domingo, 30 de março de 2014

Imagens de Dinossauros










sexta-feira, 28 de março de 2014

Expedições de Dinossauros


Bugyin Tsav, no extremo sudoeste do deserto de Gobi; achado, à superficie, de numerosos restos de Tarbossaurus, do Cretácio superior. Missão italo-franco-mongol, de 1991.



Nemegt: escavação pela missão italo-franco-mongol (1991) do achado de um Trabossaurus bataar ( Cretácio superior ).


Khuren Duk ( sudoeste de Gobi ): achado de um esqueleto, com um braço e a mão quase completos, de Iguanodon orientalis (Cretácico inferior ).



Fotografia histórica do achado, em Tugrig (1971), do Protoceratops e do Velociraptor, envolvidos num enlace mortal.



Tugrig: achado de um crânio perfeitamente preservado de um protoceratops andrewsi do Cretácio superior. Missão italo-franco-mongol de 1991.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Protoceratops

Em 1922 foi descoberto na Mongólia, uma grande quantidade de restos de um dinossauro que foi apelidado de Protocerátops, "primeira cara de corno".
O Protocerátops caracterizava-se por uma pequena crista em forma de leque ao redor do pescoço, ou seja, uma estrutura óssea coberta de pele que além de fixar a forte musculatura maxilar, também servia de escudo. Seu corpo perecia um barril, a cabeça era grande e saiam-lhe elevações sobre os olhos e focinho.
O Protocerátops andava sobre as quatro patas, porém, como as dianteiras eram mais curtas, acredita-se que também podia erguer-se nas patas traseiras. A fêmea cavava buracos na areia onde botava seus ovos cuidadosamente em círculo. Com característica semelhantes foi encontrado um animal um pouco menor e mais leve que recebeu o nome de Microcerátops, que significa "mini cara de corno".


Dados do Dinossauro
Nome: Protocerátops, "primeira cara de corno"
Nome Científico: Protoceratops andrewsi
Época em que Viveu: Fim do Cretáceo, por volta de 66 milhões de anos atrás
Peso: 1,5 toneladas
Tamanho: Cerca de 2,5 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora

segunda-feira, 24 de março de 2014

Oviraptor

O Oviraptor cujo nome significa "ladrão de ovos" viveu de 144 à 66 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo, provavelmente era um especialista em abrir os grandes ovos de outros dinossauros, como o Protocerátops. Esse "ladrão" tinha as mandíbulas fortes, que terminavam num bico largo e desdentado. Em sua cabeça havia uma crista rígida e o rosto era bem curto, com grandes olhos. As mãos do Oviraptor tinham três dedos com garras curvadas e os pés possuiam quatro dedos, sendo que o dedão era minúsculo. Interessante nesse animal eram os dois dentículos pontudos no céu da boca, com os quais provavelmente abria e comia os ovos que roubava. Aliás, foi durante um desses roubos, que uma terrível tempestade de areia o soterrou, onde permaneceu até 1924, quando se descobriu seu fóssil na atual Mongólia.
Apesar de sua alimentação predileta ser os ovos de outros dinossauros, eles também eram pais cuidadosos, como comprova um fóssil muito bem preservado de um Oviraptor chocando ovos. Existem duas principais espécies de Oviraptor: Oviraptor philoceratops e Oviraptor mongoliensis.



Dados do Dinossauro
Nome: Oviraptor
Nome Científico: Oviraptor philoceratops e Oviraptor mongoliensis
Época: Cretáceo
Local onde viveu: Leste da Ásia
Peso: Cerca de 33 quilos
Tamanho: 1,80 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

sábado, 22 de março de 2014

Triceratops

O Triceratops era um dinossauro do grupo dos ceratopsídeos que viveu há aproximadamente 66 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo na América do Norte (EUA e Canadá), os quais possuíam a cabeça grande e extremamente forte, as maxilas laterais tinham bochechas musculosas, muitos dentes bastante afiados, um bico córneo curvado com o qual provavelmente arrancava as plantas duras, uma prolongação do crânio maciça que servia como escudo para proteção de eventuais ataques de predadores e combates entre machos e três chifres, sendo dois grandes acima dos olhos e um pequeno na ponta do nariz.. Os Triceratops provavelmente vivessem em enormes bandos, os quais possuíam uma escala hierárquica com machos disputando posições e direitos de acasalamento, porém em situações de ataque de algum predador, acredita-se que se juntavam de forma defensiva contra o predador, formando uma "parede" de escudos e chifres contra o oponente, com os filhotes fracos e doentes no interior dessa "muralha" defensiva e dessa forma acredita-se que se defendiam contra o seu maior predador, o Tiranossauro.


