domingo, 5 de dezembro de 2010

Formação de Montanhas 8

Tal como fizemos para os Alpes, vamos passar a mostrar algumas fotografias espaciais, com o objectivo de proporcionar uma perspectiva mais ampla, embora muito sumária em virtude da pouca disponibilidade de espaço, de alguns aspectos estruturais, tectónicos e fisiográficos da Cadeia Montanhosa dos Himalaias.

Região de Tian
A fotografia tirada a partir do satélite Landsat MSS, é uma imagem da região de Tian no sudoeste de Shan e oeste de Sinkiang na China. Mostra uma série de dobras complexas e "gigantes", sendo perceptiveis algumas grandes falhas, bem como profundos vales e fortes escarpas. A intensidade da deformação está bem visível.
Falha de Althyn Tagh
A fotografia tirada a partir do satélite Landsat MSS, mostra a grande falha de Altyn Tagh (F-F´), sublinhada a tracejado negro. Existem evidências geológicas de movimentos recentes ao longo da falha de Altyn Tagh. De salientar, numa observação detalhada da fotografia, o traço linear discreto da falha, a erosão juvenil das áreas levantadas adjacentes, a drenagem menos intensa do lado esquerdo da falha, e os terraços aluvionares inclinados ao longo da falha. Do lado esquerdo da fotografia, em tom cinza, mais ou menos, uniforme, está a bacia aluvial de Tarim. Toda a região, representada na fotografia, está cercada zonas orogénicas activas.
Falha de Kuruk Tagh
A fotografia tirada a partir do satélite Landsat MSS, mostra as características mais proeminentes da região situada ao longo da margem sudeste do Tian Shan na parte noroeste da China. É visível a falha de Kuruk Tagh (F-F'), sublinhada a tracejado branco. A falha atravessa rochas do Paleozóico Inferior, completamente dobradas e metamorfisadas. O traço do plano de falha é praticamente recto e recente, implicando uma componente grande de movimento de deslizamento dos dois blocos de falha. A falha de Kuruk Tagh está, actualmente, activa. Os destacados blocos estruturais, tais como o anticlinal (A), na parte ocidental da imagem, sugerem, também, o recente movimento da falha.
Falha Kunlun
A fotografia tirada a partir do satélite Landsat MSS, mostra a falha de Kunlun (F-F'), sublinhada a tracejado branco. Esta falha é paralela à cordilheira montanhosa de Kunlun, sendo uma das mais activas na orogenia dos Himalaias. As falhas subsidiárias funcionam, praticamente, no mesmo sentido. De salientar o relêvo, do tipo planalto, a norte e a sul da fotografia.
Parte norte Himalaias
A fotografia tirada a partir do satélite Landsat MSS, mostra, no lado superior, a intersecção da parte norte (dianteira) dos Himalaias (azul) e das escarpas das montanhas de Indoburman (vermelho). É notável uma justaposição de estilos tectónicos. As dobras de carreamento de Indoburman terminam abruptamente de encontro à pressão provocada pela parte dianteira dos Himalaias. A intersecção, quase rectilínea, das duas componentes compressivas, aproximadamente da mesma idade, é uma conseqüência da rotação no sentido anti-horário da Índia.
Graben Shaanxi
O mosaico fotográfico tirado a partir do satélite Landsat MSS, mostra o Graben Shaanxi (G). De salientar o sistema orogénico de dobras complexas e carreamentos. A oeste das escarpas montanhosas de Burma (veja a figura do lado esquerdo) e para leste formaram-se as bacias, tectonicamente ligadas, no interior das montanhas (por exemplo, Kashmir e Katmandu) desenvolvidas para sul a partir dos declives da parte sul (trazeira) dos Himalaias.
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...