sexta-feira, 17 de março de 2017

Fauna perigosa


Cuidado com as picadas e mordeduras

As férias levam-nos a um contacto mais próximo com a mãe-natureza, desde o frenesim balnear até às actividades mais radicais nas serranias, passando por uma sesta à sombra de uma árvore. O biólogo Jorge Nunes revela alguns dos riscos que podem resultar de encontros indesejáveis com a nossa fauna mais perigosa.

O Verão convida a passeios na natureza e o calor incita aos corpos desnudados, às t-shirts, aos tecidos finos e às sandálias. Como este é o período do ano em que a bicharada anda igualmente mais activa (numa roda-viva à cata de alimento, atarefada com a reprodução ou a alimentar e proteger a prole), tudo se conjuga para acontecerem alguns encontros indesejáveis. Os bichos nem sequer têm a intenção de nos incomodar: se puderem, evitam-nos a todo o custo e fogem a sete pés. Somos nós que, frequentemente, nos chegamos perto demais e os incomodamos ou ameaçamos com as nossas actividades de veraneio. E o mais curioso é que o perigo não vem dos grandes animais da nossa fauna. Alguns dos mais incómodos são até de reduzidas dimensões, uma vez que a perigosidade resulta principalmente dos seus arsenais químicos constituídos por substâncias venenosas (toxinas).

As mordeduras e picadas, muitas vezes, não passam de pequenos sustos e breves momentos de dor. Contudo, principalmente em pessoas alérgicas ou com saúde debilitada e ainda em crianças e idosos, podem ter consequências mais graves, como a reacção anafilática, uma reacção alérgica do organismo ao veneno que pode pôr em risco funções vitais como a respiração e a circulação sanguínea e por isso exige ajuda médica urgente. De igual modo, as ferroadas ou mordidelas infligidas por animais mais invulgares devem ser objecto de aconselhamento médico, pois cada pessoa apresenta reacções específicas às diferentes toxinas. Para quaisquer esclarecimentos sobre picadas e mordeduras de animais, telefone para o Centro de Informação Antivenenos (808 250 143 ou 112), entidade ligada ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), que se encontra disponível 24 horas por dia.

Riscos à beira-mar

No litoral português, não se encontram animais verdadeiramente perigosos. No entanto, as picadas dolorosas dos peixes-aranha, dos ouriços-do-mar, das alforrecas, dos rascassos, das moreias e das raias (os dois últimos só constituem uma verdadeira preocupação para os mergulhadores) podem exigir acompanhamento médico. Apesar de a orla marítima não apresentar grande perigo, convém verificar onde põe os pés, designadamente em poças de água das zonas rochosas (onde podem esconder-se ouriços-do-mar e rascassos). Evite tocar em massas gelatinosas que podem ser alforrecas ou partes dos seus tentáculos e, em zonas em que ocorram frequentemente picadas de peixes-aranha, utilize sandálias de plástico, uma vez que é impossível ver ou prever onde se escondem.

Os peixes-aranha e os rascassos possuem espinhos venenosos nas suas barbatanas dorsais, pelo que as suas picadas não resultam de qualquer ataque, mas de serem pisados inadvertidamente. Os peixes-aranha surgem principalmente em praias arenosas, em águas pouco profundas, enterrados na areia. Picam nos pés quando são pisados e, em casos muito excepcionais, no abdómen das crianças, quando estas se deitam na água para chapinhar em pequenas poças de água. Os rascassos, por seu lado, são habitantes característicos das zonas rochosas, surgindo dissimulados entre a vegetação que atapeta as rochas submersas e as poças de água na maré baixa. Para aliviar a dor provocada pela picada dos peixes-aranha, pode recorrer-se ao calor, colocando o membro afectado em água quente. É ainda recomendável o uso de analgésicos e de antissépticos.

Os crustáceos (caranguejos e afins) e os polvos podem também infligir mordeduras, principalmente quando se introduzem as mãos em buracos ou espaços por baixo das pedras. Já os ouriços-do-mar, completamente revestidos de espinhos, criam algumas situações muito desagradáveis. Normalmente, exigem longas horas de pinça na mão para retirar todos os espinhos que ficam cravados na pele (a aplicação local de vinagre dissolve os espinhos, o que poderá tornar este tratamento menos moroso).

