domingo, 10 de dezembro de 2017

Powerpoint sobre Tipos de Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


sábado, 9 de dezembro de 2017

Powerpoint sobre os vários tipos de Locomoção dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Powerpoint sobre as Formas de Locomoção dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Powerpoint sobre a Locomoção dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Powerpoint com as Caracteristicas dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



Ciências Naturais - Vídeo sobre Angiospérmicas

Ciências Naturais - Vídeo sobre o crescimento das raízes

Ciências Naturais - Polinização - A importância das abelhas

Ciências Naturais - Vídeo - Árvore, o crescimento

Ciências Naturais - Tipos de folhas

Ciências Naturais - Vídeo - A Vida das Plantas

Ciências Naturais - Vídeo - Aprenda mais sobre Solos

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Documento sobre o Revestimento dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Powerpoint sobre a Diversidade dos Animais - Forma do Corpo


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



Biologia e Geologia - Ficha de Trabalho sobre Anomalias Gravimétricas


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Mapa de Conceitos sobre os Métodos de Estudo da Geosfera


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Texto Informativo sobre a Vigilância Vulcânica


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Texto Informativo sobre Densidade e Magnetismo


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Powerpoint sobre a Tectónica de Placas


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Powerpoint sobre os métodos para o estudo do interior da Geosfera


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Biologia e Geologia - Esquema sobre a Morfologia do fundo dos Oceanos


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Powerpoint sobre a Tectónica de Placas


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

domingo, 3 de dezembro de 2017

Ciências Naturais - Powerpoint sobre a Alimentação dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

sábado, 2 de dezembro de 2017

Ciências Naturais - Powerpoint sobre Adaptações ao Regime Alimentar


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Como é o pôr-do-sol em Marte? Mais azulado


No seu 956.º dia no planeta vermelho o robô Curiosity parou para ver o sol a desaparecer atrás das montanhas. Veja a animação.
Mais azulado. É esta a resposta rápida à pergunta sobre o pôr-do-sol em Marte, cortesia do robô Curiosity. No seu 956.º dia no planeta vermelho, a 15 de abril, o robô da Agência Espacial norte-americana (NASA), parou para ver e gravar o sol a desaparecer atrás das montanhas, a cores.
Este foi o primeiro pôr-do-sol a cores visto pelo Curiosity, a partir da cratera de Gale. As imagens foram captadas pela câmara do olho esquerdo e a cor calibrada para ser semelhante à que seria vista por um humano.
O tom azulado, explica a NASA, é resultado da composição da atmosfera de Marte, que tem partículas muito finas que permitem à luz azul penetrar mais com mais facilidade do que outras cores com outros comprimentos de onda. O efeito é mais pronunciado na altura do pôr-do-sol, quando a luz incide de forma mais oblíqua, percorrendo um caminho mais longo.

Notícia retirada daqui

Foi descoberta a galáxia mais luminosa.


A WISE J224607.57-052635.0 pertence a uma nova classe a que os cientistas chamam de "galáxias infravermelhas extremamente luminosas".
A NASA anunciou hoje a descoberta da galáxia mais luminosa, com luz equivalente a mais de 300 milhões de milhões de sóis.
A galáxia, refere a agência espacial norte-americana numa nota, pertence a uma nova classe de corpos celestes recentemente descobertos pelo telescópio de infravermelhos WISE, as "galáxias infravermelhas extremamente luminosas".
A galáxia, catalogada como WISE J224607.57-052635.0, pode ter um buraco negro no seu centro, o que é raro numa galáxia longínqua como esta.
Uma vez que a luz da galáxia viajou 12,5 mil milhões de anos até chegar ao tempo atual, astrónomos veem o corpo como era no passado distante. O buraco negro já teria mil milhões de vezes a massa do Sol quando o Universo tinha um décimo da sua idade atual, cerca de 14 mil milhões de anos.
"Estamos a observar uma fase muita intensa da evolução da galáxia", afirmou Chao-Wei Tsai, da NASA, e autor principal do estudo, que é publicado na sexta-feira na revista The Astrophysical Journal.
Segundo o astrónomo, "a deslumbrante luz" da galáxia pode derivar da ação de um buraco negro 'supermassivo'.
Buracos 'supermassivos' atraem gás e matéria para um disco de acreção em seu redor, a ponto de o aquecer para temperaturas de milhões de graus e fazer com que liberte radiação visível, ultravioleta e raios-X. A luz é bloqueada por "casulos" de poeira, que, ao aquecerem, emanam radiação infravermelha.
Como o buraco negro em causa se tornou tão gigantesco continua uma incógnita para os autores da investigação.
O estudo reporta 20 novas "galáxias infravermelhas extremamente luminosas", incluindo a galáxia mais luminosa detetada até agora.
Estas galáxias não foram encontradas anteriormente devido à sua distância e porque a poeira torna a sua luz visível em radiação infravermelha, não visível.

