sábado, 27 de maio de 2017

Um só gene da palmeira-de-óleo explica espessura diferente da casca do fruto


A descodificação do genoma da palmeira-de-óleo, revelada na última edição da revista Nature, permitiu identificar um gene que poderá revelar-se essencial para aumentar o rendimento e aliviar a pressão sobre as florestas tropicais.

A palmeira-de-óleo é cultivada pelos seus frutos, de onde se extrai o óleo de palma, a gordura vegetal mais consumida em todo o mundo. Não só é a principal cultura oleaginosa a nível mundial (33% da produção de óleo vegetal e 45% da produção de óleo comestível), como é a mais produtiva (dá cinco a sete vezes mais óleo do que o amendoim e dez vezes mais do que a soja).  

Para fazer face às crescentes necessidades mundiais de óleo de palma, devido à procura da indústria agro-alimentar e dos biocombustíveis, a área cultivada de palmeiras-de-óleo aumentou consideravelmente nos últimos anos, sobretudo no Sudeste asiático, em detrimento da floresta. A enorme expansão da cultura da palmeira-de-óleo enfrenta um duplo problema de imagem: é acusada de destruir florestas e ameaçar a saúde humana originando produtos prejudiciais ao sistema cardiovascular.

Agora, investigadores do Painel Malaio para o Óleo de Palma (MPOB, na sigla inglesa), uma agência governamental para apoiar este sector agro-industrial da Malásia, o segundo maior produtor mundial depois da Indonésia, apresentaram dois artigos na revista Nature sobre a descodificação do genoma das duas espécies principais que dão o óleo de palma – a palmeira-de-óleo-africana (Elaeis guineensis), também conhecida por palmeira-dendém ou dendezeiro e que é originária da África Ocidental, e a palmeira-de-óleo-americana (Elaeis oleifera), da América latina.

Os investigadores identificaram um único gene – chamado Shell – que determina quão dura é a casca do fruto. Mutações neste gene explicam a existência de três variedades de palmeiras, em função da espessura da casca: o tipo dura, com uma casca espessa, o tipo pisifera, sem casca mas que geralmente não produz fruto, e o tenera, um híbrido dos dois tipos que tem a casca fina.

Na forma tenera, existe uma versão normal do gene Shell e uma versão mutada, uma combinação óptima que se traduz numa produção de óleo por fruto 30% superior ao do tipo dura.

Como as palmeiras-de-óleo tem um ciclo de reprodução muito longo, os agricultores têm de esperar até seis anos para determinar qual dos três tipos de fruto uma planta irá produzir. Na sequência da identificação do gene Shell, o desenvolvimento de um marcador genético permitirá acelerar o processo de selecção das plantas e diminuir as áreas cultivadas.

“Esta descoberta poderá ajudar a conciliar os interesses divergentes entre a crescente procura mundial de óleo alimentar e os biocombustíveis, de um lado, e a preservação da floresta por outro”, considera um dos autores do trabalho, Rajinder Singh, do MPOB.

Noticia retirada daqui

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Segredo da longevidade pode estar nos genes e não nos hábitos saudáveis

Cientistas e peritos em saúde assumiram desde sempre que o segredo para uma vida longa dependia, sobretudo, de exercício regular, dieta e abstenção de tabaco e álcool. Porém, um novo estudo norte-americano dá conta que, mais importante que estes factores, o que poderá mesmo fazer a diferença são os genes.

Investigadores da Albert Einstein School of Medicine, da Universidade Yeshiva, em Nova Iorque, compararam um grupo de judeus asquenazes - provenientes da Europa Central e Europa Oriental - que têm actualmente a idade de 95 e mais anos com um grupo de idosos que morreram por volta dos 70 anos.

Os investigadores perguntaram a este grupo de judeus asquenazes quais eram os seus hábitos alimentares e de vida quando tinham cerca de 70 anos e comparou os resultados com as respostas dadas por idosos, entretanto falecidos, quando rondavam essa idade ao estudo americano Nacional Health and Nutrition Examination Survey.

Depois de analisarem as respostas de ambos os grupos - dos idosos quase centenários que permanecem vivos e dos que morreram por volta dos 70 anos de idade - os cientistas descobriram que havia pouca ou nenhuma diferença entre os dois universos em termos de obesidade, prática de exercício e consumo de álcool e tabaco.

De acordo com um artigo publicado pelos investigadores no “Journal of the American Geriatrics Society”, as pessoas com longevidade excepcional não tiveram hábitos mais saudáveis que os demais. Por exemplo, o índice de massa corporal era semelhante, não havia diferenças marcantes em termos de obesidade e ambos os grupos bebiam sensivelmente a mesma quantidade de álcool durante o dia. No que toca à actividade física, apenas 43 por cento dos homens centenários tinha praticado exercício de forma regular, em comparação com os 57 por cento dos homens do universo que faleceu mais cedo.

Após a comparação destes dados, os cientistas concluíram que a genética poderá ter um papel mais importante do que os hábitos e o estilo de vida na determinação da longevidade de uma pessoa.

Os investigadores sublinham, porém, que não se poderá daqui inferir que os factores relacionados com a alimentação, os vícios e o exercício poderão ser descartados do debate, especialmente se considerarmos maus hábitos como o tabagismo ou o excesso de peso.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Por que somos diferentes?

A diversidade de comportamentos eróticos nas diferentes culturas e no interior de cada sociedade deixa a ciência intrigada. O ambiente e os genes têm muito a dizer.

Tonga é um pequeno país insular situado a Leste da Austrália, no Pacífico Sul. O actual rei continua a desempenhar certas funções (trata-se de uma monarquia constitucional), mas há muito que já não tem a obrigação de desflorar as mulheres virgens da ilha. Um dos seus antepassados, Fatefehi, foi obrigado a cumprir o extenuante dever durante anos: estima-se que iniciou nas artes do amor 37.800 raparigas, entre 1770 e 1784, a um ritmo de seis ou sete por dia.

As mulheres nayares da Índia também podem manter um número considerável de relações sexuais, mas não como uma obrigação; fazem-no por diversão. Nesta casta de guerreiros hindus (ou seja, a nayar), as meninas devem passar por uma cerimónia que dura quatro dias antes da primeira menstruação. No fim do ritual, recebem o tali, um colar que simboliza que contraíram matrimónio. A partir desse momento, podem manter relações sexuais com quantos amantes (sambandha) quiserem, um de cada vez ou no número que considerem mais apetecível. Um deles poderá tornar-se seu marido, mas isso não é obrigatório. De facto, não costuma ser habitual.

Os jovens etoros da Papuásia/Nova Guiné, pelo contrário, tratam de restringir o número de parceiros eróticos e a quantidade de relações sexuais que mantêm ao longo da existência. Praticam a castidade ("a mais desnaturada das perversões sexuais", segundo o escritor inglês Aldous Huxley ) com as suas companheiras durante a maior parte do tempo. O motivo é simples: acreditam que a quantidade de sémen é limitada e que morrerão quando esgotarem as suas reservas. A quantidade do precioso fluido de que um homem etoro poderá dispor ao longo da vida é adquirida durante a adolescência. Como? Através da prática de sexo oral aos homens maduros da tribo. Por isso, um jovem não pode ter um aspecto demasiado saudável: considera-se que abusou do sexo oral e que ingeriu demasiado sémen. Nesse caso, é obrigado a manter relações sexuais com mulheres para recuperar o equilíbrio.

