sexta-feira, 31 de julho de 2015

Ciências Naturais - Powerpoint sobre Paisagens Magmáticas


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



quarta-feira, 29 de julho de 2015

Ciências Naturais - Powerpoint sobre Paisagens Sedimentares


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



segunda-feira, 27 de julho de 2015

Mutualismo, cooperação ou oportunismo?

Organismos de grupos muito distintos estabelecem por vezes relações complexas entre si, nalguns casos de total interdependência. As formas de cooperação, pelo menos aparente, são dos resultados mais fascinantes da evolução da vida.

No mundo natural, quase todos os seres vivem embrenhados numa complexa teia de relações que se estabelecem entre representantes dos diferentes grupos taxonómicos. As relações de predador-presa, herbívoro-planta e de parasita-hospedeiro, são um exemplo disso mesmo. Em todos estes casos, há uma característica em comum: entre os parceiros destas relações existe uma pressão selectiva comum, mas em sentidos opostos. Ou seja, à pressão imposta pelos predadores, herbívoros e parasitas, sobre as presas, as plantas e os hospedeiros, estes últimos respondem com uma contra adaptação para evitar a pressão.

Pelo contrário, no caso das relações mutualísticas, ambos os parceiros beneficiam das pressões selectivas recíprocas, através de um processo que se designa por co-evolução. O que na prática quer dizer que se ajudam mutuamente. Dentro do mutualismo existem muitas modalidades diferentes, mas o factor comum que conduziu os diferentes organismos a evoluir neste sentido permanece ainda por explicar. Na verdade, verifica-se que muitas relações mutualísticas são mais explorações recíprocas, do que esforços cooperativos entre indivíduos.

Em todo o caso, este tipo de relação atrai de forma particular a atenção dos humanos, que facilmente encontram aqui uma analogia com sentimentos como a amizade ou o altruísmo. Mesmo assim se nos debruçarmos mais profundamente sobre o paralelo, as conclusões sobre o porquê da amizade poderiam ser também algo desconcertantes: será que amizade é motivada por questões de altruísmo ou de egoísmo? Afinal, se calhar até as próprias relações entre as pessoas se podem arrumar, pelo menos de forma metafórica, dentro das categorias: predação, parasitismo e mutualismo…

O mutualismo pode, ser ou não simbiótico e pode ser facultativo ou obrigatório. O mutualismo simbiótico, ou simplesmente simbiose, é aquele em que ambos os organismos vivem juntos numa associação física muito próxima e em que pelo menos um deles não poderia viver independente do outro. A simbiose é por isso sempre um caso de mutualismo obrigatório.

Na verdade, apesar das relações de simbiose existirem um pouco por todo o lado, na sua maioria não são nada óbvias, e muitas vezes utiliza-se essa designação (simbiose) de forma abusiva para outros tipos de mutualismo. As relações entre organismos simbiontes são por vezes tão profundas que chega a ser difícil distingui-los. Um exemplo disso é uma associação de algas e fungos que constitui os líquenes. Também no coral, os Celenterados associam-se a algas que lhes fornecem mais de 80% da energia de que necessitam, em troca da retenção de nutrientes essenciais que provêm da sua habilidade em capturar o zooplancton em suspensão no Oceano. Nas raízes de muitas plantas, que vivem em solos pobres, estabelecem-se relações simbióticas com fungos, que em troca da energia fotossintética fornecida pelas plantas fornecem nutrientes minerais que captam do solo.

O mutualismo obrigatório não simbiótico é um tipo de mutualismo mais frequente do que o anterior. Neste caso, os intervenientes dependem um do outro para sobreviver mas não vivem fisicamente tão próximos. A polinização de flores e a dispersão de sementes está em alguns casos absolutamente dependente de um agente, que pode ser um insecto, uma ave, ou outro animal, que dependa desse recurso, néctar, pólen ou fruto, para sobreviver. Também algumas espécies de formigas vivem dentro dos troncos de árvores, que para alem de abrigo, lhes fornecem alimento através de substâncias açucarinas que segregam, em troca de protecção contra insectos desfolhadores. Também as térmitas da savana africana criam fungos dentro dos seus ninhos, que lá encontram as características indispensáveis para se desenvolverem e que lhes degradam parcialmente o alimento.