Astrónomo português recebe prémio internacional por procura de exoplanetas

A primeira edição do prémio internacional de Astronomia Viktor Ambartsumian foi para o astrónomo Nuno Santos e mais dois colegas estrangeiros pela investigação feita em planetas fora do sistema solar. O galardão criado pelo Presidente da Arménia tem um valor de 500 mil dólares, cerca de 387 mil euros.“Estou surpreendido porque é uma coisa fora do habitual, embora tenha consciência que o trabalho mereça isto”, disse ao PÚBLICO Nuno Santos, investigador do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP), onde trabalha desde 2007. “O prémio é pelo acumular de resultados dos últimos dez anos”, refere o investigador de 36 anos que já entrou em contacto com os outros dois vencedores, o suíço Michel Mayor, que identificou o primeiro exoplaneta em 1995, e o arménio Garik Israelian. “Estão contentes, são boas notícias para toda a equipa e para a astronomia”, referiu.

O prémio foi criado em 2009 e é bianual. Houve 14 equipas e cientistas nomeados para este ano. Mas foi a investigação que a equipa fez para se compreender as características e a forma como são criados os sistemas planetários que ganhou a corrida. Só em Outubro passado o grupo de investigação do Porto anunciou ter encontrado 32 exoplanetas, hoje conhecem-se mais de 460.

“A procura de exoplanetas é provavelmente um dos temas mais quentes na Astronomia. Nesse sentido é pouco surpreendente que o prémio tenha vindo para esta área, é uma área que tem tido muito impacto”, explicou o investigador, referindo que a há muitas equipas à procura de planetas iguais à Terra capazes de serem habitados.

“Arrisco-me a dizer que nos próximos cinco ou seis anos descobrimos [um planeta igual à Terra]”, prevê o cientista, explicando que o ritmo da investigação é muito alto. “O desenvolvimento do Espresso será o passo final para conseguirmos esse objectivo.”

O Espresso é um espectrógrafo de alta resolução e vai custar 10 milhões de euros. Portugal, é um dos quatro países responsáveis pelo projecto. O instrumento irá procurar exoplanetas rochosos como a Terra com uma resolução dez vezes maior do que a que existe hoje e vai ser instalado junto do VLT (Very Large Telescope) do ESO (Observatório Europeu do Sul), no Chile, em 2014. Neste momento o projecto está na fase de desenho dos instrumentos, para que depois possam ser fabricados. Ao mesmo tempo estão a ser escolhidas as estrelas que irão ser estudadas.

Nuno Santos já tinha ganho em 2009 a bolsa europeia do European Reasearch Council (ERC) ERC Starting Grant 2009 no valor de quase um milhão de euros para a sua investigação. Com o novo prémio, que é individual e dividido pelos três cientistas, diz “continuar a apostar na astronomia”. O investigador é professor na Universidade do Porto e defende que a Astronomia em Portugal está a crescer bem e recomenda-se. O galardão “mostra que Portugal consegue criar pessoas capazes de ganhar prémios como este”.