No mundo ocidental, semelhante teoria seria liminarmente descartada; ninguém acredita que se tenha de limitar o número de coitos para racionar o sémen. O que se verifica na nossa sociedade é a castidade voluntária: um número considerável de indivíduos não praticam sexo porque não desejam fazê-lo. A Sociedade Assexual Americana estima que esse grupo integra cerca de três por cento da população mundial, mas talvez a percentagem real seja ainda maior, agora que já não se esconde a opção assexual. No Japão, país que muitos especialistas consideram ser um exportador de tendências, cada vez se mantêm menos relações. Uma sondagem da Associação Japonesa de Planeamento Familiar efectuada junto de pessoas entre os 16 e os 49 anos mostrou que 31% não tiveram contactos sexuais no último mês, "sem qualquer razão especial".

A variedade de comportamentos que emerge destes exemplos dá uma ideia da diversidade sexual humana. Os antropólogos assinalam que a nossa conduta erótica poderá ser mais heterogénea do que a forma de vestir, os hábitos alimentares ou as normas éticas. A cantora e actriz norte-americana Bette Midler perguntava há tempos: "Se o sexo é um fenómeno tão natural, por que existem tantos livros sobre como fazê-lo?" A verdade é que os cientistas continuam a interrogar-se por que motivo reagimos de forma tão variada a algo que é, na sua essência, uma imposição biológica.

A motivação sexual é o mecanismo que favoreceu a selecção natural para aumentar a probabilidade de sobrevivência da espécie. Quando duas pessoas se sentem atraídas, não costumam parar para pensar que estão a ser guiadas pelos seus genes, mas o prazer que as move é um mecanismo mental, dirigido pela pulsão biológica, que é fruto da adaptação. Talvez essa inconsciência que a natureza estabelece seja a causa para se ter demorado tanto a começar a estudar as estratégias sexuais humanas.

Um dos primeiros especialistas a tentar quebrar o tabu foi Alfred Kinsey, professor catedrático de biologia e zoologia da Universidade do Indiana: surpreendido por haver tantas referências à sexualidade animal e tão poucas à nossa, decidiu efectuar um macro-inquérito. Foi alvo de acesas críticas por parte de sectores médicos e grupos religiosos, que chegaram a ameaçar incendiar-lhe a casa, mas não conseguiram intimidá-lo. O célebre Relatório Kinsey, publicado em 1948 (homens) e 1953 (mulheres), reunia dados sobre a vida erótica de 11.240 pessoas e os resultados deixaram a sociedade norte-americana atónita, pois mostravam um panorama inesperadamente heterogéneo que não correspondia ao que era considerado "normal". Por exemplo, 37% dos homens tinham tido uma experiência homossexual, 62% das mulheres tinham-se masturbado e quase metade tinham tido relações antes do casamento.

Todavia, o que mais chamava a atenção era a grande diversidade na actividade sexual quotidiana. Surgiam homens e mulheres que afirmavam nunca ter tido um orgasmo, e outros que usufruíam de quatro ou mais por dia. Os dados também mencionavam pessoas absolutamente monógamas que há décadas mantinham relações com a mesma pessoa (a única parceira sexual da sua vida) e outras que não conseguiam manter-se fiéis mais de um ano. Isto para não falar das singularidades e dos comportamentos excêntricos: daqueles cuja maior fonte de excitação eram os dentes, os sapatos de salto alto ou as reuniões de trabalho.

O que tornava o estudo revolucionário era a sua metodologia. Kinsey adoptou uma abordagem relativamente ao sexo inédita na altura: o chamado "ponto de vista etic". Os antropólogos designam assim os estudos que procuram investigar o funcionamento de uma cultura de forma objectiva, baseando-se em números e dados reais, e não no que os indivíduos supõem sobre o que os seus vizinhos fazem ou não. O biólogo sabia que, quando se trabalha com interpretações (com o que os membros de uma cultura pensam que acontece na sociedade em que vivem, o "ponto de vista emic"), é fácil cair num padrão de normalidade fictícia. Kinsey averiguou o que se passava verdadeiramente nos quartos sem deixar que ninguém lhe filtrasse a realidade, e descobriu uma grande variedade de comportamentos eróticos.

A partir do relatório que publicou, a homogeneidade foi cientificamente descartada e os estudos centraram-se em procurar explicar a diversidade. Marvin Harris, professor de antropologia nas universidades de Columbia (Nova Iorque) e da Florida, é um dos principais representantes dessa corrente. O "pai" do materialismo cultural coloca em questão "que existam em absoluto modos de sexualidade humana obrigatórios, para além dos impostos por prescrição cultural". Nada funciona de forma idêntica em todas as culturas. Segundo Harris, as condições materiais constituem o principal factor a condicionar os conceitos sobre sexualidade. A proporção de comportamentos homossexuais, o grau em que se permitem relações consanguíneas ou as leis implícitas e explícitas sobre o adultério podem ser explicadas com base na adaptação ao meio em que cada colectividade vive. E indica um exemplo: quando o investimento na prole se torna muito dispendioso, a sociedade torna-se mais puritana, pois é mau negócio andar a criar e educar filhos alheios. Em contrapartida, nas populações onde esse custo é menor, os costumes tornam-se mais permissivos relativamente ao adultério e à promiscuidade.

O antropólogo francês Pascal Dibie, professor da Universidade de Paris VII, oferece outro exemplo de como a socieade nos molda em função das necessidades materiais. Em Etnologia do Quarto de Cama, fala do ghotul, uma escola erótica frequentada de noite pelos adolescentes da etnia muria, na Índia. As regras deste local de iniciação sexual foram alteradas: antes, os que ali se dirigiam ficavam com o mesmo par dia após dia para aprender as artes do amor. Todavia, no ghotul moderno, as relações duradouras são proibidas: permanecer mais de três dias com o mesmo companheiro ou companheira acarreta sanções.

O motivo, segundo Dibie, é a necessidade de preservar a ordem social numa cultura cada vez mais permeada por valores e formas de vida alheias. Até agora, os jovens não questionavam os casamentos arranjados tradicionais dos murias. Agora, no entanto, reivindicam o amor e as uniões espontâneas ou por paixão. Como esse tipo de relações quebraria alianças antigas, criaria tensões desnecessárias e complicaria o pagamento de certas dívidas, os adultos procuram proibi-las. Para dissuadir os adolescentes e atenuar a sua curiosidade sexual, permitem que se deitem com todos os membros do ghotul. Argumentam que se reduz, deste modo, o risco de adultério e os ciúmes nos futuros casamentos. Mais uma vez, vemos uma explicação emic (a suposta vantagem para a harmonia do casal) a servir para disfarçar causas etic (a preservação das convenções sociais e económicas). A necessidade adaptativa promove uma promiscuidade que seria sancionada noutro contexto.

Os casos já referidos recordam-nos o valor evolutivo da heterogeneidade, algo que não suscita, sobretudo desde a revolução darwiniana, qualquer dúvida aos cientistas. A variabilidade é a matéria-prima da evolução, pois o que funciona num ambiente pode ser um desastre noutro. Assim, para que a selecção natural possa agir sobre uma característica, tem de haver diferentes versões do gene (ou genes) que o controlam. Ronald Fisher, um dos fundadores da genética de populações, demonstrou matematicamente que quanto mais alelos (variantes) existirem de um gene, maior será a probabilidade de um se conseguir impor aos restantes. Isso implica que uma maior variabilidade genética se traduz num maior ritmo de evolução de uma população.

