e tratamento de águas residuais para apoio à agricultura. O saneamento básico é outro grande problema – parte do país ainda usa fossas sépticas.

A Bioeconomia da Floresta, o exemplo sueco

 https://ensina.rtp.pt/artigo/a-bioeconomia-da-floresta-o-exemplo-sueco/

Como se gere a floresta na Suécia? Uma fonte económica que parece não ter fim, num país onde, ao mesmo tempo, há cada vez mais árvores. O lema é: fazer mais, com menos e de forma mais sustentável. Uma economia que passou de linear a circular com base nos recursos renováveis e em nome da conservação da biodiversidade e da descarbonização.

Para mostrar que a madeira dá para muito mais do que para pasta de papel e mobiliário, na Suécia revelam-se projetos inovadores como o de uma impressora 3D que, em poucas horas, imprime caiaques a partir de granulado de madeira e milho. Reduz-se a pegada ecológica e dá-se asas à imaginação. O futuro passa pela descoberta, como sempre, de como fazer mais e melhor. Neste país, por cada árvore cortada, plantam-se duas. Uma equação que tem rendido a nível económico e ambiental.

Aumentar o valor da floresta vai ao encontro da bioeconomia circular: uma combinação de processos com a utilização de recursos renováveis, num ciclo que pretende reduzir o desperdício e ao mesmo tempo incentiva a durabilidade, a reciclagem e a reutilização. Neste caso permite aumentar o valor gerado pela floresta tendo por base o desenvolvimento sustentável.

A Suécia revela-se um país exemplo neste tipo de economia florestal ao dar destaque às atividades que aproveitam a biomassa e outros materiais da floresta e ao reaproveitamento dos resíduos gerados durante os processos industriais do setor. É também um país a seguir no que toca às dinâmicas que contribuem para a preservação e equilíbrio dos ecossistemas florestais e da sua biodiversidade.

O Regresso dos Castores

 https://ensina.rtp.pt/artigo/o-regresso-dos-castores/

O poder da natureza revela-se insuperável. Surgindo condições, a vida pode mesmo voltar aonde parecia ter desaparecido para sempre. Dois séculos depois de terem sido dizimados no Luxemburgo, os castores estão de volta. Para os seus trabalhos de construção, mas também como percursores de toda uma nova biodiversidade nas áreas onde estão a instalar-se.

No século XIX, estes roedores foram caçados até à extinção na zona que é hoje o Luxemburgo, ainda o grão-ducado não era independente. Os agricultores não queriam os terrenos inundados, outros vendiam a sua valiosa pele e até uma das suas segregações corporais era usada pelos farmacêuticos. Morreram todos. Não só ali como em quase toda a Europa. Até agora.

Os diques feitos de árvores cortadas com os seus poderosos dentes estão a dar ao Luxemburgo, não apenas novos contornos paisagísticos, mas a criação de condições para todo um novo ecossistema. Anfíbios nunca por ali vistos, insetos vindos de outras paragens, aves e peixes e toda uma panóplia de plantas que não existiam no país vivem agora junto às colónias dos castores.

O triunfo ecológico é tal que se suspeita que da mesma forma que os castores voltaram, estão agora eles a criar condições para o regresso de outras espécies: o lobo e a lontra. Os castores estão protegidos pela Diretiva Europeia Habitat de 1992. Os biólogos consideram-nos uma das espécies-chave do continente europeu precisamente porque a sua presença cria lugares de grande biodiversidade.

Seiscentas pegadas de dinossauros no Cabo Espichel

https://ensina.rtp.pt/artigo/seiscentas-pegadas-de-dinossauros-no-cabo-espichel/

As mais de 600 pegadas foram produzidas há cerca de 129 milhões de anos quando dinossauros - carnívoros e herbívoros - cruzaram um ambiente litoral que hoje se situa perto do Cabo Espichel, em Sesimbra.

Os elementos do Centro Português de Geo-História e Pré-História (CPGP) procuravam ossos de dinossauro quando, em 2019, encontraram as primeiras pegadas, que se distribuem por diferentes camadas datadas do período do Cretácico Inferior. Localizadas junto ao mar, estão expostas aos elementos e não foi fácil identificá-las nos primeiros contactos.