Modelo sugere que Marte teve um oceano


Há 3,5 mil milhões de anos Marte pode ter sido um planeta azul. Um modelo feito a partir da informação sobre as marcas geológicas de deltas de rios e redes hidrográfica sugere ter existido uma massa de água que cobria um terço do planeta.O oceano ficaria no Norte de Marte, teria o tamanho do Atlântico e continha um décimo da água existente na Terra. O artigo sobre o estudo foi publicado ontem na Nature Geoscience.

Os cientistas da Universidade do Colorado estudaram 52 deltas de rios que estão situados no Norte do planeta. Mais de metade destes deltas ficam a altitudes parecidas, sugerindo que os rios escorriam para o mesmo corpo de água.

Desde a década de 1980 que estudos sugerem a existência de um oceano no planeta. “A nossa investigação iniciou-se um pouco como uma piada”, disse Gaetano Di Achille à Nature, que assinou o estudo juntamente com Brian Hyneck. “Estávamos a trabalhar nesta base de dados de deltas e vales e dissemos: porque que é que não testamos a hipótese do oceano?”

Segundo os cálculos, 36 por cento do planeta estaria coberto por água num único oceano que conteria 134 milhões de quilómetros cúbicos de água. Haveria ainda vários lagos com tamanhos diferentes e um ciclo hídrico com chuva, evaporação e neve. O planeta também poderá ter tido vida.

No entanto, há cientistas que contestam esta conclusão. Apesar de tudo indicar ter havido uma grande quantidade de água no Norte de Marte, muitos dos deltas não estão à mesma altitude. Os autores argumentam que a variação da altitude dos deltas é maior na Terra. Mesmo assim, são necessárias mais provas para sustentar a teoria.

Os projectos espaciais com destino a Marte como a ExoMars (uma aposta europeia e americana para enviar um robô ao planeta) poderão dar mais contributos neste sentido. Os fenómenos que levaram ao desaparecimento desta enorme quantidade de água e a existência ou não de vida no oceano são outros mistérios a desvendar.

Astrónomos descobrem ilha de estrelas em formação na constelação Orion

Se a constelação Orion é já bem conhecida dos observadores assíduos do céu, o mesmo já não se pode dizer da nebulosa NGC 1788, “um tesouro subtil”, segundo o ESO. Esta “nuvem fantasmagórica” de gases e poeiras encontra-se relativamente afastada das estrelas brilhantes da cintura de Orion. No entanto, “os poderosos ventos e radiação oriundos destas estrelas tiveram um forte impacto na nebulosa, definindo a sua forma e tornando-a o lar de inúmeras estrelas bebés”, explica o ESO em comunicado.

Os astrónomos decidiram chamar “Morcego Cósmico” à nebulosa, devido à forma que se assemelha a um gigantesco morcego de asas abertas.

A borda vermelha quase vertical que se pode observar na metade esquerda da imagem resulta da ignição do hidrogénio gasoso nas partes da nebulosa que se encontram de frente para Orion, fenómeno causado pelas estrelas de grande massa.

Na imagem - obtida com o instrumento Wide Field Imager, montado no telescópio MPG/ESO em La Silla, no Chile - é também visível a estrela brilhante HD 293815, na parte superior da nuvem, acima do centro da imagem.

Segundo o Observatório, “todas as estrelas desta região são extremamente jovens, com idades médias de apenas um milhão de anos”. O nosso Sol tem 4,5 mil milhões de anos.

O ESO é financiado por 14 países: Áustria, Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. De momento tem em funcionamento três observatórios no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor.

Público

O Mensageiro das Estrelas foi escrito para causar sensação e agora está em português

É o primeiro livro escrito por Galileu. Depois de ter construído e experimentado o primeiro telescópio, em 1609, o pai da astronomia moderna não conseguiu conter o mundo novo que descobriu do outro lado da luneta. E quis escrever sobre isso. Foi a única vez que escreveu um livro em latim. Portugal esperou 400 anos para o ler em português. Isso é possível a partir de hoje, depois de a Fundação Calouste Gulbenkian ter decidido aceitar um desafio proposto pela organização portuguesa do Ano Internacional da Astronomia (AIA) e pelo físico e historiador da ciência Henrique Leitão para traduzir, pela primeira vez, uma obra de Galileu para o português de Portugal.