A sexualidade constitui a base de propagação e sobrevivência dos genes. Quanto maiores as diferenças entre nós, maiores probabilidades teremos de subsistir em qualquer tipo de circunstâncias. Marilyn Monroe afirmou: "O sexo faz parte da Natureza, e eu dou-me maravilhosamente com a Natureza." A ciência actual recorda que darmo-nos bem com o biológico implica entender e respeitar a diversidade. Castos ou promíscuos; pessoas que associam o sexo ao amor e outras a quem os sentimentos diminuem a líbido; heterossexuais, homossexuais, bissexuais e "quadsexuais" (uma nova categoria lançada por Angelina Jolie que engloba os que gostam de homens, mulheres, homossexuais e transsexuais)... Todos contam.

Ainda persistem curiosos comportamentos sexuais noutras culturas, surpreendentes ou mesmo questionáveis, de acordo com a nossa perspectiva.

A iniciação sexual em muitas tribos africanas é muito precoce. Os chewas (ou chicheuas, da Zâmbia e do Malawi) acreditam que se deve manter uma intensa actividade erótica durante a infância para se ser fecundo na idade adulta. Todavia, o elevado risco de contágio da sida fez subir a idade de iniciação.

Na tribo dos nandi, no Quénia, as meninas de oito anos são consideradas maduras para terem relações e tornam-se propriedade de todos.

Os turus da Tanzânia aceitam que as esposas tenham amantes desde que mantenham as aparências. Os vizinhos colaboram e não as denunciam.

Os adolescentes das ilhas Trobriand, na Papuásia/Nova Guiné, dispõem de uma casa de solteiros onde mudam de parceira todas as noites.

Algumas mulheres do Iémen pintam a pele de negro com pigmentos naturais antes de se deitarem com um homem, pois pensam que essa cor aumenta a potência sexual masculina.

No ritual matrimonial dos arandas, na Austrália central, a noiva deve passar uma noite com os pais do noivo antes de ir para a cama com ele.

Em Samoa, ver um umbigo é muito excitante; na ilha de Celebes, o mais apetecível é mostrar o joelho, enquanto para os hotentotes, etnia do Sudoeste africano, picante é observar os genitais dos animais.

Entre os sakalaves de Madagáscar, o estranho é ser exclusivamente heterossexual, pelo que praticam uma espécie de pansexualidade.

Entre vários povos da Nova Guiné, os adolescentes preparam-se mantendo relações homossexuais, mas, depois do casamento, tornam-se heterossexuais.

Normal vs. perverso

Ao longo da História, as instituições religiosas e jurídicas tentaram controlar o comportamento erótico dos cidadãos, apesar das diferenças naturais que existiam em matéria de gostos e tendências sexuais. Para atingir os seus objectivos, classificavam como perversão tudo o que se afastava da alegada normalidade.

O tabu era criado com base em critérios religiosos (pecado) ou jurídicos (delito); começaram também a ser esgrimidos, desde o século XIX, motivos de saúde para anatemizar os instintos desregrados.

Por exemplo, o médico britânico William Acton tornou público, em 1857, um estudo em que afirmava que algumas mulheres tinham orgasmos durante o coito, concluindo que esse efeito era um distúrbio produzido pela sobre-estimulação. Um século depois, William Masters e Virginia Johnson trocaram-lhe as voltas e afirmaram que o anómalo era a anorgasmia.

Até 1973, a homossexualidade foi considerada uma doença mental e constituía um delito em muitos países. Ainda hoje é considerada crime em cerca de 70 estados. Em Portugal, só foi despenalizada em 1982.

L.O. super interessante 148

domingo, 21 de maio de 2017

Galinhas geneticamente modificadas não transmitem gripe das aves


Um dos mais importantes berçários do vírus da gripe que afecta os humanos são as galinhas domésticas. Uma equipa internacional de cientistas desenvolveu uma variedade geneticamente modificada destas aves que pode contrair a doença mas não consegue passá-la para outros indivíduos. O vírus é enganado devido a um engodo molecular. Os resultados foram publicados esta sexta-feira na revista Science.

“O engodo imita uma parte essencial do genoma do vírus que é idêntico em todas as estirpes que existem da gripe A”, disse em comunicado Laurence Tiley, o último coordenador da equipa e autor do artigo, que trabalha no Departamento de Medicina Veterinária da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. “Esperamos que o engodo funcione contra todos os tipos de estirpes da gripe das aves e que o vírus tenha dificuldade em evoluir para escapar aos seus efeitos.”

O que a equipa fez, com ajuda de colegas que trabalham em Sidney e em Edimburgo, foi enganar a enzima que nas células das aves reproduz o genoma do vírus em muitas cópias. Os cientistas produziram um pedaço de ADN que codifica uma molécula capaz de atrair esta enzima. O processo, de alguma forma, bloqueia a multiplicação do vírus.

Depois, injectaram este pedaço de ADN nos embriões de galinhas, de modo a incorporarem-no no genoma das células. Em cruzamentos entre estas galinhas a nova informação foi naturalmente transmitida para as gerações seguintes, criando uma nova variedade geneticamente modificada.

Finalmente, os cientistas testaram os efeitos da gripe na nova variedade. Apesar das aves contraírem a doença e até morrerem, não passaram o vírus para outros indivíduos. Os cientistas não compreendem totalmente o que acontece a nível molecular, mas a investigação não vai acabar aqui.

“As galinhas são hospedeiros da gripe e potencialmente podem fazer a ponte e permitir que novas estirpes do vírus passem para os humanos. Prevenir a transmissão do vírus nas galinhas deverá reduzir o risco do impacto económico da doença e reduzir o risco das pessoas estarem expostas a aves infectadas”, defendeu Tiley, acrescentando que este é só o primeiro passo para desenvolver aves completamente imunes à gripe. “Estas aves com que trabalhámos servem só para investigação, e não para o consumo.”

A técnica é muito mais robusta contra o vírus do que as vacinas, que têm que ser administradas todos os anos para imunizar da gripe. Para o vírus se adaptar a esta “molécula-engodo” teria que mutar uma série de genes de uma vez só, algo muito improvável, diz o cientista.

A aplicação da técnica poderá ser mais controversa. No artigo da BBC News sobre esta descoberta, Peter Bradnock, do British Poultry Council disse que é preciso muito tempo para aferir o impacto alimentar de uma nova tecnologia. No caso de alimentos geneticamente modificados, ainda é mais complicado.

“Temos que ter um grande debate para decidirmos se a sociedade quer ter animais geneticamente alterados, mesmo que seja para seu próprio benefício”, disse Bradnock à BBC News.

Andrew Wadge, cientista chefe da agência de alimentação do Reino Unido (Food Standards Agency), realça o interesse desta discussão em relação à proibição das culturas vegetais geneticamente modificadas, que tradicionalmente na Europa são banidas. “Até agora a tecnologia genética não beneficiou directamente os consumidores. Não será interessante produzirmos algo que traga esse benefício?”, disse o cientista à BBC News.

Nos países onde a doença é endémica, a maior parte das explorações é feita por pequenos produtores. O artigo noticioso da revista Science sobre esta descoberta, explica que os aviários dos pequenos produtores, ao contrário dos grandes produtores, não têm poder para comprar as galinhas e implementar a técnica. Timm Harder, um investigador que trabalha na Alemanha em gripe aviária e que é citado no artigo, defende que se deverá dar as estes pequenos proprietários as galinhas geneticamente modificadas, para que eles possam cruzar com a sua própria criação.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Quem domesticou o coelho? Os monges da Provença, diz a genética

É o único mamífero domesticado só na Europa ocidental, e numa fase tardia. A documentação histórica já sugeria o papel dos monges no processo. Tudo porque o papa Gregório I decidiu que os coelhos recém-nascidos não eram carne, pelo que podiam comer-se na Quaresma. A genética confirma agora esta história.