O mutualismo facultativo ou oportunista não só é o mais frequente, como provavelmente o mais visível de todos os tipos de mutualismo, já que opera em maior escala ao nível dos animais vertebrados.

Para muitas plantas, apesar de não ser a única forma de se reproduzirem, a ajuda prestada por alguns animais torna-se preciosa e em troca fornecem-lhes alimento. Noutros casos, como em alguma orquídeas de florestas tropicais, as flores não fornecem qualquer alimento aos machos das abelhas que as polinizam. Em vez disso, os machos encontram no interior das flores fragrâncias segregadas por células específicas, que utilizam para desenvolver as suas próprias feromonas para atrair as fêmeas. Como essas abelhas visitam orquídeas de diferentes espécies, estas estão adaptadas de forma a que o pólen se deposite numa parte específica do corpo da abelha, de forma a esta poder visitar muitas outras flores sem que o pólen se perca e para, quando vários dias ou semanas mais tarde entrar uma flor da mesma espécie, poder cumprir o seu papel.

Ao nível da dispersão das sementes, as relações mutualísticas entre animais e plantas desempenham também um papel preponderante. Muitas espécies de plantas evoluíram no sentido de produzirem frutos com cores coloridas, odor intenso e um valor nutritivo elevado. Dentro destes frutos existem sementes pequenas, que podem atravessar o tubo digestivo dos animais sem se degradarem. Desta forma, essas plantas convidam diferentes animais a ingerirem os seus frutos e sementes, por forma a excretarem mais tarde as sementes num outro local.

Para além das relações entre animais e plantas, mais raramente também se estabelecem relações entre animais, como algumas aves que catam parasitas em cima de grandes mamíferos. Um outro caso muito curioso disso mesmo, é a cooperação entre uma ave da mesma Ordem dos pica-paus, o Indicador e uma espécie de texugo que habita em África. Estas aves têm a capacidade de encontrar colmeias de abelhas, mas dificilmente consegue extrai-las das cavidades em que se encontram. Por isso, atraem um texugo que com as suas garras afiadas consegue fazer o trabalho. O texugo come o mel e o Indicador ingere as larvas e a cera de que é feito o ninho. Curiosamente, a capacidade para digerir a cera depende, também ela, da existência de bactérias simbiontes no intestino da ave, que lhe fornecem as enzimas necessárias para a digestão. Na ausência de texugos, os indicadores estabelecem esta relação com humanos que também procuram o mel.

O limite entre as relações mutualísticas e outras de outro tipo nem sempre é claro. Será que os tubarões beneficiam de alguma forma da presença das rémoras que os seguem para ingerir os restos de alimento por si deixados? Se lhes fosse absolutamente indiferente seria uma relação de comensalismo. Mas em alguns casos, as fronteiras são tão ténues que pode mesmo ser difícil de distinguir algumas formas de parasitismo de outras de mutualismo. De certa forma, o mutualismo é por vezes um caso de parasitismo recíproco.

A complexidade das relações entre os diferentes seres vivos faz com que, apesar de muito se investigar nesta área da ecologia, como nas demais ciências, o aprofundar dos conhecimentos conduza a um refinar de conceitos que mesmo assim ficarão sempre aquém da complexidade da realidade.


Alexandre Vaz

sábado, 25 de julho de 2015

Zebras têm riscas pretas e brancas para se protegerem de picadelas de insectos

Investigadores húngaros e suecos defendem que as zebras desenvolveram riscas pretas e brancas como estratégia para afastar os insectos que lhe sugam o sangue e transmitem doenças, revela um estudo publicado no Journal of Experimental Biology.

Descobrir por que razão as zebras têm riscas tem sido um mistério para a ciência. Uma equipa de investigadores defende nesta quinta-feira que este padrão é o menos atractivo para as vorazes moscas da família Tabanidae. As picadelas dolorosas destes insectos, que chegam a impedir as zebras de se alimentar, são responsáveis pela transmissão de várias doenças.