"É um livrinho", descreve Henrique Leitão, folheando as 30 folhas que constituem a primeira obra de Galileu. O livro, hoje lançado às 18h00 na Fundação Calouste Gulbenkian, tem mais folhas que isso, uma vez que conta com a tradução, um estudo crítico e ainda uma nota de abertura de luxo, assinada por Sven Dupré, a maior sumidade mundial em matéria de telescópios de Galileu.

Mas, sendo "um livrinho", Henrique Leitão não tem dúvidas em afirmar sobre este Mensageiro das Estrelas: "Foi feito para causar sensação. Está escrito como se de notícias rápidas se tratasse, quase em estilo jornalístico. Ele não se dirige às elites. Queria chegar às pessoas comuns. E queria chegar também a toda a Europa. Ele era um divulgador de ciência", diz o investigador, justificando a opção pelo latim. Nas obras seguintes, Galileu optará pelo italiano. "Para além disso, dedicando o livro ao grão-duque Cosme II de Medici, acaba por arranjar emprego, ele que era professor mas que não gostava de dar aulas, que queria dedicar-se à astronomia e à observação do Universo. Daí Sven Dupré dizer, na introdução, que este livro é "uma candidatura a um emprego".

E é em homenagem ao espírito divulgador de Galileu que Henrique Leitão lança o desafio que espera ser aceite pelo público português: "A minha sugestão é que as pessoas leiam directamente o que Galileu escreveu. E entende-se tudo. Ele escreveu de um modo muito acessível. Pela primeira vez podemos comprovar isso através da leitura em português. E o estudo crítico torna esta leitura ainda mais divertida."

Este é o livro onde Galileu, depois de ter iniciado as primeiras observações com telescópios construídos por si próprio, anotou aquilo que descobriu. E o que Galileu descobriu veio inaugurar a astronomia moderna. "O livro, embora pequeno, abre uma perspectiva infinita para um novo Universo", diz Henrique Leitão. "As descrições das fases da Lua e o facto de ter montanhas e vales, o facto de relacionar o tamanho das estrelas com a distância a que elas se situam e de haver muito mais estrelas do que as 1022 que eram consideradas no catálogo de Ptolomeu. E ainda as "estrelinhas" que andavam à volta de Júpiter, os satélites, a que chamou estrelas mediceias, em homenagem aos Medici. Hoje sabemos que são planetas. Há 65 imagens sobre tudo isto no livro original. Nunca ninguém tinha abordado este problema desta maneira e a evidência visual é muito persuasiva. Num século XVII onde se pensava que o céu era algo absolutamente familiar, ele veio provar que havia um imenso e admirável universo desconhecido."

Tudo, explica Henrique Leitão, graças a "esse instrumento que veio aumentar os sentidos", ou seja, o telescópio. "Galileu transforma a sua casa numa pequena fábrica de telescópios para conseguir ultrapassar o problema que tinha de validação pelos pares. Como é que ele explicava que havia satélites em torno de Júpiter, se não tornasse possível a todos observarem o mesmo que ele via?"

É para celebrar esta entrada na astronomia moderna inaugurada pelas primeiras observações com o telescópio de Galileu que João Fernandes, coordenador do Ano Internacional da Astronomia em Portugal, decidiu integrar o lançamento da tradução de O Mensageiro das Estrelas na cerimónia de encerramento do AIA, que decorre hoje na Fundação Calouste Gulbenkian.