Os sinais claros da domesticação do coelho só surgiram a partir de meados do século XV (Punit Paranjpe/Reuters (arquivo))

Durante grande parte da sua história, o coelho-europeu, ou coelho-comum, viveu apenas na Península Ibérica e no Sul de França. Hoje está espalhado por quase todos os cantos da Terra, tanto a sua forma selvagem como a doméstica. Mas onde e quando começou a domesticação do coelho? Duas hipóteses têm sido avançadas: tudo terá começado com os romanos na Península Ibérica, há cerca de dois mil anos, ou então terá sido há 1400 anos numa região que actualmente integra o Sul de França e os monges tiveram um papel principal. A equipa de Nuno Ferrand de Almeida, coordenador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (Cibio) da Universidade do Porto, acaba de dar a resposta: foi nos mosteiros da Provença.

O coelho-europeu, ou Oryctolagus cuniculus, o nome científico da espécie, surgiu na Península Ibérica há cerca de dois milhões de anos e é caçado pelos humanos como alimento há milhares de anos. Tem duas subespécies, que no pico da última glaciação, há 20 mil anos, ficaram confinadas a dois refúgios: enquanto a Oryctolagus cuniculus cuniculus habitava em França e no Nordeste da Península Ibérica, a Oryctolagus cuniculus algirus vivia no Sudoeste da Península Ibérica, incluindo o Sul de Portugal.

O primeiro registo que nos chegou da abundância do coelho no Sul da Península Ibérica é dos fenícios, quando vieram até às suas costas há três mil anos, para trocas comerciais. "Viram milhares de coelhos, que confundiram com o damão-do-cabo, que era abundante nas costas das cidades fenícias", conta Nuno Ferrand de Almeida. "Esse registo poderá estar na origem do nome Espanha, que quererá dizer "terra de coelhos": a designação de "i-shephan-im", ou terra de damões-do-cabo, que na verdade eram os coelhos, seria depois latinizada para dar Hispânia, e mais tarde Espanha."

Quando voltavam para sua terra, no Médio Oriente, os fenícios levavam com eles o coelho e espalharam-no pela bacia do Mediterrâneo, por exemplo pelas ilhas Baleares e pelo Norte de África.

Mais tarde vieram os romanos, que se instalaram durante séculos na Península Ibérica, e também levaram o coelho para outras paragens na Europa. "A primeira tentativa de controlar a reprodução do coelho terá ocorrido na Península Ibérica, um século antes de Cristo", conta o biólogo Miguel Carneiro, também do Cibio, e autor principal do artigo com esta descoberta, publicado este mês na edição online da revista britânica Molecular Biology and Evolution.

A partir da ocupação romana passa a haver múltiplas referências aos coelhos. "Uma das mais célebres é a de Plínio, o Velho, na sua História Natural, no primeiro século da nossa era, onde já se refere o hábito de consumir fetos dos coelhos, bem como o facto de produzirem imensos prejuízos na agricultura. Também durante Adriano, um dos mais célebres imperadores romanos - imortalizado por Marguerite Yourcenar em Memórias de Adriano -, circulavam na península moedas com coelhos cunhados na sua face", acrescenta Ferrand de Almeida. "A partir dessa altura há referências permanentes a estruturas belíssimas chamadas "leporaria", que eram cercados feitos de pedras onde os coelhos eram mantidos para serem usados na caça e na alimentação. Há muitos vestígios arqueológicos dessas estruturas. Esta seria uma das hipóteses para a domesticação do coelho ter ocorrido na Península Ibérica."

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Mistério da família real russa finalmente esclarecido

O último mistério da família real russa esfumou-se. Testes genéticos confirmaram que as ossadas identificadas em 2007 pertencem aos dois filhos que faltavam encontrar do último czar da Rússia, Nicolau II. A investigação foi feita por uma equipa de várias nacionalidades e o artigo foi hoje publicado no site online da revista científica Public Library of Science ONE.

A família real Russa foi executada pelos bolcheviques depois da revolução de 1917, quando Nicolau II já tinha abdicado do trono. O czar, a mulher Alexandra, os cinco filhos: Maria, Tatiana, Anastasia, Olga e Alexei – o filho mais novo e herdeiro do trono – estavam nos montes Urais, em Iekaterinburg e foram executados a tiro a 17 de Julho de 1918, por um esquadrão na cave da casa de um comerciante.

O destino dos corpos manteve-se desconhecido durante as décadas seguintes, o que perpetuou a história de que alguns dos filhos teriam conseguido fugir, permitindo que várias pessoas alegassem ser os descendentes da família. Em 1970 foram descobertas as ossadas da família, mas o achado permaneceu escondido até à queda da União Soviética.

Só em 1991 é que as ossadas começaram a ser estudadas, mas os testes genéticos mostraram que os restos mortais só pertenciam ao casal e a três filhos, faltando encontrar Alexei e uma das quatro irmãs. Em 1998, os ossos foram enterrados na Catedral de S. Pedro e S. Paulo, em São Petersburgo, e a Igreja Ortodoxa Russa canonizou toda a família real, com o argumento de que tinham "passado grande sofrimento com abnegação, paciência e humildade".

Durante quase dez anos manteve-se a dúvida sobre o que teria acontecido aos dois filhos do czar. Mas em 2007, a menos de 100 metros das primeiras ossadas, encontraram-se 44 ossos que seriam de dois indivíduos. As primeiras investigações revelaram que os ossos pertenciam a dois jovens, uma adolescente entre os 17 e os 19 anos e um rapaz entre os 12 e os 15 anos, o que correspondia a uma das irmãs (Anastasia ou Maria) e a Alexei. No entanto, desde 2007 que se esperava pelos testes genéticos para confirmar a verdadeira identidade.

Os testes compararam o ADN das ossadas dos dois indivíduos com o do resto da família e ainda com o ADN do irmão de Nicolau II, que morreu de tuberculose quando era jovem. Por outro lado, através de pequenas amostras, foram capazes de comparar o material cromossómico de toda a família com o ADN do sangue de Nicolau II, que ficou conservado numa camisa que usou em 29 de Abril de 1891, quando foi atacado por um polícia japonês, na cidade de Otsu. A camisa ficou na Rússia até aos nossos dias.

Os resultados foram perfeitos. “As provas genéticas são realmente arrebatadoras”, disse o norte-americano Michael Coble e primeiro autor do artigo, citado pelo jornal “Los Angeles Times”. A informação foi replicada independentemente noutros laboratórios e confirmou-se.

Em Maio, os responsáveis pelo estudo vão apresentar as provas à igreja Russa Ortodoxa. Os Romanov não tinham sido enterrados como realeza, e espera-se que a investigação comprove que o destino da família real está, para sempre, esclarecido.
Público

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Fertilizações “invitro”: Nova arma da genética promete melhorar taxa de sucesso

A gravidez de uma mulher de 41 anos após um inédito rastreio genético, que aumentou consideravelmente as suas hipóteses de ter um filho, foi hoje recebida com grande entusiasmo nos meios de comunicação britânicos. É mais um avanço da genética ao serviço da reprodução, aplaudido pelos especialistas. Mais do que um bebé, gera-se assim mais uma boa dose de esperança para muitas mulheres.