Dados do Dinossauro
Nome: Tricerátops
Nome Científico: Triceratops horridus
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 6 toneladas
Tamanho: 10 metros de comprimento
Alimentação: Herbívora

quinta-feira, 20 de março de 2014

Estegossauro

O Estegossauro cujo nome significa "lagarto telhado" viveu há aproximadamente 200 milhões de anos atrás e recebeu esse nome porque pensava-se que suas placas ósseas protetoras eram dispostas como as telhas e um telhado. Hoje sabe-se que elas ficavam em pé ao longo da coluna vertebral, fixadas na pele duríssima e não no esqueleto. Há diversas teorias sobre a utilização dessas placas: como armadura ou talvez como reguladores térmicos, esquentando ou esfriando o corpo do Estegossauro conforme sua posição ao sol ou ao vento. Há também a possibilidade de estas placas terem sido usadas para a exibição, assim, quando um predador atacava ou um parceiro era encontrado, o Estegossauro bombeava sangue para as placas e elas tornavam-se mais vivas e vermelhas o que seduzia o parceiro ou amedrontava o atacante. O corpo desse animal era maciço e a cauda extremamente musculosa era a sua arma de ataque, já que contava com quatro espinhos ósseos de 50 centímetros a 1 metro de comprimento. O pescoço terminava numa cabeça absurdamente pequena, de apenas 40cm, comportando um cérebro do tamanho de uma noz. Quando o Estegossauro estava em perigo, curvava a cabeça para baixo, protegendo-a com sua nuca repleta de placas e ao mesmo tempo aplicava fortes golpes laterais com a cauda. Várias espécies de Estegossauro viveram na América do Norte. Alguns eram mais primitivos e tinham as placas menores e mais pontiagudas.


Dados do Dinossauro
Nome: Estegossauro
Nome Científico: Stegosaurus armatus
Época: Jurássico
Local onde viveu: América do Norte
Peso: Cerca de 6 toneladas
Tamanho: 12 metros de comprimento e 4 de altura
Alimentação: Herbívora

terça-feira, 18 de março de 2014

Nodossauro

O Nodossauro cujo nome significa " réptil nódulo " era um dinossauro pertencente ao grupo dos nodossaurídeos, grupo o qual ele é responsável pelo nome, viveu há aproximadamente 135 milhões de anos atrás durante o período Cretáceo nos EUA, foi um dos primeiros dinossauros a desenvolver uma armadura protetora, ainda não possuía espigões e nem armas defensivas como os anquilossauros, possuía apenas uma couraça grossa que cobria quase todo o corpo do animal e impedia maiores ferimentos quando atacado por predadores.

Dados do Dinossauro
Nome: Nodossauro
Nome Científico: Nodosaurus
Local onde viveu: América do Norte
Época: Cretáceo
Peso: Cerca de 1,5 tonelada
Tamanho: 5,5 metros de comprimento e 1,7 metros de altura
Alimentação: Herbívora