"O AIA marca as primeiras observações feitas com um telescópio por Galileu, em 1609. E em 1610 essas observações continuaram a acontecer, ano em que Galileu escreveu este livro. É uma obra muito importante, marca a metodologia moderna da astronomia. O que hoje fazemos ainda é replicar o que Galileu nos ensinou. Pode-se dizer que esta é a obra fundacional da astronomia moderna", diz João Fernandes, que observa que esta tradução já devia ter acontecido antes e que o trabalho prévio feito por Henrique Leitão no estudo sobre a obra e sobre Galileu tornou possível apresentar O Mensageiro das Estrelas hoje em português.

Astronomia portuguesa

Na cerimónia de encerramento é também inaugurada uma mostra - A astronomia no Portugal de hoje -, comissariada pelo astrónomo António Pedrosa, director do planetário do Centro Multimeios de Espinho, onde se faz o retrato da astronomia actual em Portugal. "Temos entre 50 a 60 astrónomos profissionais em Portugal; há 30 anos tínhamos dois ou três. E a astrofísica é a área com mais impacto na produtividade científica nacional", sustenta João Fernandes.

Há ainda uma maqueta que explica como vai ser o European Extremely Large Telescope ou E-ELT, o telescópio de grandes proporções que a Agência Espacial Europeia está a construir, e como funciona o ESO, o Observatório Europeu do Sul, a que Portugal pertence. No âmbito das palestras que decorreram ao longo do ano, sobre as Fronteiras do Universo, será ainda atribuído um prémio à melhor pergunta de astronomia colocada pelos alunos do básico e secundário que assistiram às palestras.

Público

Choque de asteróides

O telescópio espacial ‘Hubble’ captou uma imagem em forma de "X" com uma espécie de cauda, semelhante a um cometa, que deverá ter sido criada pela colisão frontal de dois asteróides. O impacto terá ocorrido a uma velocidade média de 11 000 quilómetros por hora.

O objecto, baptizado como P/2010 A2, foi descoberto no cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter e estaria a 144 milhões de quilómetros da Terra, quando foi captado pelo ‘Hubble’, em Janeiro. O P/2010 A2 é da família Flora, a mesma que produziu o asteróide que atingiu a Terra há 65 milhões de anos e levou à extinção dos dinossauros.

Biologia e Geologia - Powerpoint sobre Geologia - A Terra, um Planeta a Proteger


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Powerpoint - Entendendo o Sol da Meia-Noite


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



1 Minuto de Astronomia - O telescópio

O telescópio é um instrumento que mudou de uma forma fundamental a percepção que a Humanidade tem do Universo. Antes da sua invenção, estávamos limitados a observar o céu a olho nu e como tal apenas podíamos descobrir uma pequeníssima fracção do Universo.


Biologia e Geologia - Vídeo - A Composição da Lua

Ficha de Trabalho de Biologia e Geologia - Geologia Planetária


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Ficha de Trabalho sobre Geologia Planetária


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Ficha de Trabalho sobre o Sistema Solar


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biologia e Geologia - Exercícios sobre a Terra e os planetas telúricos


Integrada no tema A Terra - um planeta muito especial, da componente de Geologia, do programa de Biologia e Geologia (ano I), a abordagem aos planetas telúricos permite compreender as afinidades entre a Terra e os planetas mais próximos estabelecendo paralelismos ao nível da actividade geológica. Seguem-se brevescomentários de imagens integradas numa aplicação para quadros interactivos sobre a A Terra e os Planetas Telúricos.
Exercício 1

O exercício seguinte permite identificar os planetas telúricos e classificá-los em função da sua (in)actividade. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após identificação e classificação dos planetas telúricos...



Escrito por José Salsa

Biologia e Geologia - Exercícios sobre a Formação do Sistema Solar

Integrada no tema A Terra - um planeta muito especial, da componente de Geologia, do programa de Biologia e Geologia (ano I), a abordagem à formação do Sistema Solar é imprescindível para a compreensão  da Terra como um planeta com características raras no Universo, ideia que se vai confirmando à medida que se acumulam novas observações e descobertas no domínio da Astronomia. Seguem-se breves comentários de imagens integradas numa aplicação para quadros interactivos sobre a Formação do Sistema Solar.
Exercício 1

O exercício seguinte permite explorar a sequência de fases de formação do Sistema Solar, segundo a Teoria Nebular. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após colocação das imagens na ordem correcta...