Fortalezas revestidas de veneno

As alforrecas e as caravelas-portuguesas, apesar do seu aspecto singelo e gelatinoso, constituem autênticas fortalezas revestidas pelos nematocistos (aparelhos de injecção de veneno). Trata-se de colónias de animais, com forma semelhante a um guarda-chuva, ou seja, com uma umbrela que serve de flutuador e a partir da qual pendem tentáculos em número e comprimento variável, consoante a espécie. Mesmo depois de chegarem mortas à praia e, por vezes, despedaçadas, os fragmentos de tentáculos mantêm as suas capacidades urticantes e são tão perigosos quanto o indivíduo vivo, pois os nematocistos permanecem activos durante muito tempo após a morte.

O contacto com as alforrecas provoca dor intensa, edema local, cãibras musculares e queimaduras dolorosas, que deixam flictenas (vesículas com líquido que caracterizam as queimaduras de segundo grau) na pele humana. O toque nas alforrecas pode ser especialmente perigoso quando a vítima está a nadar num local sem pé, uma vez que a dor insuportável pode levar o nadador a entrar em pânico, provocando o seu afogamento.

Os danos provocados pelas vesículas saram em dois ou três dias. Porém, nos casos mais graves, é possível que permaneçam cicatrizes por mais de um ano. Os sintomas são a dor aguda e imediata e o prurido persistente, apresentando como lesões os eritemas e as queimaduras. O tratamento, que deve fazer-se com a maior brevidade possível, consiste na remoção imediata dos fragmentos de tentáculos que fiquem presos à pele, seguido da aplicação local de creme gordo e de analgésicos e anti-inflamatórios sistémicos.

Ameaças por via aérea

Do ar, chegam igualmente perigos inesperados, que são perpetrados pelos insectos voadores. Nos himenópteros (insectos que possuem dois pares de asas membranosas), merecem destaque a abelha e a vespa. Uma simples picada de um desses insectos, para além da dor que provoca, pode acarretar situações mais graves. Assim, as pessoas que possuem antecedentes alérgicos devem trazer sempre consigo os “primeiros socorros” prescritos pelo médico, uma vez que pode ser-se picado nos lugares mais inusitados.

A abelha possui um ferrão farpado, ligado a três glândulas de veneno, que fica preso à ferida após a picadela e, caso não seja retirado, continuará a injectar veneno. Como o pequeno insecto fica extirpado aquando da picada, acabará por morrer (só consegue utilizar o ferrão uma única vez). O veneno das abelhas é constituído por várias substâncias (apitoxina, histamina, serotonina, cininas, entre outras). A quantidade injectada por uma única abelha é demasiado pequena para colocar em risco a vida de um ser humano. No entanto, picadas múltiplas, resultantes de um enxame, poderão originar situações potencialmente mortais.

No caso de a vítima ser alérgica, uma única picada pode desencadear igualmente reacções sistémicas graves (como urticária generalizada, reacção asmática ou choque anafilático). Também as picadelas na boca ou nas vias respiratórias superiores constituem sempre motivo de enorme preocupação e de emergência médico-cirúrgica, devido ao facto de o edema local poder obstruir as vias respiratórias e provocar a morte por asfixia. Felizmente, no comum dos mortais, a picada da abelha origina apenas dor intensa e leva à formação de um pequeno inchaço branco rodeado por uma zona avermelhada (que poderá evoluir para um edema local), que se vai desvanecendo nos dias subsequentes.

O tratamento de uma picada de abelha deve começar sempre pela remoção do ferrão para evitar que continue a injectar veneno. Deve seguir-se a desinfecção com um antisséptico, o controlo da dor com aplicação local de gelo e de compressas humedecidas de bicarbonato ou amónia (ajudam a neutralizar o veneno, de características ácidas). Por último, como terapêutica, utilizam-se analgésicos e anti-histamínicos.