domingo, 16 de março de 2014

Braquiossauro

O Braquiossauro cujo nome significa "lagarto braço", foi descoberto em 1900 no Colorado, EUA, mas também viveu na Argélia e Tunísia. Esse animal provavelmente não poderia erguer-se nas patas traseiras como mostra o filme "Jurassic Park", pois elas eram mais curtas que as dianteiras. Mesmo assim sua altura lhe permitia, sem esforço, comer as copas das árvores. A atividade principal do Braquiossauro era comer.
O Braquiossauro passava a maior parte do dia comendo folhas de suas árvores prediletas como as coníferas (tipo pinheiros), cicadáceas e gingoáceas. Calcula-se que para abastecer seu corpanzil de até 90 toneladas (o mesmo que dezoito elefantes e mais que 2 BOENGS 747) comia mais ou menos 2 toneladas de plantas por dia. Apesar do grande peso, podia desenvolver uma velocidade de aproximadamente 20 km/h. Com certeza a terra devia tremer.
Como as narinas desse animal ficavam no alto da cabeça, muitos cientistas acreditavam que ele vivia na água, comendo plantas aquáticas no fundo de lagos e rios. Nesse caso seu corpo ficaria debaixo da água e de vez em quando aparecia a pequena cabeça com as narinas através das quais ele respirava. Mas essa teoria foi superada, pois sabe-se que seus pulmões não teriam suportado a pressão da água.


Dados do Dinossauro
Nome: Braquiossauro
Nome Científico: Brachiossaurus brancai
Época em que Viveu: Jurássico, a 144 milhões de anos atrás
Local onde viveu: América do Norte e África
Peso: Cerca de 90 toneladas
Tamanho: 25m de comprimento e 15m de altura
Alimentação: Herbívora

sexta-feira, 14 de março de 2014

Tiranosssauro Rex

O Tiranossauro cujo nome significa lagarto tirano rei, foi um dos maiores carnívoros terrestres encontrados até hoje, perdendo apenas para o Giganotossauro e para o Carcharodontossauro, seus parentes, possivelmente mais agressivos, pois alguns cientistas acreditam que o Tiranossauro era um carniceiro, assim como os atuais urubus.
Seus dentes afiados eram ligeiramente curvos, de forma a agarrar melhor suas presas. Como o tubarão, uma vez que o Tiranossauro abocanhava sua vítima, para escapar de seus dentes curvos era necessário entrar mais fundo em sua boca. Possuía cerca de cinqüenta desses dentes afiadíssimos de até 20 cm, uma perfeita máquina de fatiar carne. Suas vítimas prediletas eram os hadrossauros e ceratopsídeos.
O Tiranossauro andava sobre duas pernas, que eram fortes o suficiente para sustentar o grande corpo e movimentá-lo à uma velocidade de até 48km/h. Cada pé possuía garras fortíssimas. Três desses dedos eram de apoio e um nem tocava o chão. Os braços minúsculos, com apenas dois dedos cada chegavam a ser até meio ridículos se comparados ao tamanho desse animal. Não se sabe ao certo para que o Tiranossauro usava esses braços; se para se apoiar ou para agarrar a presas. O achado de um crânio danificado comprova que deveriam ocorrer violentas batalhas entre os Tiranossauros, por comida e pelo direito de se acasalar. Viveu durante o período Cretáceo há aproximadamente 66 milhões de anos atrás e pertencia ao grupo denominado de terópodes.
Inicialmente ele foi chamado de Dynamosaurus imperiosus, mas logo recebeu um nome mais apropriado. Este magnífico e assustador animal que foi descoberto no Oeste Americano, tinha a cabeça gigantesca, cerca de 1,20 metros de comprimento e suas mandíbulas eram tão grandes que podiam devorar um ser humano inteiro e exercer uma pressão enorme. Isso também é umas das características que contestam os hábitos do Tiranossauro como sendo um necrófago.


Dados do Dinossauro
Nome: Tiranossauro Rex
Nome científico: Tyrannosaurus rex
Época: Cretáceo
Local onde viveu: América do Norte e Ásia
Peso: Cerca do 8 toneladas
Tamanho: 14 metros de comprimento e 5,60 metros de altura
Alimentação: Carnívoro