Num campo da Hungria rural, perto de Budapeste, a equipa de Susanne Åkesson, da Universidade de Lund, na Suécia, criou quatro modelos de cavalos, cada um pintado de castanho, preto, branco e com riscas pretas e brancas. “Pusemos uma cola especial nos modelos e depois contámos o número de moscas atraídas por cada um”, disse hoje Åkesson à BBC. O cartaz com riscas foi aquele que atraiu menos moscas.

Os investigadores baseiam o seu estudo na forma como a luz é reflectida nos animais e chega aos olhos dos insectos. De acordo com o húngaro Gábor Horváth - outro autor do estudo, da Universidade Eötvös -, as moscas são atraídas por ondas de luz plana, que viajam na horizontal, fazendo lembrar o movimento de uma serpente ondulante que se desloca rente ao solo. Isto acontece porque a luz é reflectida na água na horizontal e estes insectos são aquáticos. Estas moscas que tanto afligem as zebras usam esta preferência pelas ondas de luz polarizadas na horizontal para identificar zonas de água onde possam acasalar e pôr os ovos.

Nas zebras, as riscas são verticais e a luz é reflectida de maneira diferente. “Concluímos que as zebras desenvolveram uma pelagem com padrão de riscas finas para garantir que são o menos atractivas possível para as moscas da família Tabanidae”, escreve a equipa no site do Journal of Experimental Biology.

O biólogo evolutivo da Universidade de Manchester Matthew Cobb disse à BBC que a experiência é “rigorosa e fascinante”, mas não exclui outras hipóteses sobre a origem das riscas nas zebras. “Acima de tudo, para esta explicação ser verdadeira, os autores teriam de ter mostrado que as picadelas de mosca são uma verdadeira pressão evolutiva para as zebras, mas não para os cavalos e burros, já que nenhum deles tem riscas”, acrescentou.

“Eles reconhecem isso no seu estudo e o meu palpite é que não há uma explicação única e que são vários os factores envolvidos nas riscas das zebras”, acrescenta Cobb.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Fóssil pode ajudar a explicar a origem das pinças dos escorpiões

Cientistas da Universidade de Yale (EUA) e da Universidade de Berlim descobriram um fóssil com 390 milhões de anos que pode ajudar a compreender a evolução das pinças dianteiras do escorpião e do caranguejo-ferradura, refere um artigo científico publicado hoje pela revista “Science”.

O Schinderhannes bartelsi foi encontrado fossilizado numa ardósia extraída de uma mina perto da localidade de Bundenbach, na Alemanha. A zona, denominada Hunsrück Slates, é conhecida por ter fornecido ao mundo diversas pistas sobre a evolução dos artrópodes.

“O espécimen é o único exemplo conhecido desta invulgar criatura”, disse o investigador da Universidade de Yale, Derek Briggs, autor do artigo na prestigiada revista científica.

Com esta descoberta, os cientistas ficam mais próximos de perceber a origem das duplas quelíceras (apêndices articulados que estão ao lado da boca e servem para apanhar as presas) que se podem encontrar nas cabeças dos escorpiões e dos caranguejos-ferradura – animal no qual foi inspirado o desenho do Pavilhão Atlântico em Lisboa. Estas quelíceras podem ser equivalentes às encontradas em criaturas que supostamente se terão extinguido cem milhões anos antes do Schinderhannes bartelsi.

A secção da cabeça do fóssil tem grandes olhos salientes, uma abertura de boca circular e um par de apêndices cobertos de espinhos. O tronco é composto por 12 segmentos e o corpo termina numa cauda em forma de espigão. Entre a cabeça e o tronco existem duas extremidades triangulares, com a forma de asa – que supostamente ajudariam a criatura a nadar, da mesma forma como os pinguins fazem, refere Briggs. O Schinderhannes bartelsi mede cerca de 10 centímetros, ao contrário dos seus antepassados que quase atingiriam um metro de comprimento.