A vespa distingue-se com facilidade da abelha devido à sua cor amarelada e às manchas negras nos segmentos abdominais. Este insecto possui um ferrão sem farpelas, pelo que não fica preso à vítima, o que lhe permite infligir picadas múltiplas. O seu veneno também é diferente do da abelha e, devido ao facto de o ferrão não ficar na ferida, é geralmente inoculado em pequena quantidade. No entanto, não há bela sem senão. As vespas podem originar infecções com mais facilidade, uma vez que o ferrão transporta agentes infecciosos, em virtude de se alimentarem de cadáveres em decomposição.

A picada da vespa provoca dor intensa e origina edema e inflamação local que, se não forem tratados, podem persistir até 15 dias. O tratamento é similar ao da picada de abelha, com duas pequenas diferenças: não é necessário retirar o ferrão e, devido ao facto de o seu veneno ter características alcalinas, as compressas de bicarbonato devem ser substituídas por compressas embebidas em vinagre ou sumo de limão (substâncias ácidas).

Nos dípteros (insectos que possuem um par de asas membranosas), incluem-se as moscas, os mosquitos e as melgas, insectos que são também muito incomodativos. As suas picadas, especialmente em destinos exóticos e climas tropicais, podem ter grande importância médica, devido à transmissão de agentes infecciosos de que são vectores. Por cá, as picadas das moscas e de insectos afins provocam apenas dor, podendo em alguns casos levar a inflamação local com formação de inchaço avermelhado e prurido intenso.

O tratamento das picadelas de dípteros é relativamente simples, uma vez que as suas consequências são limitadas e evoluem geralmente de forma rápida e favorável. A aplicação local de gelo, a lavagem com água corrente e a aplicação de uma loção calmante permitem diminuir o sofrimento. O melhor método para evitar estas picadas consiste em utilizar cremes repelentes e fazer nebulizações das casas com insecticidas.

Perigos terrestres

Os passeios pedestres, como não podia deixar de ser, também escondem os seus perigos, que tanto podem vir de pequenas carraças e aranhas como de alguma cobra venenosa que seja perseguida ou importunada.

Apesar de quase todas as aranhas produzirem venenos neurotóxicos (que afectam o sistema nervoso) ou necrosantes (que matam as células), a esmagadora maioria das espécies europeias não possui quelíceras (agulhas de injecção de veneno) suficientemente robustas para perfurar a pele humana. Assim, as picadas de aranha são extremamente raras no nosso país, sendo a viúva-negra-europeia e a tarântula-europeia duas das poucas espécies que poderão incomodar o homem.

A viúva-negra-europeia tem cerca de um centímetro de comprimento, é escura, com algumas linhas brancas, e possui 13 manchas vermelhas vivas no abdómen. Só a fêmea parece ser perigosa, e a gravidade da sua picada varia com a estação do ano e com a sensibilidade da vítima. Embora o seu veneno seja considerado mais tóxico do que o da maioria das serpentes venenosas, devido às suas reduzidas dimensões e à ínfima quantidade que é injectada numa picada, os especialistas consideram que só poderá existir perigo de morte em crianças com peso inferior a 15 quilos.

A picada da viúva-negra pode quase não ser sentida, embora na maioria dos casos exista alguma dor localizada. No local de penetração das quelíceras, notam-se, geralmente, dois pontos vermelhos e surge edema. Dez a quinze minutos após a picadela, aparecem os primeiros sintomas essencialmente neurotóxicos (agitação, abrandamento das frequências cardíaca e respiratória, cãibras musculares generalizadas, suores profusos e hipersalivação, entre outros). O tratamento consiste no repouso absoluto, na colocação de um garrote acima do local da picada e na administração de analgésicos (a colocação de um cubo de gelo sobre o local da picada permite aliviar a dor). As vítimas deverão ser conduzidas à presença de um médico o mais rapidamente possível (assim, evitam consequências maiores, poderão começar a recuperar ao fim de 12 a 24 horas e curam-se em um ou dois dias).