Não é possível atribuir as pegadas a dinossauros específicos, mas percebe- se que pertencem a terópodes – carnívoros com três dedos – e saurópodes e ornitópodes – normalmente herbívoros-, com médias e grandes dimensões. Há mais de 20 anos que os paleontólogos realizam pesquisas naquele território e esta descoberta vai contribuir para compreender melhor o comportamento dos animais e reconstituir o ambiente em que viveram.

Nesta reportagem pode ouvir as declarações de Silvério Figueiredo, presidente do CPGP.

Novo clima: uma questão de recursos e de consciência

https://ensina.rtp.pt/artigo/novo-clima-uma-questao-de-recursos-e-de-consciencia/

A Finlândia estabeleceu 2035 para a meta da neutralidade carbónica, enquanto a União Europeia se propõe alcançá-la até 2050. Díficil? Sem dúvida, mas os finlandeses acreditam no trabalho em conjunto para a alteração dos padrões de consumo energético. A floresta, que cobre dois terços do país, fornece a matéria prima de excelência para muitas das mudanças em curso.

Consciência climática, recursos locais e sustentáveis e trabalho em conjunto de empresários, organismos públicos e população. São os ingredientes finlandeses para a meta de emissões de carbono que faça retomar o equilíbrio ambiental. E tudo parece indicar que a fórmula funciona. A Carélia do Norte, na zona oriental do país, tem-se revelado uma incubadora de projetos tão ambiciosos que vão além da própria linha nacional traçada para a redução das emissões de CO2 – responsáveis pelo aquecimento do planeta.

Na região encontra-se uma rede de supermercados que é por si só um exemplo de autossustentabilidade: pertence a uma cooperativa de produtores agrícolas que assim escoam os seus produtos regionalmente. Esta cadeia de distribuição é agora também notada por ter forrado os tetos das superfícies comerciais com painéis solares que já produzem 20% de toda a energia anual consumida pelos supermercados.

Outro exemplo de como aproveitar o que a natureza dá é através da floresta que cobre grande parte do país. A madeira, que foi sempre uma fonte de sustento para a economia da Finlândia, está agora a servir centrais térmicas, em substituição dos combustíveis fósseis e é também utilizada na construção, de forma cada vez mais predominante. Por exemplo, em edifícios de dezenas de andares onde o betão tem apenas lugar nas fundações.

Árvores que tombam, planeta que agoniza

 https://ensina.rtp.pt/artigo/arvores-que-tombam-planeta-que-agoniza/

Todos os anos são abatidos dez milhões de hectares de floresta no planeta. Mesmo com as replantações em curso, por dia desaparece uma área equivalente à cidade de Paris. A União Europeia é um dos maiores importadores de produtos que alimentam o abate de árvores: soja, óleo de palma, carne de vaca e madeira.

As florestas, que cobrem 30 por cento da superfície terrestre, são um bem global. Garantem-nos o ar, purificam-nos a água, são a casa de povos indígenas, tal como o habitat de milhões de animais e plantas. São chamadas de “pulmões do mundo”, ao reterem cerca de dois quintos de todo o carbono armazenado no planeta.

Fonte de riqueza económica, fornecerem madeiras, combustíveis e alimentos, o que tem levado, em parte, à sua devastação. As florestas tropicais são as mais afetadas pelo desmatamento e os europeus são dos que mais contribuem para isso, particularmente através das importações alimentares.

Em 2020 a perda de zonas arborizadas no mundo foi superior a 100 quilómetros quadrados por dia, segundo informação das Nações Unidas. Na União Europeia, apesar das políticas de reflorestação mostrarem um crescimento das áreas florestais na última década, dados do Parlamento Europeu, revelam que há países, como Portugal, que continuam em défice.

Porque é que os vulcões entram em erupção?

 https://ensina.rtp.pt/artigo/porque-e-que-os-vulcoes-entram-em-erupcao/

Desde o princípio do mundo que os vulcões acrescentam novos territórios ao nosso planeta, mas estas estruturas geológicas podem manter-se adormecidas milhares de anos. Então, o que os faz despertar? A resposta encontra-se no interior da Terra, em reservatórios subterrâneos, onde o magma, pressionado por altas temperaturas, começa a borbulhar até ser empurrado para o exterior destas aberturas, normalmente em forma de cone. O topo do vulcão parece uma panela de pressão a rebentar, atirando para a atmosfera toneladas de poeiras e rochas incandescentes que destroem tudo o que está no seu caminho. São autênticas fábricas de lava imprevisíveis. Basta um choque entre duas placas tectónicas para iniciar o processo. Placas quê?