“Infelizmente a mina de onde foi retirado este fabuloso material está fechada por razões económicas, e assim os únicos especímes adicionais que vão aparecer estão já nas mãos de coleccionadores, que podem não estar devidamente preparados ou conscientes do que [os espécimes] representam”, lamentou Briggs.
Público

domingo, 19 de julho de 2015

Cientistas encontram vestígios do animal mais antigo da Terra

Vestígios químicos deixados por esponjas há 635 milhões de anos em estratos de sedimentos encontrados em Omã são a prova da vida animal mais antiga da Terra, revelaram hoje cientistas norte-americanos na revista “Nature”.

A descoberta, publicada cerca de uma semana antes do 200º aniversário de Charles Darwin e coordenada por Gordon D. Love (Universidade da Califórnia), prova a existência dos organismos simples que o naturalista britânico disse que deveriam ter existido antes de evoluírem para criaturas mais complexas.

“Encontrámos uma prova daquilo que ele [Darwin] previu que deveria existir por aí”, comentou Roger Summons, geobiológo do Instituto de Massachusetts que participou na investigação. “Há provas fortes de que estas esponjas foram os primeiros organismos multicelulares a existir”.

Usando uma análise química dos sedimentos rochosos, datados de há 635 milhões de anos, os cientistas descobriram vestígios de moléculas que só são produzidas por uma classe de esponjas. Isto sugere que as criaturas existiam antes da Idade do Gelo que ocorreu há 630 milhões de anos e que trouxe depois a súbita diversificação de vida multicelular, há 530 milhões de anos.

Estas formas simples de vida animal surgiram 200 milhões de anos antes do aparecimento das plantas terrestres, lembrou Summons.

Os fósseis de animais mais antigos, encontrados nas rochas, datam de há 580 milhões de anos. Mas os autores deste estudo defendem que os “fósseis moleculares” deverão ser a melhor forma utilizada para compreender a Evolução. “As pessoas que olham para os fósseis nas rochas, normalmente, consideram apenas a imagem visível”, considerou Summons. Mas “isto vem mostrar que esses vestígios não são a única coisa a procurar”.
Público

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Invenção poupa combustível

Ajudar o condutor a poupar combustível é o objectivo de um mecanismo inventado por um português de origem indiana, que conquistou a medalha de prata da Feira Internacional de Invenções de Genebra, na Suíça. O Green Pai Driving (GPD) funciona no velocímetro do carro e consiste na sinalização da velocidade ideal para gastar menos combustível e fazer mais quilómetros.




"Serve para poupar dinheiro e proteger o ambiente", garante Rajesh Pai, um contabilista, de 43 anos, e que há 20 anos se instalou em Vila Praia de Âncora, Caminha. Casado com Paula e com dois filhos, a vertente de inventor é uma actividade secundária. Ainda assim, mostra-se esperançado em vender o sistema a fabricantes de automóveis.

M.F.

sábado, 11 de julho de 2015

David Attenborough junta-se a organização que defende diminuição da população mundial

Chama-se Optimum Population Trust e são uma organização britânica que, contra a corrente, se preocupa não com o envelhecimento da população mundial, mas com o apelo para que nasçam mais bebés. Até têm uma petição para que as pessoas entendam as vantagens de não ter mais de dois filhos. Agora ganharam um adepto de peso, chamado David Attenborough.

“O crescimento da população mundial é assustador. E nunca vi um problema tão simples de resolver com menos pessoas e tão difícil ou mesmo impossível de resolver com mais”, disse o naturalista e voz paradigmática, há mais de 50 anos, dos documentários da vida selvagem, citado pela BBC News, referindo-se à ameaça que paira sobre a conservação da natureza. Attenborough já tinha várias vezes defendido a necessidade de se travar o aumento da população mundial para proteger a vida selvagem.

A Optimum Population Trust, fundada em 19901, acusa as autoridades britânicas, incluindo o governo, de encarar a discussão sobre os aspectos negativos do crescimento populacional como um tabu. Segundo os responsáveis do grupo, o reino Unido teria de ter um decréscimo populacional de0,25 por cento ao ano para se atingir um nível de desenvolvimento sustentável.