A tarântula que se encontra em Portugal é uma aranha que não produz teia e que usa as cavidades naturais do terreno para se refugiar. As suas patas são robustas e peludas, apresentando o cefalotórax também peludo e vermelho escuro, com bandas castanhas. O abdómen é acastanhado com manchas negras. Apesar do seu aspecto feroz, não é agressiva. Com efeito, só pica quando é atacada e o seu veneno não é dos mais perigosos. Após a picada, pode existir localmente dor não muito intensa, seguida de edema e formação de uma pequena acumulação de pus que acabará em bolhas de água. Esta lesão pode deixar uma ulceração profunda, com necrose e eventualmente gangrena ao fim de uma semana. A cura tardará cerca de seis a oito semanas. Também neste caso, é aconselhável assistência médica com urgência.

Escorpiões ao entardecer

Essencialmente ao entardecer, em zonas secas e pedregosas, os escorpiões (também conhecidos como “lacraus” em muitas regiões do país) deixam os seus abrigos subterrâneos e tornam-se mais activos. A gravidade das suas picadas depende de vários factores, como a quantidade de veneno inoculado, a idade e o peso da vítima e o local do corpo afectado. No que respeita à quantidade de veneno, obviamente que quanto maior for a porção de veneno inoculado, mais graves serão as consequências. No que concerne à idade e ao peso da vítima, quanto menor a idade e o peso, maiores as preocupações, pois o veneno tenderá a ficar em concentrações muito maiores num organismo que possua menor massa corporal.

Quanto ao local da picada, ele é geralmente circunscrito aos membros inferiores e superiores, pois as picadas costumam ocorrer quando se pisam os lacraus com os pés descalços ou se apertam inadvertidamente com as mãos. Felizmente, nas plantas dos pés e nas palmas das mãos, devido à espessa camada epidérmica, a difusão do veneno é geralmente limitada. O mesmo não acontece com outras zonas do corpo onde, apesar de serem muito mais raras, as picadas inspiram cuidados maiores, devido ao perigo de inoculação profunda do veneno.

Após a picada, os sinais no local podem ser quase imperceptíveis, mas a dor é muito intensa e o membro afectado tenderá a formar edema, podendo até ficar temporariamente paralisado. Os sintomas são variados: ansiedade, arrepios, cãibras musculares e hipotensão. A dor manter-se-á várias horas, especialmente se o paciente não for medicado, e os sintomas podem persistir durante vários dias (podendo os neurológicos prolongar-se por mais de uma semana). O efeito do veneno geralmente não é fatal, excepto quando as vítimas são crianças de tenra idade ou sofrem de hipersensibilidade.

O membro afectado tem de ser imediatamente imobilizado e colocar-se um garrote na proximidade da picada. Para controlar a dor, sugere-se a aplicação de gelo ou de cloreto de etilo no local da picada ou de compressas quentes embebidas numa solução de bicarbonato de sódio, para neutralizar o veneno. O acompanhamento médico deve fazer-se com a maior brevidade possível, principalmente quando se trata de crianças, que podem facilmente entrar em estado de choque.

Vectores de bactérias

As carraças, também vulgarmente denominadas “carrapatos”, para além de injectarem neurotoxinas aquando da sua picada, podem ainda ser vectores de diferentes bactérias. A febre da carraça ou dos fenos é apenas um dos exemplos e, se não for tratada, pode levar a afecções articulares, neurológicas ou cardíacas graves. Os primeiros sinais da doença consistem no surgimento de uma grande mancha cutânea nas duas a três semanas após o encontro indesejável, que é usualmente acompanhada de febre, rigidez nas articulações e fadiga intensa. Mas estes parentes afastados das aranhas podem também inocular uma forma benigna de tifo, designada por “tularémia”. Neste caso, a picadela origina febre e manchas vermelhas (semelhantes às do sarampo), que surgem geralmente cerca de quinze dias após a picada. O acompanhamento médico e a utilização de antibióticos adequados costumam resolver o problema com alguma facilidade.

