quinta-feira, 25 de maio de 2017

Segredo da longevidade pode estar nos genes e não nos hábitos saudáveis

Cientistas e peritos em saúde assumiram desde sempre que o segredo para uma vida longa dependia, sobretudo, de exercício regular, dieta e abstenção de tabaco e álcool. Porém, um novo estudo norte-americano dá conta que, mais importante que estes factores, o que poderá mesmo fazer a diferença são os genes.

Investigadores da Albert Einstein School of Medicine, da Universidade Yeshiva, em Nova Iorque, compararam um grupo de judeus asquenazes - provenientes da Europa Central e Europa Oriental - que têm actualmente a idade de 95 e mais anos com um grupo de idosos que morreram por volta dos 70 anos.

Os investigadores perguntaram a este grupo de judeus asquenazes quais eram os seus hábitos alimentares e de vida quando tinham cerca de 70 anos e comparou os resultados com as respostas dadas por idosos, entretanto falecidos, quando rondavam essa idade ao estudo americano Nacional Health and Nutrition Examination Survey.

Depois de analisarem as respostas de ambos os grupos - dos idosos quase centenários que permanecem vivos e dos que morreram por volta dos 70 anos de idade - os cientistas descobriram que havia pouca ou nenhuma diferença entre os dois universos em termos de obesidade, prática de exercício e consumo de álcool e tabaco.

De acordo com um artigo publicado pelos investigadores no “Journal of the American Geriatrics Society”, as pessoas com longevidade excepcional não tiveram hábitos mais saudáveis que os demais. Por exemplo, o índice de massa corporal era semelhante, não havia diferenças marcantes em termos de obesidade e ambos os grupos bebiam sensivelmente a mesma quantidade de álcool durante o dia. No que toca à actividade física, apenas 43 por cento dos homens centenários tinha praticado exercício de forma regular, em comparação com os 57 por cento dos homens do universo que faleceu mais cedo.

Após a comparação destes dados, os cientistas concluíram que a genética poderá ter um papel mais importante do que os hábitos e o estilo de vida na determinação da longevidade de uma pessoa.

Os investigadores sublinham, porém, que não se poderá daqui inferir que os factores relacionados com a alimentação, os vícios e o exercício poderão ser descartados do debate, especialmente se considerarmos maus hábitos como o tabagismo ou o excesso de peso.
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...