quarta-feira, 12 de março de 2014

Velociraptor

O Velociraptor mongoliensis cujo nome significa " ladrão veloz " vivia em grandes bandos, de 5 a 20 animais, era feroz e agressivo , alcançando altas velocidades, era uma das menores espécies de raptores. Esse predador percorria as florestas do período Cretáceo caçando mamíferos ou pequenos dinossauros herbívoros, matando-os e devorando-os. As vítimas ficavam aterrorizadas e tinham pouca chance de escapar. A longa e afiada garra existente em cada pata traseira chegava a 11cm e era voltada pra dentro e usada para ferir e dilacerar sua presa.
Vivendo principalmente na Mongólia, o Velociraptor pertencia a uma família de perigosos e astutos caçadores. Esse animal tinha a aparência de um lagarto, tanto na pele quanto no formato, mas movia-se com a velocidade e a inteligência de um leopardo. Tinha uma cabeça de 16cm e focinho alongado.
O Velociraptor possuía clavícula, o que era incomum nos outros dinossauro. Desse modo, os braços ganhavam forças para agarrar a vítima com mais firmeza. Esse animal era esperto o suficiente para saber que andando em bando, conseguiria com mais facilidade abater presas maiores. Antes da descoberta do Velociraptor na Mongólia, em 1924, cientistas achavam que os dinossauros eram seres lerdos e estúpidos. Mas o Velociraptor, além ágil era também muito inteligente.


Dados do Dinossauro
Nome: Velociraptor
Nome Científico: Velociraptor mongoliensis
Época: Fim do Cretáceo
Local onde viveu: Ásia
Peso: Cerca de 80 quilos
Tamanho: 2 metros de comprimento
Alimentação: Carnívora

segunda-feira, 10 de março de 2014

Réptil marinho do Jurássico mordia mais do que o T-rex

“Podia ter comido qualquer coisa que lhe aparecesse à frente”, disse Espen Madsen Knutsen, da Universidade de Oslo, na Noruega. E dará um óptimo vilão no próximo filme com gigantes do passado, propomos nós. O maior pliossauro de sempre nadou nos mares da Terra há 147 milhões de anos, no Jurássico, e foi descoberto de relance, no último dia em que a expedição de cientistas noruegueses esteve no arquipélago de Svalbard, no Árctico, em 2007.

A equipa tem descoberto várias espécies de pliossauros na região. Dessa vez foi o líder da equipa, Jørn Hurum, do Museu de história Natural da Universidade de Oslo, que viu um grande osso a sair da terra. O ponto ficou marcado no GPS, no ano seguinte os paleontólogos voltaram e passaram alguns meses a estudar parte do crânio e 20.000 fragmentos fossilizados do esqueleto de uma nova espécie.

Segundo os paleontólogos, a criatura tinha 15 metros de comprimento, pesava 45 toneladas e tinha uma fileira de dentes com 30 centímetros. “Este era mesmo grande. Temos partes da mandíbula inferior que são enormes”, explicou Madsen, citado pelo jornal britânico "The Guardian". Os pliossauros eram um grupo de répteis marinhos que viveram durante a era dos dinossauros e extinguiram-se no final do Cretácico, há 65 milhões de anos. Tinham normalmente uma cabeça grande, pescoços pequenos e quatro barbatanas que serviam para nadar.

A cabeça da nova espécie tinha o dobro do tamanho da de um Tyrannosaurus rex. O réptil nadava normalmente utilizando as duas barbatanas dianteiras e só se servia das quatro para dar um impulso rápido quando queria abocanhar uma presa. A equipa, com a ajuda do biólogo Greg Erickson, da Universidade da Florida (EUA), descobriu que uma mordida do monstro teria quatro vezes mais força do que a do T-rex. Até o carnívoro poderia tornar-se comida se caísse nos mares do Jurássico.

Ciências Naturais - Vídeo sobre Fagocitose

Ciências Naturais - Vídeo sobre Fagocitose

Ciências Naturais - Vídeo sobre Fagocitose

Ciências Naturais - Vídeo sobre Diapedese

sábado, 8 de março de 2014

Asteróide matou os dinossauros

Um grupo de investigadores de vários pontos do Mundo diz ter descoberto o verdadeiro motivo que levou à extinção do reinado dos dinossauros, uma questão que tem vindo a dividir os especialistas ao longo das últimas décadas.

O impacto de um asteróide terá sido o responsávelpela extinção em massa, no fim do período Cretáceo, dos dinossauros e de mais de metade das espécies na Terra. Ao contrário do que outra linha de pensamento defendia,actividades vulcânicas em massa não foram a causa da grande extinção.