Para nossa felicidade, nem todas as carraças são portadoras de bactérias e como tal nem sempre provocam doenças. As suas picadelas costumam ser indolores, pelo que, após realizar um passeio no meio da vegetação, deve verificar-se a roupa e o corpo para despistar a eventual companhia de um destes parasitas (que se fixa no hospedeiro através da sua zona bucal, o rostro, por onde suga o sangue). Como se fixam firmemente, é conveniente evitar puxá-las, pois poderão partir-se e deixar o rostro preso à pele, podendo originar infecções. Para as remover na sua totalidade, é preferível utilizar algodão embebido em éter, o que provoca a retracção do rostro e fá-las desprenderem-se. O tratamento da picada faz-se essencialmente a nível local, através da utilização de pomadas.

Cobras e víboras

Embora as pessoas em geral nutram pouca simpatia por estes magníficos animais rastejantes, os ofídios (cobras e víboras) tudo fazem para evitar cruzar-se connosco. No entanto, dada a coabitação de algumas espécies com as construções humanas, é natural que ocorram encontros inusitados, que se forem aproveitados para admirar a beleza dos animais, a distância segura, só deixarão boas recordações.

Das dez espécies de ofídios existentes no nosso país, apenas quatro podem ser potencialmente perigosas (as restantes são totalmente inofensivas), uma vez que são as únicas que possuem dentes inoculadores de veneno. Duas dessas, a cobra-rateira e a cobra-de-capuz, embora venenosas, não são consideradas perigosas para o homem, dado que os seus dentes venenosos se localizam na região posterior dos maxilares: só conseguem inocular o veneno ao deglutir as presas. Assim, com dentes inoculadores de veneno que se localizam na região anterior dos maxilares superiores, surgem como eventualmente perigosas apenas duas espécies: a víbora-cornuda e a víbora-de-Seoane.

Apesar da perigosidade da mordedura das víboras, convém lembrar que são répteis habitualmente pacíficos e que facilmente se distinguem das outras serpentes: possuem a cabeça triangular bem diferenciada do pescoço, a pupila vertical, a ausência de placas cefálicas (escamas de grandes dimensões presentes na parte superior da cabeça), uma linha dorsal escura em ziguezague, comprimento inferior a 70 cm, corpo robusto e cauda curta. As suas mordeduras atingem geralmente os membros inferiores, pelo que é aconselhável utilizar calçado protector e calças grossas, especialmente nas zonas rochosas e montanhosas que constituem os seus habitats.

O primeiro sintoma de se ter sido mordido é a dor local, de início súbito e intensidade variável. O edema inicia-se rápida e progressivamente durante as 24 horas seguintes. Os sintomas gerais são habitualmente moderados: ansiedade, hipotensão, hipertermia, dores abdominais, náuseas, vómitos, diarreia nos casos mais graves e ocasionais alterações cardíacas. A evolução é habitualmente benigna, embora possa haver necrose da zona mordida e o edema possa demorar várias semanas a ser reabsorvido.

Mais vale prevenir

A mordedura torna-se muito perigosa e preocupante se a vítima for uma criança ou se ocorrer em zonas do corpo mais sensíveis, como o rosto e o pescoço. Como tratamento inicial, sugere-se o posicionamento da vítima em repouso, a lavagem imediata da ferida com água e a aplicação de gelo no local da mordedura, para acalmar a dor. Um dos procedimentos clássicos consiste ainda na colocação de um garrote, embora exista muita controvérsia sobre a eficácia desta prática. Após estes cuidados iniciais, deve providenciar-se o tratamento hospitalar com a maior brevidade possível.

Como diz o adágio popular, “mais vale prevenir do que remediar”. Por isso, caso se cruze com alguma víbora, afaste-se para uma distância segura e nunca tente capturar ou matar o animal. Lembre-se que essa visão fugaz é um prémio da natureza, pois esses répteis são animais raros e devem merecer o nosso respeito e protecção. Afinal, tal como muitos outros “animais perigosos”, só atacam e mordem se forem incomodados.

Retirado de:
J.N.
SUPER 147 - Julho 2010
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...