segunda-feira, 29 de junho de 2015

Descoberta de peixe grávida ajuda a perceber a origem do sexo nos vertebrados

O Museu de História Natural de Londres tinha uma gravidez escondida dentro de um fóssil de um peixe com 380 milhões de anos. Uma fêmea da espécie Incisoscutum ritchiei carregava dentro do útero um pequeno peixe com cinco centímetros.

Até agora pensava-se que o embrião tinha sido a última refeição do fóssil, mas o investigador australiano John Long acabou por descobrir que se tratava de uma gravidez, dando mais pistas para compreender o início da fertilização interna nos vertebrados. A descoberta foi publicada hoje na revista “Nature”.

Antes dos répteis e dos anfíbios a vida agitada dos vertebrados estava cingida aos oceanos. O fóssil pertence ao grupo dos placodermos, peixes que existiram até ao final do período geológico do Devónico, que terminou há 360 milhões de anos.

“Este peixe mostra algumas das evidências mais antigas da reprodução interna”, disse à BBC News Zerina Johanson do Museu de História Natural. “Esperávamos que mostrasse um tipo de reprodução mais primitiva, onde os espermatozóides fecundassem os óvulos na água e o desenvolvimento dos embriões ocorresse externamente”, acrescentou.

Em Maio de 2008, John Long já tinha descoberto um fóssil de uma fêmea de outra espécie de placodermes com o cordão umbilical ligado a outro peixe, dando provas de reprodução interna. Os dois fósseis são provenientes da formação geológica Gogo da região Oeste da Austrália e viveram mais ou menos na mesma altura.

Apesar da penetração ser essencial para a fecundação e desenvolvimento dos mamíferos e répteis, em muitos anfíbios e peixes a fertilização dos óvulos dá-se externamente. Há excepções como nos tubarões e nas raias em que a reprodução é interna. Os autores do artigo explicam que o Incisoscutum ritchiei tem a barbatana pélvica, situada no ventre, modificada e defendem no artigo que a estrutura seria utilizada pelo macho para agarrar a fêmea durante a fecundação – existe um órgão semelhante nos tubarões dos nossos dias.

A antiga barbatana funciona como “órgão eréctil intermitente que seria inserido dentro da fêmea para transferir o esperma”, disse Long. “Nesta espécie [este órgão] é mais flexível e no artigo da 'Nature' sugerimos que este é o princípio da fertilização eréctil masculina, porque parte do órgão é formado por cartilagem menos dura”, explicou o paleontólogo citado pela BBC News.


Nicolau Ferreira
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...