Exercício 2

O exercício seguinte permite identificar e posicionar os principais corpos do Sistema Solar. Nem os corpos nem as distâncias entre eles se encontram à escala, o que deve ser esclarecido com os alunos. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação das imagens e respectivas legendas para a posição correcta...

 

Escrito por José Salsa
 

Biologia e Geologia - Viagem interplanetária


Download 1 - Dropbox - Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 - Parte 4
Download 2 - Mega - Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 - Parte 4
Download 3 - Google Drive - Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 - Parte 4
Download 4 - Box - Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 - Parte 4

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Ciências Naturais - Powerpoint sobre a dentição dos animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Ciências Naturais - Powerpoint sobre a Locomoção dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Pelosiro - Educação - Lista de Sites


Ensino Regular
Educadora de Infância - Link
Net Ciências - Link
Net Matemática - Link
Net Física Química - Link
Net Primeiro Ciclo - Link
Ciencias Sociais na Net - Link
Explica Filosofia - Link
Explica Geografia - Link
Explica História - Link
Departamento de Expressões - Link
Departamento de Línguas - Link
Tecnologias de Informação e Comunicação - Link

Educação Especial
A Educação Especial - Link

Educação de Adultos
Educação e Formação de Adultos - Link

Ensino Profissional
Portal Nacional de Saúde e Socorrismo  - Link
Portal Ambiental Nacional - Link
Portal Nacional da Indústria Alimentar - Link
Portal Nacional de Turismo - Link
Agricultura e Desenvolvimento Rural - Link
Ensino Profissional e Vocacional - Link
Higiene e Segurança no Trabalho - Link

Educação Sexual
A Educação Sexual - Link

Educação
Escola XXI - Link

Ciências Naturais - Powerpoint sobre Comportamentos Reprodutores


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Ciências Naturais - Powerpoint sobre Reprodução dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Ciências Naturais - Powerpoint sobre Dimorfismo Sexual


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

domingo, 26 de novembro de 2017

Ciências Naturais - Powerpoint sobre Metamorfoses


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


sábado, 25 de novembro de 2017

Ciências Naturais - Powerpoint sobre a Influência dos Factores do Meio no Comportamento dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Resumo sobre Organização Celular



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Resumo sobre a Célula e Organitos Celulares



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Resumo sobre Microscopia



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Resumo sobre a Diversidade na Biosfera






Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Resumo Teórico sobre "A Célula Eucariótica"


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Resumo sobre "O Microscópio"

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Célula


As células são as unidades estruturais e funcionais dos organismos vivos. Alguns organismos, tais como as bactérias, são unicelulares (consistem em uma única célula). Outros, tais como os seres humanos, são pluricelulares (várias células).

O corpo humano é constituído por aproximadamente 10 trilhões (mais de 1013) de células; A maioria das células vegetais e animais têm entre 1 e 100 µm e, portanto, são visíveis apenas sob o microscópio; a massa típica da célula é um nanograma.

A célula foi descoberta por Robert Hooke em 1663/ 1665.Em 1837, antes de a teoria final da célula estar desenvolvida, Jan Evangelista Purkyně observou "pequenos grãos" ao olhar um tecido vegetal através de um microscópio. A teoria da célula, desenvolvida primeiramente em 1838 por Matthias Jakob Schleiden e por Theodor Schwann, indica que todos os organismos são compostos de uma ou mais células. Todas as células vêm de células preexistentes. As funções vitais de um organismo ocorrem dentro das células, e todas elas contêm informação genética necessária para funções de regulamento da célula, e para transmitir a informação para a geração seguinte de células.

A palavra "célula" vem do latim: cellula (quarto pequeno). O nome descrito para a menor estrutura viva foi escolhido por Robert Hooke. Em um livro que publicou em 1665, ele comparou as células da cortiça com os pequenos quartos onde os monges viviam.