O episódio, ocorrido há cerca de 65 milhões de anos, eliminou os dinossauros, pterossauros e grandes répteis marinhos, abrindo caminho para a presença e domínio dos mamíferos. Calcula-se que com o choque teriahavido um terramoto de magnitude muito superior a 10 na Escala de Richter, ocasionando um colapso planetário.

A prova de que tudo isso ocorreu são os depósitos de sedimentos em Chicxulub, no México. O asteróide teria cerca de 15 quilómetros de diâmetro, viajou a 20 km por segundo e provocou um afundamento de 30 km no solo - é a maior cratera jamais vista.

Uma das provas químicas de que o asteróide provocou a extinção dos dinossauros é a quantidade do elemento irídio encontrada em amostras geológicas em todo o Mundo, datadas da época do fim dos grandes répteis. A substância, muito rara na crosta terrestre, é muito comum na composição de asteróides.

Em 1981, Luis Walter Alvarez, prémio Nobel de Física em 1968, e o seu filho, o geólogo Walter Alvarez, apresentaram essa hipótese, que teve o grande valor de explicar o súbito desaparecimento dos dinossauros; dez anos depois, com a descoberta de uma cratera com 180 km de diâmetro em Chicxulub, na Península de Yucatán, no México, o assunto voltou à tona. Desde então a hipótese de Alvarez passou a ser discutida no meio científico, com opiniões contra e a favor.

Mário Gil

quinta-feira, 6 de março de 2014

A intimidade dos dinossauros


O que dizem os fósseis sobre os seus hábitos?
A partir dos vestígios que chegaram até nós, os paleontólogos conseguiram desvendar alguns segredos dos dinossauros, mas a sua vida sexual ainda é um mistério. O ilustrador José Antonio Peñas imaginou-os nos momentos mais tórridos, em imagens que têm, pelo menos, o condão de alertar para o muito que falta saber sobre estes répteis extintos.

Uma coisa evidente: os dinossauros não surgiam por geração espontânea. Outra: desconhecemos praticamente tudo sobre a sua conduta reprodutiva: como eram os rituais de cortejo, com que frequência se produziam os encontros, quanto tempo duravam? Em 2005, Mary Higby Schweitzer, paleontóloga da Universidade do Estado da Carolina do Norte, anunciou na revista Science a descoberta de osso medular nuns fósseis de Tyrannosaurus rex. Esta camada de tecido ósseo, que proporciona o cálcio necessário para formar a casca dos ovos, hoje apenas se encontra nas fêmeas das aves, das quais os dinossauros eram parentes. Por isso, alguns investigadores procuraram uma relação entre o comportamento sexual de ambos os vertebrados.

Outras descobertas revelaram, por outro lado, que estes répteis extintos alcançavam muito depressa a maturidade sexual. No entanto, como os genitais, formados por tecidos moles, não são propriamente as partes que melhor se conservam, nem sequer sabemos de ciência certa se os machos possuíam algum tipo de órgão copulador, se a fecundação se produzia por aproximação das cloacas ou se, no caso dos exemplares maiores, esta teria lugar na água, como acontece com os crocodilos. Seja como for, funcionava, pois eles dominaram o planeta durante 160 milhões de anos.

Retirado de:
A.A.
SUPER 147 - Julho 2010

terça-feira, 4 de março de 2014

Descoberta de pequeno dinossauro com apenas uma garra

Cientistas chineses descobriram um dinossauro ‘miniatura’ com apenas uma garra, que provavelmente fora parente distante do feroz Tyrannosaurus rex. A criatura, recém-baptizada de Linhenykus monodactylus, é a única até agora conhecida com apenas um dedo. Esta espécie devia ter um metro de altura e pesar o mesmo que um papagaio, segundo refere o artigo publicado na «Proceedings of the National Academy of Sciences».