Chamemos-lhe A. Segundo os relatos divulgados ontem A. tem 41 anos e um pesado historial de insucessos no seu passado reprodutivo. Registam-se dois abortos e 13 ciclos de Fertilização Invitro sem sucesso.

Os especialistas que a receberam na clínica Care Fertility Group, em Nottingham, sabem que a idade da mulher explica muitas interrupções espontâneas de gravidez e que muitas destas, por sua vez, são provocadas por anomalias cromossómicas. Optam assim por rastrear os 23 cromossomas que compõem o glóbulo polar do óvulo (espécie de satélite que fica do lado de fora do óvulo mas integrado nele) antes da fertilização e sabendo que a grande maioria das anomalias cromossómicas têm causa materna. Foram colhidos nove óvulos e apenas dois não apresentavam anomalias. Os dois foram implantados e um desenvolveu-se numa gravidez de sucesso.

Os avanços das técnicas de Procriação Medicamente Assistida (PMA) já tinham chegado a este ponto mas nunca com este alcance. A biópsia ao primeiro glóbulo polar é uma técnica de diagnóstico genético pré-implantação usada em certos casos e indicada, por exemplo, para mulheres com mais de 39 anos ou abortos de repetição. No entanto, nestes casos geralmente o rastreio é feito a apenas alguns pares de cromossomas, entre 5 a 12 pares (cada ovócito tem 46 cromossomas, 23 pares), sendo que a verificação de 8 pares será suficiente para cobrir 60 por cento das situações de patologia. O que os especialistas da clínica do Reino Unido fizeram foi um rastreio dos 23 cromossomas do glóbulo polar do óvulo de A., que depois foi fertilizado e implantado com sucesso no útero. Isso nunca terá sido feito antes.

O método poderá aumentar consideravelmente as taxas de sucesso da Fertilização “InVitro” (FIV). Os médicos que reclamam este sucesso falam mesmo na possibilidade de duplicar a taxa de PMA (passando da actual média de 25 por cento para 50 por cento).

O especialista Alberto Barros frisa que não conhece o caso em pormenor e acolhe o avanço com optimismo mas prudência. “É um passo importante, mais uma arma, um instrumento.” Reconhecendo que uma grande percentagem dos abortos acontece devido a anomalias cromossómicas e que a maioria tem causa materna, Alberto Barros nota, no entanto, que este rastreio genético é incompleto pois não abrange o conteúdo cromossómico do homem e não detecta eventuais anomalias no espermatozóide.


http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1357593

sábado, 13 de maio de 2017

A vida por um tubo

Para que serve o pescoço?

A respiração, a irrigação do cérebro e o sistema imunitário dependem do elo que une a cabeça ao resto do corpo. Descubra os segredos do pescoço e os motivos por que devemos mimá-lo.

Spencer Trapp é um tipo com sorte. Partiu, literalmente, o pescoço num desafio de futebol americano, mas continuou a jogar como se nada tivesse acontecido. Foi no dia 19 de Setembro de 2008, durante um jogo de uma liga estudantil do Nebraska. “Senti que o tinha torcido, mas pensei que era um esticão sem importância”, explicou. “Ninguém sai por uma lesão assim.” Após o intervalo, voltou ao campo e chegou a participar num par de jogadas. Nessa noite, as dores agravaram-se. Os exames confirmaram que tinha fracturado a quinta vértebra. Trapp foi operado de urgência. Passado um ano, tinha recuperado o suficiente para praticar de novo o seu desporto preferido. O caso deste jovem de 18 anos chamou a atenção dos media pelo seu carácter excepcional: uma agressão de semelhante calibre à complexa estrutura que une a cabeça ao tórax só pode conduzir à morte ou à paralisia total.

Esse elo anatómico dos vertebrados surgiu pela primeira vez nos animais que abandonaram as águas para colonizar terra firme, durante o Devónico. O primeiro ser com pescoço de que se tem conhecimento é o Tiktaalik roseae, um peixe pulmonado (criatura de transição entre as vidas aquática e terrestre) que viveu há cerca de 375 milhões de anos. Não só trocou as barbatanas por patas como dispunha, igualmente, de um crânio, costelas e apêndices semelhantes aos dos primeiros tetrápodes (vertebrados de quatro patas).

A inovação desenvolvida pelo Tiktaalik ro seae teve abundante descendência mas, no caso dos actuais mamíferos, mantém-se sempre subordinada às mesmas linhas-mestras: tanto a girafa como o rato ou a baleia possuem uma coluna cervical (a coluna vertebral que corresponde ao pescoço) de sete vértebras. De menor tamanho no ser humano, a sua função é alojar e proteger a medula espinal, suster o crânio e permitir à cabeça efectuar diversos movimentos. São designadas por C1, C2... até C7, embora as duas cervicais superiores tenham também direito a um nome próprio mais sugestivo do que a fria nomenclatura anatómica. Assim, a primeira chama-se “atlas”, em honra do titã da mitologia grega que suportava o peso do mundo nos ombros. Trata-se de uma peça óssea incompleta, que se articula na face superior com o osso occipital do crânio e, na face inferior, com a C2, mais conhecida pela designação de “áxis” (eixo).

Tal como uma bola num espaço vazio, as vértebras atlas e áxis especializaram-se de forma a dotar a cabeça de uma mobilidade muito mais ampla do que conseguiria com vértebras normais, pois permitem a inclinação lateral e a rotação, flexão e extensão, isto é, a deslocação do queixo em direcção ao tórax e vice-versa. Um sistema de ligamentos, tendões e músculos contribui para estabilizar a coluna cervical, enquanto os discos intervertebrais protegem as sete peças ósseas da fricção e de eventuais choques.

Trabalho de canalização

O intricado trabalho de canalização exibi do nesta delicada zona de transição do or ga nis mo não lhe fica atrás. Certos orifícios per mi tem a pas sagem das artérias vertebrais, en car re ga das de transportar o sangue até ao cé rebro, cujos tecidos consomem 20 por cento da energia total do organismo. Outras duas artérias, as carótidas, sobem de ambos os lados e cada uma bifurca-se em duas, a externa e a interna. As primeiras irrigam a maior parte do rosto, as meninges e o próprio pescoço, enquanto as internas se juntam às artérias vertebrais para alimentar o cérebro e o globo ocular, formando um dispositivo que assegura o fluxo sanguíneo do sistema nervoso central. Por fim, as duas veias jugulares transportam o sangue pobre em oxigénio da cabeça para o coração. Não é de estranhar, por conseguinte, que uma lesão vertebral possa provocar graves problemas circulatórios, ou mesmo tornar-se fatal.

Associado aos vasos sanguíneos, torna-se também indispensável destacar um dos principais componentes do nosso sistema imunológico: o linfático, a rede de órgãos, gânglios, canais e vasos que produzem e transportam linfa dos tecidos para a corrente sanguínea. De facto, o pescoço é a região do corpo com maior densidade de gânglios linfáticos, uma espécie de filtros protectores do nosso organismo. Funcionam do seguinte modo: quando temos, por exemplo, uma infecção na garganta, os glóbulos brancos transportam o agressor (vírus, bactérias...), através dos vasos linfáticos, até aos gânglios mais próximos, onde se procede à sua destruição. No ardor da batalha, uma inflamação pode torná-los palpáveis: é a adenopatia ou linfadenopatia.