Entre outros apoiantes de peso da organização está a primatóloga Jane Goodall.


quinta-feira, 9 de julho de 2015

Açores: Expedição científica estuda ilha de Santa Maria em Julho


Saber mais sobre a vida e o Ambiente da ilha de Santa Maria, nos Açores, é o principal objectivo de uma expedição científica de 76 pessoas, marcada de 12 a 19 de Julho, revelou o Departamento de Biologia da Universidade dos Açores.

Os cientistas pretendem actualizar o catálogo das plantas vasculares, recolher sementes e imagens para o Herbário virtual dos Açores, actualizar as listas de vertebrados terrestres, das pragas agrícolas (como a lagarta-das-pastagens e mosca-da-fruta) e da biodiversidade marinha e de água-doce.

Mas não só. Faz parte do pacote de iniciativas da expedição a caracterização dos trilhos pedestres da ilha e a promoção da sua diversidade geológica.

A expedição ficará sedeada no Parque de Campismo da Praia Formosa e contará com 76 pessoas, repartidas por 13 equipas: 19 docentes/investigadores, dois bolseiros de pós-doutoramento, quatro bolseiros de doutoramento, três bolseiros de investigação, dois bolseiros do programa Eurodisseia, oito técnicos superiores, dez alunos de licenciatura, 13 alunos do 3.º ciclo do ensino básico e do secundário, sete técnicos, um Assistente Administrativa, dois motoristas e um fotógrafo.

Os primeiros resultados deverão ser conhecidos durante o primeiro trimestre de 2010, segundo João Tavares, investigador coordenador.

Estas expedições, consideradas de interesse público, são um dos projectos mais antigos da Universidade dos Açores, ocorrendo em períodos de pausa lectiva como forma de levar a actividade de investigação universitária a todas as ilhas do arquipélago.