A maioria dos terópodes, carnívoros que deram origem às aves modernas, tinha três dedos por mão, mas este possuía apenas um que seria usada para cavar ninhos de insectos. Os não aviários surgiram com cinco dedos, mas evoluíram para apenas três em formas posteriores. Já os tiranossauros eram incomuns por terem apenas dois dedos, mas o Linhenykus, com apenas um dedo, mostra quão extensiva e complexa foi a evolução nas mãos dos terópodes.
Os cientistas ainda não sabem exactamente como é que os Linhenykus evoluíram e deixaram de ter dois dedos, mas segundo o estudo, este “o desaparecimento da espécie pode simplesmente reflectir o facto de não estarem a adaptar-se” nem “se manterem activamente pela selecção natural".

Segundo o co-autor do estudo, Jonah Choiniere, da Divisão de Paleontologia do Museu Americano de História Natural, “vestígios de estruturas, como pernas em baleias e cobras, podem aparecer e desaparecer, aleatoriamente, no curso da evolução".

Os fósseis do dinossauro foram encontrados na fronteira entre a Mongólia e a China em rochas da formação Wulansuhai, do Cretáceo Superior, que data de 84 a 75 milhões de anos. Os investigadores encontraram parte de um esqueleto, incluindo ossos vertebrais, uma perna dianteira, parte da pélvis e membros posteriores quase completos.

domingo, 2 de março de 2014

Descoberto o último dinossauro antes da grande extinção

A era dos dinossauros terminou com um meteorito há 65 milhões de anos, mas havia dúvidas se os répteis gigantes já não estariam em declínio antes, por falta de fósseis encontrados nos sedimentos daquela altura. Mas a descoberta de um dinossauro da família dos triceratops com cerca de 65 milhões de anos põe de lado esta questão. O artigo que descreve o fóssil foi agora publicado na revista Biology Letters.

Os dinossauros dominaram a Terra durante 165 milhões de anos, no Mesozóico. Depois, no final do Cretácico, um meteorito bateu contra a Terra e extinguiu estes répteis e muitos outros seres-vivos.

Os investigadores são capazes de encontrar nos sedimentos a camada associada à altura da colisão do meteorito por ter características especiais. Mas, nos três metros abaixo desta camada não se tinham encontrado fósseis de dinossauros, esta ausência fez com que vários cientistas pusessem a hipótese de que estes animais já estavam em declínio muito tempo antes da grande colisão.

A descoberta de um fóssil feita agora na formação geológica de Hell Creek, em Montana, nos Estados Unidos, põe fim a esta ausência de fósseis. “O facto de este espécime estar tão perto da fronteira indica que pelo menos alguns dinossauros estavam numa situação boa até ao momento do impacto”, disse em comunicado Tyler Lyson, da Universidade de Yale, que liderou o estudo.

O fóssil é um corno de um indivíduo que faz parte dos ceratopsia, o grupo de dinossauros que inclui os famosos triceratops. O osso fossilizado estava apenas a 15 centímetros da fronteira entre o Cretácico e o Terciário – o período de tempo que veio a seguir à era dos dinossauros, dominado pelos mamíferos – o que significa que viveu entre dezenas de milhares de anos e alguns milhares de anos antes do impacto.

O fóssil está enterrado em rochas sedimentares de uma planície de inundação de um rio que, naquela altura, passaria pela região. Por isso, não há o perigo de ter sido remexido por processos geológicos e ser de uma altura anterior. “Esta descoberta é uma prova que os dinossauros não morreram lentamente antes da colisão do meteorito”, disse Lyson.

Quando os cientistas descobriram o dinossauro, em 2010, pensaram que ele estava mais distante da fronteira associada ao impacto meteorítico. Mas quando mandaram analisar os sedimentos, descobriram que estava muito mais perto da fronteira. A equipa vai agora analisar outros fósseis que parecem também estar juntos daquela camada.

Tyler Lyson suspeita que esta ausência de fósseis nos três metros abaixo da fronteira entre o Cretácico e o Terciário é um erro científico, e que muitos fósseis já encontrados possam estar mais perto desta camada do que se pensava. “Seremos capazes de verificar isso utilizando técnicas de análise de solo mais sofisticadas do que as estimativas de localização da fronteira que são feitas somente com base nas observações de campo, que é o que tem acontecido no passado”, disse o cientista.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...