Outra glândula sobejamente conhecida que fica alojada no pescoço é a tiróide. Situada imediatamente abaixo da laringe e da maçã de Adão, é formada por dois lóbulos em forma de borboleta ligados por um istmo. Controlada pela hipófise cerebral, produz tiroxina (T4) e triiodotironina (T3), duas hormonas ricas em iodo que regulam o metabolismo basal (o consumo energético do organismo), permitem que os tecidos se desenvolvam nas formas e proporções adequadas e agem sobre os estados de alerta físico e mental. A tiróide também segrega calcitonina, uma hormona que reduz os níveis de cálcio no sangue e inibe a sua re ab sorção óssea.

Um sem-fim de funções vitais

Surpreendentemente, ainda cabem neste pequeno trecho da arquitectura do corpo três vísceras fundamentais: a faringe, via de passagem partilhada pelo ar e pelos alimentos, a traqueia, um tubo de paredes extremamente resistentes graças aos seus 20 anéis cartilaginosos, e a laringe, uma câmara oca que alberga e amplifica o som das cordas vocais.

Deixámos para o fim a matéria mais sensível que atravessa o interior dos nossos pescoços. Referimo-nos à medula espinal, prolongamento do sistema nervoso central que se inicia na base do crânio e termina nas vértebras lombares, percorrendo o canal raquidiano. Não só envia ao cérebro informação sobre sensações e o movimento como também intervém em processos tão fundamentais como a respiração, o ritmo cardíaco, a transpiração, o controlo dos esfíncteres, a ejaculação...

Quando é seccionada, as consequências são dramáticas. O tipo mais grave é a laceração medular, quando se dá uma ruptura da medula que, se for total, provoca a perda irreparável das funções nervosas abaixo do ponto da lesão. Caso os traumatismos se verifiquem na região cervical da medula, as lesões nos nervos que controlam a respiração podem provocar a morte do paciente e, mesmo que ele sobreviva, pode ser afectado por uma perda da sensibilidade do pescoço para baixo, paralisia dos braços e das pernas (tetraplegia) e possível perda do controlo vesical e intestinal, com a consequente incontinência urinária e fecal.

De acordo com um estudo de Ana Garrett (psicóloga), Fernando Martins (fisiatra) e Zélia Teixeira (psicóloga), publicado na Revista da Faculdade de Ciências da Saúde (2009), “a prevalência de indivíduos com sequelas de lesão medular traumática é desconhecida em Portugal e no mundo”. “A taxa de incidência foi descrita num levantamento epidemiológico, efectuado na região centro de Portugal entre 1989 e 1992, como sendo de 58 novos casos por milhão de habitantes, por ano”, afirmam os especialistas. Outros estudos “apontam o trauma por acidente de viação como a principal causa, sendo o sexo masculino mais atingido, com uma média etária de 33 anos”.

Chicotada cervical e sempre-em-pé

Outro problema frequente (embora menos grave, felizmente) é a chamada “chicotada cervical”, que afecta as partes moles do pescoço, isto é, os músculos, ligamentos, nervos e discos intervertebrais. É produzido por um abanão brusco da cabeça, habitualmente causado por um choque na parte posterior de um veículo. O impacto provoca uma flexão excessiva do pescoço e, de imediato, a força de reacção fá-lo estender-se completamente para trás. Tudo se produz numa fracção de segundo, sem que a musculatura tenha tempo para exercer a sua função amortecedora. É por isso que os automóveis modernos estão equipados com apoios de cabeça, que atenuam a gravidade da lesão. Caso contrário, o condutor ou passageiro poderiam mesmo morrer devido à laceração da nuca.

Por isso, para poder suportar as acelerações a que a cabeça é submetida, certas profissões requerem uma musculatura mais poderosa do que é normal. É o caso dos pilotos de caça e de monolugares da Fórmula 1: há mesmo um vídeo a circular pela internet onde se vê o espanhol Fernando Alonso a partir uma noz colocando-a sobre o ombro e inclinando a cabeça para o lado. Por motivos óbvios, os pugilistas também têm de exercitar de forma especial o pescoço. O de Mike Tyson, por exemplo, tem meio metro de circunferência, quase o mesmo da cintura da modelo britânica Kate Moss.

Porém, para além das situações extremas e dos desportos de elite, o pilar da cabeça não deixa de sofrer com as rotinas do quotidiano. Demasiadas horas diante do computador ou uma postura incorrecta quando se escreve ou dorme podem causar contracturas, sobretudo nos músculos posteriores, o que se pode aliviar com recurso a analgésicos, massagens ou ginástica especial. Devemos seguir, pois, o conselho dado pelo grande médico grego Hipócrates (460–377 a.C.): “Procurai obter conhecimento da coluna, pois é o requisito para curar muitas doenças.”

Montra de poder e beleza

Ao longo da história, homens e mulheres ornamentaram o pescoço para ostentar poder e riqueza, como sinal de identidade ou por uma simples questão de estética. O colar mais antigo do mundo, encontrado numa gruta de Taforalt (Marrocos), tem 83 mil anos e é formado por 14 conchas. Confirma que os indivíduos daquela época já tinham pensamento simbólico e uma organização social complexa.

Muito mais recente é a origem de outro complemento omnipresente: a gravata. Em 1660, Luis XIV reparou nos tecidos coloridos atados ao pescoço pelos militares croatas, recebidos em Paris depois de terem enfrentado os turcos. Agradaram tanto ao Rei-Sol que este criou para o seu regimento um lenço com a insígnia real a que chamou cravatte.

Qualquer que seja o enfeite escolhido, um pescoço longo e delicado foi sempre considerado um símbolo de beleza. Além disso, as terminações nervosas transformam-no numa das zonas mais sensíveis do corpo. Os beijos e carícias nesta região estimulam o desejo sexual. Segundo a Fundação Kinsey, 70 por cento das orientais consideram o pescoço a zona erógena por excelência. No Japão, expor a nuca é equiparável a exibir os seios no Ocidente.



Perder a cabeça

Cortar o pescoço foi sempre uma das formas mais eficazes de pôr termo à vida de um condenado à morte. Na Antiguidade, a decapitação estava reservada aos poderosos, pois considerava-se que implicava menor sofrimento. Os pobres eram enforcados sem qualquer consideração. Henrique VIII mandou decapitar duas das suas mulheres: Ana Bolena e Catarina Howard. Antes de morrer, Ana ainda brincou com o seu carrasco: “Não vos darei muito trabalho; tenho o pescoço fino.”

A fim de evitar as carnificinas, a Revolução Francesa instituiu o uso da guilhotina, cuja lâmina oblíqua permitia, teoricamente, golpes mais rápidos e precisos. Nos anos do Terror (1793/94), podem ter rolado até 40 mil cabeças, incluindo a de Robespierre, principal instigador daquele banho de sangue. Actualmente, a Arábia Saudita mantém a decapitação com espada para condenados por crimes de violação, assassínio, sodomia, bruxaria e tráfico de drogas.

Espanha desenvolveu o seu próprio método de estrangulamento: o garrote. A versão original consistia num colar de ferro que se ia apertando com um parafuso até partir o pescoço e provocar asfixia.

Retirado de:
M.S./I.J.
SUPER 147 - Julho 2010

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Reacção imediata


A nossa sobrevivência depende, em primeira instância, de uma infinidade de reflexos, esses gestos automáticos que podemos treinar para torná-los mais eficazes e evitar que se deteriorem à medida que a idade avança.

Final de uma importante competição futebolística. O desafio saldou-se por um empate. As equipas disputam a vitória num tenso duelo de grandes penalidades. Um dos guarda-redes resiste melhor à pressão, adivinha a trajectória de quatro remates e consegue evitar dois golos, averbando o título para a sua equipa. Intuição, sorte? Na opinião dos neurologistas, é tudo uma questão de reflexos, um fenómeno abrangido pela capacidade motora de reacção do indivíduo.