terça-feira, 7 de julho de 2015

Museus de Ciência electrónicos


Depois de umas boas férias de Verão, em que não nos caiu nada em cima das cabeças, começa a desinteressante época de trabalho. Queixamo-nos sempre que foi pouco tempo... Por isso, agora, vamos dar um passeio, ainda com cheirinho a férias: vamos visitar Museus de Ciência.
"Ui, museus, que seca!!", dirás! Não tenhas medo; esta é a melhor maneira de visitar museus: podes ficar o tempo que quiseres, podes saltar entre museus - em vários pontos do mundo - conforme o teu interesse, e o tema é sempre nosso amigo: Ciência! Porreiro, hã!?
A História sempre desempenhou um papel importante em todas as áreas do saber, mesmo na científica. Logo, acho primordial começar a nossa "expedição museológica" pela História da Ciência. Existem coisas fantásticas sobre este tema! No Departamento de Matmática e de Física da Univ. de Coimbra são-nos apresentados vários instrumentos científicos utilizados em Portugal, desde tempos imemoriais. Mas, se quiseres uma visão mundial, dirige-te a Itália e escolhe English e depois The Catalogue of the Museum; ou então a Áustria. Em ambos os sites delicia-te com os inúmeros textos e imagens presentes...
Um dos campos em que História e Ciência se misturam facilmente é a Arqueologia. É um óptimo ponto de passagem, principalmente se conhecermos locais arqueológicos em Portugal. Em Paços da Seda (Macedo de Cavaleiros) existe uma escavação arqueológica bem atenta às visitas. Deparamo-nos com com muita informação sobre este ponto, recheada de fotografias. Em Montemor-o-Novo temos outro bom exemplo, em que é incluida uma visita guiada ao Museu Arqueológico local.
Um ramo da Ciência que atrai muitos curiosos, devido à sua beleza diversa, é a Geologia. No Museu de Mineralogia da Universidade do Porto estão expostas diversas maravilhas da Natureza que não deves perder de forma alguma. Irás ficar estupefacto com a quantidade e qualidade das peças expostas - podes observar, inclusivé, minerais fluorescentes!
Outro museu que deve ser honrado com a tua visita é o Deutsches Museum. (Embora se trate de um museu alemão, praticamente todos os textos estão traduzidos para inglês.) Escolhendo o link "Exhibitions" somos confrontados com 38 variadíssimos temas, com explicações sucintas, desde a Agricultura à Tecnologia Aeroespacial. Por abranger uma área tão vasta de campos, torna-se bastante atraente; mas, pela mesma razão, por vezes, carece de informação. Assim, no campo da Tecnologia Aeroespacial, nenhum se compara aoNASM (National Air & Space Museum), na América do Norte. Trata-se de um espaço magnífico, inteiramente dedicado à Aeronáutica, com uma visão vasta desde os tempos mais remotos até aos dias de hoje.
Uma fórmula completamente diferente de aproximação é o National Museum of Science & Industry no Reino Unido. As várias exposições deste museu são sobre temas bem definidos e específicos; cada exposição tem uma duração bastante curta, o que obriga o visitante a voltar várias vezes. Mas, se escolheres Online Features, terás também acesso às últimas exposições que por aí já passaram. A principal diferença desta página relativamente às restantes, é a interactividade, de quase todas as exposições, através de jogos com animações e áudio. A página é tão boa, que te deves preparar para passar um dia inteiro a explorá-la!!
Mas consideras-te, acima de tudo, um aventureiro? Então visita o Museu Perdido das Ciências - The Lost Museum of Sciences.O nome deste museu deriva de o seu criador gostar muito de se perder em museus. O site apresenta uma vasta colecção de links de Museus de Ciência ligados em rede, de tal forma a criar um confuso labirinto! Aqui também te são propostos jogos, nos quais tens de demonstrar os teus conhecimentos sobre museus; um incentivo para te perderes neste labirinto de 433 ligações a museus e outras 218 relacionadas!
Se, depois de andares perdido e confuso por sabe-se-lá-onde, ainda estiveres disposto a procurar (mais ordenadamente) outros museus que desejes visitar, a fim de explorar outros temas, usa motores de busca especiais. Os motores de busca "museológicos" WebMuseum e VLMP têm índices extraordinariamente vastos. Ao fazeres uma pesquisa com a palavra "ciência", não te admires com a longa lista de achados...
E aí, perto de casa, não há nenhum museu à espera que o visites?
Rudolf Appelt

domingo, 5 de julho de 2015

As dez descobertas científicas do ano

A revista ‘Science’ realizou o balanço das descobertas científicas do ano. Eis a lista das dez maiores:



1) Identificação do Ardipithecus ramidus, uma espécie de hominídeo que viveu há 4,4 milhões de anos na actual Etiópia e conhecido por 'Ardi”. Os seus restos fossilizados precedem em mais de um milhão de anos os de 'Lucy', o mais antigo esqueleto parcial conhecido de um hominídeo e aproximam os investigadores do último antepassado comum a humanos e chimpanzés.

2) Detecção de pulsars pelo Fermi: o telescópio espacial de raios-gama Fermi, da NASA, ajudou a identificar novos pulsars (estrelas de neutrões muito magnetizadas e de rotação rápida) e a compreender melhor a sua emissão única de raios-gama.

3) Rapamicina: investigadores constataram que mexendo numa via essencial de sinalização podiam agir sobre a duração da vida de ratinhos, no primeiro resultado deste tipo obtido em mamíferos. A descoberta teve a particularidade notável de revelar que o tratamento só funciona quando os ratinhos atingem a meia-idade.

4) Grafeno: numa série de progressos fulgurantes, cientistas de materiais testaram as propriedades do grafeno (camadas muito condutoras de átomos de carbono) e começaram a utilizar este material para fabricar sistemas electrónicos experimentais.

5) Receptor de ácido abscísico (ABA) nas plantas: a resolução da estrutura no espaço de uma molécula crucial para ajudar as plantas a sobreviver às secas poderá ajudar os cientistas a conceber novos meios de protecção das plantas contra períodos prolongados de seca, o que poderá ajudar a melhorar os rendimentos agrícolas em todo o mundo e permitir a produção de biocarburantes em terrenos marginais.