História da Célula


As células foram descobertas entre 1663 e 1665 pelo inglês Robert Hooke. Ao examinar em um microscópio rudimentar, uma fatia de cortiça, verificou que ela era constituída por cavidades poliédricas, às quais chamou de células (do latim "cella", pequena cavidade). Na realidade Hooke observou blocos hexagonais que eram as paredes de células vegetais mortas.

Enquanto isso, Antonie van Leeuwenhoek (1632–1723), um holandês que ganhava a vida vendendo roupas e botões, estava gastando seu tempo livre moendo lentes e construindo microscópios de qualidade notável. Ele desenhou protozoários, tais como o Vorticella da água da chuva, e bactérias de sua própria boca. Van Leeuwenhoek foi contemporâneo e amigo do pintor Johannes Vermeer (1632-1675) da cidade de Delft que foi pioneiro no uso da luz e da sombra na arte ao mesmo tempo em que van Leeuwenhoek estava explorando o uso da luz para descobrir o mundo microscópico.

Em 1838 Matthias Schleiden e Theodor Schwann, estabeleceram o que ficou conhecido como teoria celular: "todo o ser vivo é formado por células tronco".

As células são envolvidas pela membrana celular e preenchidas com uma solução aquosa concentrada de substâncias químicas e substâncias físicas, o citoplasma em que se encontram dispersos organelos (por vezes escrito organelas, organóides, orgânulos ou organitos).

As formas mais simples de vida são organismos unicelulares que se propagam por cissiparidade. As células podem também constituir arranjos ordenados, os tecidos.

Informação retirada daqui:
https://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A9lula

Estrutura - Células Procarióticas


De acordo com a organização estrutural, as células são divididas em: eucarióticas e procarióticas. As células procarióticas são geralmente independentes, enquanto que as células eucarióticas são frequentemente encontradas em organismos multicelulares.

As células procarióticas, também chamadas de protocélulas, são muito diferentes das eucariontes. Em geral, são bem menores e menos complexas estruturalmente do que as células eucarióticas.. A sua principal característica é a ausência da carioteca individualizando o núcleo celular ao qual chamamos de nucleoide., pela ausência de alguns organelos e pelo pequeno tamanho que se acredita que se deve ao fato de não possuírem compartimentos membranosos originados por evaginação ou invaginação. Também possuem DNA na forma de um anel associado a proteínas básicas e não a histonas (como acontece nas células eucarióticas, nas quais o DNA se dispõe em filamentos espiralados e associados a histonas).

Estas células são desprovidas de mitocôndrias, plastídeos, complexo de Golgi, retículo endoplasmático e sobretudo cariomembrana o que faz com que o DNA fique disperso no citoplasma. Como organela, só possuem ribossomos. A este grupo pertencem:
-Bactérias
-Cianófitas (Cyanobacterias)
-PPLO ("pleuro-pneumonia like organisms")

As bactérias dos grupos das Rickettsias e das clamídias são muito pequenas, sendo denominadas células incompletas por não apresentarem capacidade de auto-duplicação independente da colaboração de outras células, isto é, só proliferarem no interior de outras células completas, sendo, portanto, parasitas intracelulares obrigatórios.

Diversas doenças de importância médica tem sido descritas para organismos destes grupos, incluindo algumas vinculadas aos psitacídeos (papagaios e outras aves, a psitacose) e carrapatos (a febre maculosa, causada pela Rickettsia rickettsii).

Estas bactérias são diferente dos vírus por apresentarem:
-conjuntamente DNA e RNA (já foram encontrados vírus com DNA, adenovirus, e RNA, retrovírus, no entanto são raros os vírus que possuem DNA e RNA simultaneamente);
-parte incompleta da "máquina" de síntese proteica celular necessária para reproduzirem-se;
-uma membrana celular semipermeável, através da qual realizam as trocas com o meio envolvente.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...