Embora com origem no córtex cerebral, pois requer uma percepção a esse nível e um processamento relativamente complexo, este tipo de reacção é quase inconsciente quando a actividade é repetida, estereotipada e treinada. É por isso que podemos conduzir de forma automática, ou que o guarda-redes consegue chegar à bola e defender o penalty quase sem ter consciência do que está a fazer.

Por outro lado, é habitual associar-se o reflexo ao tempo de reacção perante um estímulo. É claro que tem de haver uma percepção, visual ou auditiva, uma decisão e uma resposta, mas, de acordo com os especialistas em medicina do desporto, embora a antecipação seja importante, é possível melhorar essa capacidade ao trabalhar a força explosiva do atleta e através de treinos específicos, destinados a avaliar as suas reacções aos estímulos. No caso de estar relacionado com a visão, treina-se o sentido da vista para o atleta se concentrar nos objectivos importantes.

Recentemente, comprovou-se, por exemplo, que a capacidade visual dos jogadores de ténis está muito desenvolvida. Roger Federer ou Rafael Nadal são extremamente rápidos e certeiros a processar imagens, o que lhes permite maior precisão quando necessitam de reconhecer objectos em movimento e tomar decisões sob pressão. "São muito mais rápidos a detectar a velocidade de um objecto móvel e, também, a decidir quando o tempo urge", explica Leila Overney, do Laboratório de Neurociência Cognitiva da Escola Politécnica Federal de Lausana (Suiça).

O melhor será, sem dúvida, que se possa exercitá-los. Um guarda-redes terá tanto mais reflexos, no sentido da rapidez de reacção motriz, quanto mais treinar. De igual modo, não conseguimos pontuar tanto num jogo de vídeo da primeira vez do que acontece quando já o conhecemos de cor e salteado.

Todavia, a prática não só permite melhorar os reflexos em geral como, sobretudo, aquele que foi treinado específica e sucessivamente. Por outras palavras, um guarda-redes de um clube de futebol não tem de possuir os reflexos indispensáveis para brilhar no ténis, nem um tenista saber defender grandes penalidades: como é evidente, cada pessoa possui determinada capacidade para um desporto, e não para outro.

Por serem decisões conscientes que requerem uma percepção cortical (do nosso córtex cerebral) e posterior processamento, considera-se que a actividade motora complexa se torna semi-automática ou inconsciente quando os gânglios basais (massa cerebral situada na zona profunda dos hemisférios) assumem o respectivo comando.

No entanto, a capacidade de reacção não é apenas importante no desporto. Os neurologistas recordam que os reflexos são fundamentais para a nossa sobrevivência no quotidiano, podendo ser definidos como "movimentos involuntários, rápidos e estereotipados, provocados por um estímulo"; consoante a natureza deste último, podem ser visuais, vestibulares, auditivos, posturais... Por outro lado, as vias reflexas possuem uma componente sensorial que se encarrega de receber a informação e transportá-la até à medula espinal, e um componente efector, que a transmite da medula ao músculo adequado.

Os reflexos são padrões hereditários de comportamentos comuns a toda uma espécie. Através deles, obtemos respostas simples, rápidas e automáticas para a defesa de uma parte ou de todo o corpo diante de um estímulo potencialmente lesivo", explica a dra. Victoria González, uma neurofisióloga espanhola cujos estudos sobre o chamado "reflexo auditivo de sobressalto" (que consiste na contracção generalizada de amplos grupos musculares perante um estímulo sonoro intenso e inesperado) confirmam como são indispensáveis. "Esse abalo brusco, ou susto, é rapidíssimo (ocorre em milésimos de segundo) e é acompanhado de uma reacção do sistema nervoso autónomo: uma descarga de adrenalina e um começo de hiperventilação. Depois, pode produzir-se uma reacção defensiva ou orientativa", explica a especialista.

O reflexo localiza a fonte acústica; se for intensa, os pequenos ossos do aparelho auditivo retesam-se automaticamente para que entre menos som no ouvido interno. Deste modo, protegem-se as células ciliadas, que transformam as vibrações em impulsos eléctricos; distingue-se melhor a acústica de intensidade elevada e ficamos em alerta.

O reflexo auditivo de sobressalto já se pode observar no início da vida. Por exemplo, os bebés com dois meses, que se assustam com o próprio choro, reagem aos ruídos estendendo os braços para a frente, com as palmas das mãos voltadas para cima e os polegares flectidos. Aliás, quando se bate com a mão suavemente junto da cabeça, o bebé abre e fecha os braços. A verdade é que os actos reflexos são considerados um sinal de evolução do próprio feto, nomeadamente no último trimestre de gestação, altura em que o sistema nervoso se torna maduro. São designados por "reflexos arcaicos" e desaparecem dois ou três meses depois do parto. Esses reflexos primitivos que podemos observar no recém-nascido (como o de sucção, da marcha automática, da preensão palmar e plantar, do abraço, etc.) são de origem cerebral e inatos.

As reacções do neonato traduzem-se em movimentos automáticos, que partem do tronco encefálico (a parte mais primitiva do cérebro) e não envolvem qualquer participação cortical, ou seja, não são controlados voluntariamente. Alguns gestos, como chupar o dedo ou dar pequenos pontapés, surgem ainda no ventre materno; quando decidem abandoná-lo, os reflexos ajudam o feto a colocar-se na posição adequada, dar a volta e descer pelo canal do parto.

Todavia, isto é só o começo. Pouco depois de nascer, o bebé já consegue mamar, graças ao reflexos de sucção e deglutição. Em seguida, os gestos primitivos são gradualmente substituídos por outros posturais, como o reflexo tónico assimétrico do pescoço, que relaciona o movimento da cabeça para um lado com o do braço equivalente, o qual se estica, o que se revela muito útil quando se está voltado de barriga para baixo.

A ausência de reflexos primitivos no recém-nascido pode ser indício de alterações neurológicas ou do sistema nervoso. A fim de comprovar o seu correcto funcionamento, o pediatra recorre a uma série de testes, como pô-lo de pé sobre uma superfície dura: o reflexo será inclinar-se e dar alguns passos. Outro teste será meter-lhe o dedo na boca para comprovar se tem o reflexo de sucção, se engole saliva e se volta a cabeça na sua direcção.

Embora estas reacções desapareçam passado algumas semanas, podem voltar a surgir na idade adulta, devido a doenças ou acidentes. Existe um teste (conhecido por "sinal de Babinski") para detectar uma eventual lesão mental ou uma paralisia cerebral: se se estimular a planta do pé e o dedo grande se separar dos outros e flectir para cima (o que é normal em crianças até aos dois anos), constitui um indício de lesão nas vias nervosas que ligam a medula espinal ao cérebro.

Por outro lado, alguns distúrbios neurológicos que produzem lesões no lóbulo frontal, como os acidentes vasculares cerebrais ou a demência frontotemporal, têm como consequência o aparecimento dos referidos reflexos primitivos, indício de que se está a gerar uma doença neurodegenerativa.

Seja como for, os reflexos mais estudados são os osteotendinosos, detectados através da percussão, com um pequeno martelo, de um tendão como o patelar ou rotuliano (no joelho), ou o bicipital (na prega do cotovelo). Com a extensão brusca do músculo, os receptores sensitivos activam-se e enviam um sinal à medula espinal, onde o neurónio-receptor entra em contacto com o neurónio-motor. É desta forma que evitamos esticar bruscamente os músculos para manter o equilíbrio; ou seja, quando estamos de pé, os nossos músculos impedem automaticamente a perda de postura, contraindo-se para evitar a descompensação.