6) LCLS e SLAC: o SLAC National Accelerator Laboratory (o acelerador linear de partículas de Stanford) apresentou o primeiro laser de Raios-X do mundo, uma poderosa ferramenta de investigação capaz de captar imagens de reacções químicas em progresso, de alterar estruturas electrónicas dos materiais e fazer muitas outras experiências numa vasta gama de áreas científicas.

7) Regresso da Terapia Genética: investigadores europeus e norte-americanos descobriram uma forma de combinar a terapia genética e a terapia celular com células estaminais do sangue para tratar a cegueira hereditária, uma doença genética mortal que afecta o cérebro.

8) Monopolos: Físicos que trabalham com estranhos materiais cristalinos chamados 'vidros de spin' realizaram uma proeza experimental ao criar ondulações magnéticas que reproduzem o comportamento previsto dos 'monopolos magnéticos', ou seja, partículas fundamentais com um único pólo magnético.

9) LCROSS (Lunar CRater Observation and Sensing Satellite) encontrou água na Lua: em Outubro, sensores a bordo daquela sonda da NASA detectaram vapor de água e gelo em detritos de uma colisão de um segmento de um foguetão que os investigadores fizeram despenhar deliberadamente perto do pólo Sul da Lua.

10) Reparação do Hubble: em Maio, uma última missão quase perfeita de reparação efectuada por astronautas da estação espacial permitiu conferir ao telescópio espacial Hubble uma melhor visão e prolongar a sua duração, com a obtenção das imagens mais espectaculares de sempre.

Numa antevisão de 2010, a revista aponta como 'assuntos quentes a acompanhar' o metabolismo das células cancerosas, o Espectrómetro Alpha Magnetic (MAS), a sequenciação das doenças do exoma (pequena parte do genoma humano com influência nos fenótipos), a utilização de células estaminais pluripotentes no tratamento de doenças neuropsiquiátricas e o futuro dos voos tripulados no espaço.




Lusa

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Arterite da artéria temporal


A arterite da artéria temporal (de células gigantes) é uma doença inflamatória crónica das grandes artérias.

Esta doença afecta uma em cada 1000 pessoas com mais de 50 anos de idade e é um pouco mais frequente nas mulheres do que nos homens. Desconhece-se a sua causa. Os sintomas sobrepõem-se aos da polimialgia reumática, pelo que alguns médicos consideram que se trata de variações da mesma doença.

Sintomas

Os sintomas variam de acordo com as artérias que são afectadas. É frequente que sejam afectadas as grandes artérias que chegam à cabeça e, em geral, aparece uma dor de cabeça intensa e repentina nas fontes ou na parte posterior da cabeça. Nos vasos sanguíneos da fonte pode notar-se inchaço e irregularidade ao tacto e pode sentir-se dor no couro cabeludo ao pentear. Podem manifestar-se, além disso, visão dupla, visão turva, grandes manchas cegas, cegueira de um olho ou outros problemas oculares. O maior perigo é a cegueira permanente, que pode manifestar-se de forma repentina caso se obstrua o afluxo de sangue ao nervo óptico. A mandíbula, os músculos mastigadores e a língua podem ferir-se ao comer ou ao falar. Outros sintomas podem ser os da polimialgia reumática.

Diagnóstico e tratamento

O médico baseia o seu diagnóstico nos sintomas e no exame físico e confirma-o mediante a prática de uma biopsia da artéria temporal, localizada na fonte. As análises de sangue são úteis também para detectar anemia e uma velocidade de sedimentação globular elevada.

Como a arterite da temporal causa cegueira em 20 % das pessoas não tratadas, o tratamento deve ser iniciado mal se suspeite da existência da doença. A prednisona é eficaz; administra-se em princípio numa dose elevada para deter a inflamação dos vasos sanguíneos, reduzindo-se lentamente ao fim de várias semanas se o paciente melhorar. Algumas pessoas podem deixar de tomar a prednisona ao fim de poucos anos, mas muitas precisam de doses muito baixas durante muitos anos para poder controlar os sintomas e prevenir a cegueira.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...