Assim, o teste aos reflexos osteotendinosos destina-se a fornecer-nos informação sobre o funcionamento dos nervos periféricos sensitivos, a medula espinal e o controlo desses reflexos pelo córtex. Através do teste, fica-se a saber, entre outras coisas, que o nível quatro lombar está bem, isto é, que nem os neurónios sensitivos nem os motores desta região da medula sofreram qualquer alteração.

Do mesmo modo que os reflexos arcaicos podem ressurgir por causa de alguma doença, os osteotendinosos podem desaparecer devido a um problema que afecte os nervos periféricos, como a neuropatia diabética. Por sua vez, uma lesão no córtex cerebral pode provocar, em determinados casos, hiperreflexia ou reflexos exagerados. Todavia, mesmo que não haja qualquer problema de saúde, é normal que, com a idade (a partir dos 40 anos, segundo os especialistas), os reflexos comecem a tornar-se progressivamente mais lentos, embora sem afectar a qualidade de vida.

Na velhice, a situação muda. Os idosos têm, naturalmente, uma actividade motora mais lenta, mas certos sintomas, como quedas frequentes, movimentos desajeitados, lentidão em falar, dificuldade em tomar decisões ou inexpressividade facial podem constituir indícios de uma doença degenerativa. Alguns reflexos, como os que controlam a postura, começam a perder-se com a idade, o que favorece as quedas. A verdade é que, na história destes mecanismos automáticos, alguns vão ficando irremediavelmente para trás.

Um sofisticado sistema de defesa

Os reflexos são a resposta do organismo para proteger os sentidos das agressões do meio. Eis alguns dos mais importantes:

Posturais e tónicos. Mantêm a cabeça direita e o corpo na vertical. Utilizam informação do aparelho vestibular, que indica a posição da cabeça no espaço (reflexos vestibulares), e dos receptores nos músculos do pescoço, os quais indicam se estiver flectido (cervicais).

Superficiais ou cutâneos. São desencadeados por estimulação da pele, das mucosas e da córnea. Incluem o reflexo pupilar (dilatação da pupila perante uma dor).

Fotomotor. Contracção da pupila devido a um estímulo luminoso.

Corporais visuais. Movimentos exploratórios dos olhos e da cabeça para ler, por exemplo; e dos olhos, da cabeça e do pescoço perante um estímulo visual. Incluem ainda o reflexo do pestanejo diante de um eventual perigo.

Auditivo. Perante um ruído demasiado forte, favorece a rigidez automática dos pequenos ossos do ouvido, de forma a passar menos som para o ouvido interno

Tussígeno. A irritação da laringe, da traqueia ou dos brônquios produz tosse para eliminar secreções e corpos estranhos.

Nauseoso. Produz vómitos quando se estimula a garganta ou a parte posterior da boca.

Do espirro. Ajuda a expulsar ar e partículas quando as vias nasais ficam irritadas.

Do bocejo. Surge quando o organismo precisa de oxigénio suplementar.


J.M.D.
SUPER 148 - Agosto 2010

terça-feira, 9 de maio de 2017

Afinal, o “gene da longevidade” não existe

A investigação de Filipe Gomes Cabreiro foi publicada na Nature e destrói a relação íntima que se pensava existir entre as sirtuínas e a longevidade. Cai por terra também a ideia abraçada pelo mundo dos cosméticos que o resveratrol (produto natural encontrado no vinho tinto) é capaz de hiperactivar esta enzima, perdendo assim os seus super poderes no atraso do processo de envelhecimento. O investigador português a trabalhar no University College London (UCL) participou no estudo que poderá ser a machadada final no conceito criado no século XXI da existência do chamado “gene de longevidade”.

Os primeiros resultados divulgados sobre as sirtuínas (por Sinclair e Guarente) referiam que a sua sobre-expressão era capaz de aumentar a longevidade e também que estas eram necessárias para os efeitos de restrição calórica [capaz de atrasar o envelhecimento].

Por outro lado, demonstravam também que o resveratrol activava as sirtuínas e, consequentemente, aumentava a longevidade. Tudo isto foi comprovado primeiro no modelo da levedura e, mais tarde, em vermes (C. elegans) e moscas (Drosophila). No caso do verme sustentava-se mesmo que a activação de sirtuínas podia levar estes a viver 50 por cento mais tempo. O popular gene das sirtuínas acabou por ficar conhecido como “gene da longevidade”, tal era o seu promissor potencial.

Porém, o trabalho de outros grupos de investigação fez perceber que, afinal, as sirtuínas não eram necessárias para o desejado efeito de restrição calórica na levedura e que não era claro que o resveratrol activasse as sirtuínas. O castelo de cartas começava a cair. Outras investigações feitas mais tarde provaram também que o resveratrol não aumentava a longevidade nos vermes ou nas moscas e que as sirtuínas não eram necessárias para a restrição calórica nos vermes. Mais um ataque ao conceito inicialmente proposto.

Agora, o trabalho apresentado por Filipe Gomes Cabreiro na Nature – com colegas da UCL, da Universidade de Washington (Seattle), e da Universidade de Semmelweis (Budapeste) - acaba por destruir o pouco que restava. “Mostramos que de facto a manipulação deste gene não promove a longevidade quer da mosca quer do verme, que o resveratrol não activa a sirtuínas da mosca e que as sirtuínas não são necessárias para a restrição calórica nestes organismos”, resume o investigador ao PÚBLICO, numa resposta por email.

Assim, a única informação que parece ainda permanecer de pé é que a sobre-expressão desta enzima aumenta a longevidade na levedura. “Contudo, estudos recentes não publicados mostram que a sobre-expressão desta enzima aumenta a longevidade apenas da levedura (Budding yeast) mas não da Fission Yeast (que possui processos biológicos mais semelhantes aos processos humanos)”, explica Filipe Cabreiro.

Ao longo dos últimos anos, as sirtuínas tornaram-se num “produto” muito apetecível. Aliás, a empresa ligada a esta descoberta foi comprada em 2003 pela farmacêutica Glaxo SmithKline por 720 milhões de dólares. O objectivo seria o desenvolvimento de produtos anti-envelhecimento e drogas que prevenissem doenças associadas ao envelhecimento, incluindo diabetes, doenças cardiovasculares e mesmo cancro.

O alegado papel do resveratrol também tem sido explorado (no mundo dos cosméticos, por exemplo). Vários cremes anti-envelhecimento foram lançados no mercado contendo o produto natural encontrado no vinho tinto e supostamente um activador das sirtuínas. É o fim deste negócio? “O envelhecimento é multi-factorial. Assumir a ideia vendida por estes papers que existia um único gene capaz de controlar o envelhecimento era de facto muito simplista. Este estudo, conjuntamente com os anteriores põe de facto em causa todos os produtos que tinham como alvo as sirtuínas de forma a retardar o envelhecimento. Não só as sirtuínas não têm nenhum efeito na longevidade como para além disso o resveratrol, apesar de ter benefícios, não activa as sirtuínas. Contudo, não excluímos que o resveratrol tenha outros benefícios, mas estes não são mediados pelas sirtuínas e mesmo que fossem estas não teriam o efeito desejado e esperado com base nas anteriores descobertas”, responde Filipe Cabreiro.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...